22 setembro, 2017

Ou vai, ou racha!

Acreditar na democracia portuguesa é uma ofensa aos povos do norte da Europa,
e a todos aqueles que se esforçam para a tornar autêntica. É também boicotar o trabalho dos que se empenham para a credibilizar contra quem usa essa tremenda impostura para dominar. Isto, a que levianamente alguns ainda apelidam de democracia nada mais é que uma grande vigarice que os mentores do 25 de Abril não souberam reprimir. A euforia com a queda do Estado Novo tolheu-lhes a lucidez de deixarem a democracia crescer sem a maturidade que só a boa educação permite.

Não sei se foram os descentes da PIDE que se infiltraram nos aparelhos partidários, se foram os governantes que se distraíram, ou as duas coisas ao mesmo tempo. O que sei é que, 43 anos de Liberdade não foram suficientes para blindar a democracia com a licitude e respeitabilidade que ela precisa. Edificar uma democracia sem estes "alicerces",  é tão irresponsável como entregar uma criança ao cuidado de um pedófilo, passe a analogia Nada, nem ninguém, me convence que o regime em que vivemos seja empenhadamente democrático, com tanta gente a violar, dia após dia, as regras mais elementares de qualquer sociedade civilizada. Com outra consequência, não menos humilhante: há quem se governe com esta situação.

Tendo disso consciência, cabe-me enfatizar as descobertas que Francisco J. Marques tem revelado no Porto Canal sobre a rede mafiosa benfiquista. E não é apenas por se tratar de algo condenável, é pela enorme gravidade que ela evidencia, e pelo contágio pernicioso dos maus exemplos que podem transmitir às novas gerações. Mesmo assim, penso que o FCPorto não está a tirar o partido que podia desta situação. Estou convicto que o Porto Canal podia chamar a si muito mais audiências e patrocínios caso alargasse a programação dentro deste mesmo tema. Podia ganhar muito dinheiro, sem precisar de inventar e de entrar pelo caminho da injúria.

É evidente que a escassez programática do Porto Canal é manifesta, e contrasta com a curiosidade pública que casos de corrupção como este despertam. No Porto, e no país inteiro. O interesse no evoluir das investigações é grande, e por isso pertinente que o Porto Canal explore este caso sem excessos nem tentações insídiosas, mas com plena convicção. O caso não é para menos, e ninguém de bom senso nos pode criticar por isso. Tenho a certeza que o programa Universo Porto da Bancada é actualmente o canal com mais audiências do país às 3ªs feiras à noite. E não são certamente apenas de portistas! Saiba o Porto Canal explorar o filão que tem à mão neste momento.

Episodicamente, queixamos-nos de o Porto não ter massa crítica, o que é verdade. Isto também tem a ver com o que já temos escrito. Lamentavelmente, os tempos são de conformismo, de grande míngua ideológica, e de  medo. Apesar disso, é pouco provável que algo possa impossibilitar o Porto Canal de realizar outros debates que contemplem o dossier BenficaGate como tema central. A qualidade dos convidados é fundamental, e teria de ser criteriosamente selectiva. Nem arruaceiros, nem gente híbrida. Prevaleceria o conhecimento da realidade, a frontalidade, e sobretudo um grande espírito de solidariedade entre os participantes. Fundamentalmente, devia destacar-se a indignação geral dos portistas, assim como o contraste com a indulgência dos órgãos federativos, responsáveis directos  por estes assuntos, forçando-os a intervir.

O facto de Fernando Gomes (da FPF), ter sido recentemente nomeado para director executivo da FIFA não deve impedir o FCPorto de o notificar pelo silêncio displicente com este escândalo, nem tão pouco de o coagir a responder, eventualmente com pré-aviso de participação do ocorrido à própria FIFA, porque é um dever seu! Não podemos aceitar posturas permissivas como a que ele tem tido, porque o silêncio perante um assunto tão grave, não é resposta que se dê. Julgo que quem terá mais a perder será ele, e não o FCPorto. A não ser que me escape alguma coisa...

O que custaria aceitar, é que o FCPorto deixasse fugir a oportunidade de se afirmar condignamente perante os sócios, os simpatizantes, e o Mundo. Se o polvo é gigante, e tem muitos tentáculos, não interessa. O que interessa é fazer lembrar ao país que se este assunto, com óbvios sinais de ilegalidades e conivências, não fôr resolvido com seriedade, é o próprio Estado quem bate no fundo. Se isso acontecer, o FCPorto poderá, se quiser, recorrer à União Europeia, e pelo menos embaraçar o governo português . 

O que já não se aceita, é que desista, caso se confirme a queda a pique da autoridade do Estado. Cai o Estado, levanta-se o FCPorto! É um momento que pode revolucionar para melhor o futebol português. Nós não podemos queixar-nos do polvo se não soubermos pô-lo no seu lugar, que é no fundo dos oceanos e não numa sociedade de homens civilizados. Se não quiserem lá ficar, a alternativa só pode ser a cadeia.

Okey, chamem-me sonhador que não levo a mal. Prefiro isso, a dizer que não vale a pena.

Nota:
Parece que prevejo a futilidade dos que andam na vida a enganar o mundo. Fernando Gomes. presidente FPF, escreveu um artigo n'A Bola que é um verdadeiro atentado ao carácter. Um vendido! Mais um, entre uma multidão. Qual Durão Barroso. 

5 comentários:

António Ferreira disse...

Ao Dr. Fernando Gomes deve ser dada a oportunidade se explicar, já que suas declarações permitiram estas colagens indesejáveis do gang da corrupção, ainda assim coisas positivas dai resultaram por exemplo a hipótese de audição parlamentar parece fantástica na medida que permite deixar claro algumas das nossas posições perante um dos foros mais relevantes de todo este esquema de corrupção benfiquista, o politico.
Eu gostaria que isto fosse feito sob a forma de manifesto, que na opinião não pode ter uma forma muito diferente disto nos FCP não iremos descansar ate todos aqueles que permitiram ao longo dos anos a instalação deste esquema de crime organizado sejam expostos e sejam responsabilizados, nomeadamente no foro desportivo CA(Árbitros, Observadores), LPFP, FPF, CD na justiça: ministério Publico, Tribunais(juízes), PJ. na Comunicação Social (Jornalistas(radio, TV, Jornais e afins) e na política politicos(cartilhados, avençados, marionetas) e todos os órgãos de supervisão (IPDJ) ministro etc. e não aceitamos menos, se não há instituições capazes levamos isto para o âmbito europeu, uma mensagem simples, quem não estiver disponível para acabar com a corrupção e punir os responsáveis pode sair da frente ou também serão julgados.
Como vai ser Fernando Gomes?

Rui Valente disse...

Talvez me engane, mas acho que Fernando Gomes não quer lidar com este presente envenenado. O artigo dele está cheio de redundâncias generalistas.

Então a história do ódio, está gasta e é perfeitamente despropositada no tempo e na objectividade. Como é possível defender os árbitros com os exemplos escandalosos que eles têm dado?

Foi apenas um alerta que cheirou mais a detergente. Não acredito que esteja disposto a queimar os dedinhos nisto. Uma fraude.

Unknown disse...

Caro Rui Valente,
Os trinta anos vividos em Lisboa permitiu-me aperceber desta triste realidade : os maiores inimigos da regionalização sempre foram aqueles que " migraram " das suas terras para Lisboa. Estes são os piores porque renegaram as suas origens e se " venderam" aos diversos poderes totalitários instalados na corte da capital. A votação, por unanimidade, na AR de congratulação por o governo escolher Lisboa para sede da Agência Europeia do medicamento dissipa quaisquer dúvidas acerca do carácter dos deputados eleitos fora de Lisboa.Fernando Gomes é mais um triste exemplo de vassalagem aos poderes da capital.A cereja em cima do bolo é escolher o orgão oficioso do Vieira para transmitir a mensagem. Apesar dos 5-2 estou triste quando constato mais esta "traição" de um que já foi dos nossos. É demasiado forte e vou levar muito tempo a digerir. Cordiais saudações portistas. Jorge Monteiro.

Rui Valente disse...

Caro Jorge Monteiro,

se quer que lhe diga, acho que nortenhos, sulistas ou centristas, é tudo farinha do mesmo saco. É o português típico! Depois, há algumas excepções, nada mais. Essas, são uma minoria que acabam sempre por pagar a indigência dos outros. Esqueça que o Homem do Norte é diferente dos outros. Lamento dizer isto, mas estou também muito decepcionada. O carácter, está visto e provado, é algo muito excepcional nos tempos que correm.

Esta gente orienta-se exclusivamente por um valôr: o Dinheiro! Mas não desanime, nós estamos por cima de essa canalhada toda.

Um abraço para si

Unknown disse...

Caro Rui Valente,

Infelizmente tem razão quando diz que é tudo farinha do mesmo saco.Mas a verdade é que me custa muito mais a digerir isto quando se trata de gente da minha terra pois vivi muito tempo na ilusão de que seriamos diferentes.E quando a desilusão chega acredite que dói, e muito, sobretudo para quem como nós continua fiel às suas origens.Um grande abraço. Jorge Monteiro