12 setembro, 2011

Seguro não é um Gastão

Só estive cinco anos na política. Mas que anos! Tive a sorte de viver a idade da revolta num Portugal em desvairada mudança de vidas e de costumes. Eu atravessava a fronteira da adolescência (17 anos) para a maioridade (23) . O país evoluía do marcelismo (1973) para a consolidação de uma jovem democracia (1978).

Aprendi muito e para toda a vida naqueles cinco anos que militei na LCI, um grupúsculo trotskista, avô paterno do Bloco de Esquerda. Li furiosamente, habituei-me a discursar em público, aperfeiçoei a técnica de argumentação, escrevi programas e comunicados, inventei palavras de ordem, traduzi textos, organizei greves e manifestações, colei cartazes, ocupei casas, fiz pichagens, preparei reuniões, distribuí panfletos, andei à pancada e fugi da Polícia - só para citar o mais relevante :-).

Desses tempos gloriosos e emocionantes guardo não só recordações, como também métodos de trabalho e hábitos de organização. Cerca de 40 anos volvidos, a ordem de trabalhos tipo de uma reunião política - 1. Informações; 2. Análise da situação; 3. Medidas a tomar - permanece tão actual e eficaz como o velho teorema de Pitágoras.

E tenho para mim que continua a ser fundamental fazer o balanço antes de nos aventurarmos a elencar as perspectivas.

A estabilização da democracia trouxe na mochila um sistema partidário viscoso, assente em máquinas de assalto ao Poder, guarnecidas por militantes cuja preocupação n.º 1 é garantir um futuro melhor para si - e não para o país. O egoísmo substituiu a generosidade. A política passou a ser uma coisa tão animada como o cemitério do Prado do Repouso à meia-noite.

O Congresso do PS é a prova dos nove deste lamentável estado de coisas. Era legítimo esperarmos que de Braga saísse uma ideia clara do que será preciso fazer para voltarmos a prosperar quando acabar o ajustamento brutal a que estamos sujeitos.

Era legítimo esperar, mas nicles! Em três meses de debate, o melhor que o PS conseguiu apresentar, por junto e atacado, foi uma ideia interessante para reaproximar os cidadãos dos partidos (a sugestão de Assis de os simpatizantes poderem registar-se no partido e participar na escolha dos seus candidatos, como nos EUA), uma análise acertada (a inevitabilidade do federalismo, reconhecida no discurso final de Seguro) e uma notícia para as revistas cor-de-rosa: a apresentação à sociedade de Margarida, a mulher de Tozé, que se parece mais com o desafortunado Pato Donald do que com o sortudo Gastão.

É pouco. É mesmo muito pouco para um partido que não teve a coragem de se submeter a um exercício de autocrítica, fazendo o balanço antes de se arriscar a traçar as perspectivas.

Pode viver-se sem família. Pode viver-se sem amor. Pode até viver--se sem dinheiro, levando uma vidinha miserável. Mas é impossível viver sem sonhos nem esperança. Em Braga, o PS foi incapaz de nos fazer sonhar. Seguro não é o cavaleiro da esperança.

[Jorge Fiel/ JN]

5 comentários:

dragao vila pouca disse...

Líder transitório... tinha de ser alguém. Mais tarde vai aparecer o verdadeiro líder, António Costa. Até lá, agarrado aos compromissos com a troika, o PS não pode fazer muito.
Abraço

Anónimo disse...

Seguro só de novo. Em Braga não houve nada de novo, às vezes até parece o Sócrates quando pergunta, se estão todos com ele. É mais um, que nunca soube o que é trabalhar. Anda no partido desde menino, é um chucha.
Aquela cena com o escurinho António Costa foi triste e hipócrita.

Não temos um bom 1º ministro e nem temos um bom líder na oposição.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO,

Rui Valente disse...

Vila Pouca,

se o PS não pode fazer muito, já pôde, porque lidou com a Troika antes do PSD, e foi o que se viu.

É como diz o Jorge Fiel, quando um candidato a líder nem sequer se dá ao cuidado de submeter o Partido a um exercício de auto-crítica, podemos imaginar o que vem a seguir...

Abraço

Zé da Póvoa disse...

Se prestarmos um pouco de atenção aos líderes e quadros dos principais partidos chegamos a uma conclusão: estamos entregues à bicharada! Gente que nunca fez nada na vida, que sempre viveu de expedientes e subiu na vida graças a compadrios. Até os canudos que dizem ter foram conseguidos, em grande parte, nas universidades de amigos com professores a militar no partido. Enfim, é o descalabro total!

joao abel calais disse...

...Pois é!
Sabe o que me veio à cabeça,após ler o seu post?...
Que o bom do seguro se compara a uma tal de margarida-escritora light da n/ praça- e tal como a ela só (o) gasta ,(o)usa,(o )ouve e lê, quem quer!
Convenhamos,porém,que a seguir ao que foi estudar para Paris,qualquer um que viesse seria bem-vindo...
É o destino!
Abraço
João Carreira