04 dezembro, 2019

A calimerice a que não estávamos habituados...

Francisco J. Marques visa o Marítimo no encontro frente ao Benfica
Francisco J. Marques, sugere ao "chefe"da familia portista que seja
agora ele a dar o corpo às balas. Papá afastado é papá irresponsável


O Zé Manel, filho de um rico industrial, dirigiu-se à Polícia Judiciária local para apresentar queixa de um assalto a casa onde residia com os  pais, juntamente com vários irmãos. Era uma família grande. O agente que o atendeu, perguntou-lhe se os assaltantes tinham deixado rastos, sinais e outras pistas do género. Ò sr. agente, eu não lhes vi bem a cara, mas encontrei espalhados pelo chão alguns e-mails onde trocavam estratégias,aconselhavam contactos influentes, como por exemplo um deles até falava de colegas seus (agentes da PJ) a quem tratavam por padres queridos, como se fosse da família.

 O senhor agente desculpe mas era mesmo assim que estavam escritos os e-mails. Não sei o que é que eles estavam a combinar, se fazer outro assalto, ou coisa do género. O que sei é que tudo o que lá estava escrito era muito  suspeito. Portanto, se o sr. agente precisar de ficar com os e-mails para investigar, faça o favor, ficam à sua disposição. 

Diz o Agente:não, não, vai ter mesmo que deixar aqui esses documentos, porque podem ser muito importantes para descobrir o que andam a fazer. Então, faça o favor, aqui ficam à sua disposição os documentos. Não é preciso mais nada agente? Não senhor, deixe-me apenas o seu contacto e se houver novidades falo consigo. Boa tarde! Boa tarde Sr. agente, e muito obrigado pela atenção. Boa tarde, sr. Zé Manel. Mas, olhe, isto ainda vai demorar um bocado sabe. Estas coisas são sempre muito complicadas...

O tempo foi passando, um, dois, três, quatro mêses, um ano quase, e ...nada. Dos bandidos, apesar de identificados, ninguém quis falar, nem mesmo os jornais de Lisboa, normalmente tão afoitos a agarrar
estes "ganchos" jornalísticos... Nada, silêncio atrás de silêncio, e o  Ministério Público parecia uma igreja num funeral de soldados mortos em guerra.

Tanto tempo mais se passou,que o Zé Manel decidiu pedir ao progenitor que lhe facultasse um canal de televisão para ir denunciando outras patifarias que os suspeitos eventualmente cometessem, não fossem eles destruir-lhes o património.

 E assim o fez.  O pai, pouco dado a dar a cara a futilidades,deixou a tarefa aos filhos.

E assim aconteceu. Às 3ªs feiras, o Zé Manel, desta vez apoiado por um dos"irmãos" continuou a denunciar toda a pouca vergonha que iam tendo conhecimento dos malandros mafiosos. Foram tantos os casos, tantos, que os espectadores começaram a cansar-se de os ouvir. Não, que os achassem chatos, mas porque aquilo parecia não passar de uma história de  calimero, como crianças perdidas no mundo, orfãs de pais e sem irmãos (que não é o caso).

Uma coisa é certa, há uma conclusão a tirar desta triste história: em Portugal, é possível acontecerem fenómenos desta natureza. Os criminosos têm mais liberdade,cometendo crimes, que os cidadãos sérios e úteis poderem ter garantida a liberdade. E de ficarem sem o que é seu. O crime compensa. Que o assuma a Justiça!

Observem o papel a que se tem prestado o FCPorto, e os autores do Universo Porto da Bancada,do Porto Canal, e digam-me se não começa mesmo a ser triste tanta lamúria, para tão pouca indignação e luta! Ponham gente com sangue na guelra a comentar o governo e a própria justiça. Que moral têm eles para nos tirar a voz? Sim! Que moral?

26 novembro, 2019

Estranho silêncio sobre o futuro do junior Fávio Vieira

Imagem relacionada
Fávio Vieira


Algo me está a escapar desta súbita e benvinda  intenção de o FCPorto procurar manter no clube os melhores jogadores (ou, os mais promissores) do plantel da B. 

Acho muito bem que o façam, sem mais perdas de tempo, mas estou curioso por saber por que é que até ao momento ninguém tenha dito uma palavra sobre o destino que pretendem dar a um jogador fabuloso, como é o caso do médio  Fávio Vieira, o principal responsável pela victória da selecção portuguesa sub21, sobre a selecção da Noruega, fora de casa, onde fez uma exibição fantástica...

Estarão a esconder alguma coisa? Se estão, por que será...
Terá já sido raptado pelos corruptos?

25 novembro, 2019

Ainda o Andebol


FC Porto venceu em casa de um clube que já foi campeão europeu


O meio-centro Diego Simonet reconheceu a superioridade do Porto em todas as áreas do ogo (Jérôme Prévost / L'Équipe)

Montpellier, que teve a oportunidade de dar ar para a qualificação deixando o Porto na baía neste grupo B, nunca encontrou a solução contra o clube português (22-27).

Ataque ineficaz e ultrapassado na defesa, Montpellier não conseguiu enfrentar o Porto neste nono dia da Liga dos Campeões. O Montpellier, derrotado por 22-27 após arrebatar o empate no Porto há três semanas (23-23) , terá que lutar para se classificar na rodada dos 16. 
Soldado Mathieu Grébille (panturrilha) e Hugo Descat (coxa), Montpellier começou o jogo contra o Porto com o jovem ala esquerdo do centro de treinamento Elio Zammit, 19 anos. O que não explica por que o MHB tropeçou na defesa portuguesa (22 chutes perdidos) e acompanhou o sucesso de seu oponente (75%) nesta reunião em que nunca liderou. A comparação dos desempenhos dos goleiros é particularmente notável: 3 defesas para Marin Sego (com 26 chutes) e nenhuma para Kevin Bonnefoi (5 chutes), quando Thomas Bauer, na frente, saiu em 14 dos 26 (2/6 dos pênaltis) .
"Corremos para atacar, não conseguimos construir com calma"
Diego Simonet

Quatro golos antes do intervalo (10-14), Montpellier foram atacados por Miguel Martins (7 gols), Alexis Borges e Diogo Branquinho (6 cada) ao longo do segundo período, com até sete gols. atraso (20-27, 57e). "O Porto foi muito superior a nós ", suspirou Diego Simonet (5 gols) no beIN Sports. Eles jogaram bem no ataque, na defesa e têm um ótimo goleiro. Corremos no ataque, não conseguimos construir com calma. "  
Montpellier, que poderia ter retornado a um ponto Kiel, primeiro no Grupo B e manter o Porto afastado, é o terceiro após a vitória de Veszprem contra Kielce (28-24), e registra uma terceira derrota em casa nesta temporada na liga. campeões. A operação classificatória parece assustadora, com três viagens "ros" nos últimos cinco jogos, em Kiel na próxima semana, em Veszprem, em meados de fevereiro, e no Vardar Skopje, em 29 de fevereiro.

24 novembro, 2019

Esta equipa, a ser vendida, tem de ser a peso de ouro!

Resultado de imagem para Andebol, Montpellier-FCPorto


Esta, é sem dúvida a modalidade desportiva actual de melhor qualidade no Futebol Clube do Porto.

O Montpellier, no Dragãozinho, ganhou pela margem de um golo beneficiando de uma escorregadela de Sibril no útimo minuto de jogo. Pois bem, o FCPorto retribuiu-lhe o brinde
em Montpellier com a diferença de 5 golos...
Parabéns rapazes! Parabéns, Magnus Andersson!

20 novembro, 2019

Homenagem ao sempre actualizado José Mário Branco



HOJE, JÁ NÃO HÁ CANTORES DE INTERVENÇÃO, NÃO HÁ HOMENS DE CAUSAS, E FAZEM MUITA FALTA.

HÀ TÂO SÓ OPORTUNISTAS E PIMBAS. 

DESCANSA EM PAZ, MÁRIO.

19 novembro, 2019

Política. De incompetência, em incompetência



Clicar sobre a imagem para ampliar


Nota de RoP:

Mas, por que será que à medida que o tempo passa, e a côr da pele de um se manter mais escura que a do outro, que mais semelhanças se deslumbram entre Sócrates, e Costa? 

Por que será? São capazes de me explicar? Há coisas tão estranhas, não há?

PS-Desculpem-me,se por vezes a escrita sai um tanto atabalhoada. A ansiedade faz destas coisas...

15 novembro, 2019

Magistrados fogem às responsabilidades, ou desertam?

Resultado de imagem para football leaks: procuradora do caso Rui Pinto abandona DCIAP, avança a Sábado
Rui Pinto o bode expiatório
da corrupção portuguesa

Magistrada Patrícia Barão não pretende continuar no departamento do Ministério Público.
Patrícia Barão, procuradora do caso Rui Pinto, vai abandonar o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), avança esta sexta-feira a revista Sábado.
Na origem da decisão estão três fatores: desmotivação, cansaço e processos disciplinares, os mesmos motivos que levam 15 procuradores a deixar o departamento do Ministério Público (MP).
Patrícia Barão, escreve a publicação, integrava a equipa especial de investigação à corrupção no futebol e que foi responsável pelo processo do denunciante do Football Leaks Rui Pinto, acusando-o, entre outros crimes, de tentativa de extorsão.
Nota de RoP: Por mais que juízes, e procuradores, tentem encobrir o sentimento de cumplicidade contra Rui Pinto, não conseguem. Os cidadãos já não se intimidam tanto com o estatuto das pessoas. Esses, os arrogantes de estatuto, têm de se convencer que para serem respeitados têm de parecer sérios. E têm de o ser, também o parecendo. É sempre um dever em todas as profissões, e obrigatório quando essas profissões estão directa ou indirectamente ligadas à justiça, e à saúde humana.

14 novembro, 2019

O mirtilo que entoxica

João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto
A inutilidade em pessoa. A baixeza de um canalha




É tão grande, tão obviamente real, o tamanho do charco de excrementos em que estes falsos democratas transformaram o país, que já se esgotaram as palavras para os qualificar. 

Ver um grande sacana, um autêntico fdp como João Paulo Rebêlo, um escroque, um fóssil armado em não sei bem o quê,  dizer: 

"Haverá punição indiscutível no que se refere aos grupos organizados",  como se alguém de perfeito juízo acreditasse no que ele lança pela cloaca fora, é um convite ao vómito, diria mesmo, à violência. Se alguém um dia lhe aplicar um bom murro naquele focinho eu aplaudirei. Seria um acto de caridade. 

Se juntarmos a este frequentador de esgotos, os outros, comandados pelo Costa da arrogância e da vigarice, teremos o verdadeiro rosto do país. E o tribunal judicial da comarca de lisboa não lhe fica atrás. Então não é que se atreveu a absolver o Benfica da pena de disputar um jogo à porta fechada e do pagamento de 56.250 euros pelo "relacionamento" (que expressão tão soft) com grupos "organizados" de adeptos?! Mas que perfil tão nobre, tão credível, tão convincente de idoneidade, o juíz do tribunal de Lisboa! 

Ai Porto, Porto! Quem te viu e quem te vê! Tão encolhido, tão obediente, com os salafrários!
 

11 novembro, 2019

O orgulho actual do FCPorto é o Andebol

Portugal com o melhor ranking europeu de sempre
Que grandes atletas, que grande treinador!
Todos de parabéns, dos treinadores, aos jogadores. Sem
excepção.

O FCPorto era, originalmente, um clube de futebol. Hoje, podemos dizer que é um clube eclético, com várias modalidades. Mas, nem por isso me sinto obrigado a privilegiar sempre o futebol, sobretudo quando não é bem jogado. 

Okey, não vou negar que fiquei tranquilo com a victória de ontem contra o Boavista, um adversário sempre complicado para nós. O Alex Telles marcou um grande golo e a equipa soube acalmar os adeptos que estavam com receio de não dar conta do recado, considerando o castigo aplicado a 4 jogadores titulares. Mas, tenham lá paciência, a victória da equipa de Andebol do FCPorto ontem conquistada contra o Kiel da Alemanha, considerada a melhor do Mundo, não foi só fantástica, foi  épica!  Como adorava ver jogar desta maneira a equipa de futebol...

Rapaziada, toca a encher o dragãozinho! As modalidades também merecem o nosso  apoio, e o andebol ainda mais.


08 novembro, 2019

Precisamos de aprender a chutar


FC Porto tem apenas quatro pontos e tem de vencer os jogos que faltam

Não vale a pena bater no ceguinho, a equipa do Futebol Clube do Porto anda presa por arames. Os problemas já foram por demais escalpelizados. Se quisermos acompanhar a confiança dos mais optimistas, há que acreditar que ainda está tudo em aberto, bastando vencer os dois últimos jogos que faltam. Gostava que fosse esse o prognóstico, e não o da minha convicção "pessimista".

Não é para espantar, um pormenor importante. Independentemente da qualidade do plantel, que está longe de se comparar a outros de há  4/5anos atrás, podemos concluir, definitivamente, que é o modelo de jogo de Sérgio Conceição que não encaixa no perfil dos jogadores. Marega e Aboubakar eram dos mais possantes fisicamente. Se juntarmos Danilo, Alex Telles e (agora) Pepe a estes dois, teremos um total de cinco, sendo que desses cinco, apenas Pepe, Alex Teles e Aboubakar reúnem as qualidades que faltam aos restantes; pujança física, técnica e inteligência. 

Por isso, continua a surpreender-me que Sérgio Conceição continue a mater a braçadeira de capitão no braço de Danilo, jogador ainda sem grande experiência, nem perfil para o cargo. Feita esta apreciação (pessoal) e sem pretender desvalorizar todo os jogadores que sobram, porque todos têm as suas qualidades específicas, incluindo o próprio Marega, a conclusão que tiramos é que todos eles (ou quase)   foram gravemente lesionados durante mêses. Creio mesmo que foi o clube mais prejudicado (também) por este motivo, até por todos sabermos que é neles que os adversários do FCPorto estão mais autorizados para "entrar a matar", como ninguém pode negar. Estes últimos jogos, incluindo mesmo o jogo com o Famalicão (que vencemos), em que produzindo um futebol simples, muito agradável de ver - que até nos surpreendeu -, não foram suficientes para ficarmos com a garantia que a equipa estava a dar sinais de estabilizar.  Tínhamos razão.  Isso, ontem, ficou mais uma vez provado. O único aspecto positivo do jogo com o Glasgow Rangers, foi a grande pressão que fizemos sobre os escocêses durante meia hora (+ ou-), mas sem quaisquer resultados objetivos. Tirando um, ou outro caso pontual, não fomos capazes de elaborar uma jogada de pé para pé até a endossar ao rematador que nunca chegou a aparecer. Voltamos a ter de lembrar uma história antiga no futebol português. Que conste (repito), nenhum treinador foi cabaz de melhorar essa lacuna: a qualidade de remate. 

Nesta matéria, a minha conclusão pessoal, assenta apenas em dois pressupostos: ou os (poucos) jogadores portugueses que sabem chutar eficazmente conseguem este feito por habilidade própria, ou aqueles que não sabem, não são treinados devidamente para o efeito. Não tem outra explicação. Vejam quantas vezes vários jogadores do FCPorto rematam às balizas adversárias sem olharem sequer para os espaços abertos. O resultado acaba por ser previsível, ou acertam nas pernas dos adversários, ou chutam para fora da baliza, para o lado, ou para cima da trave. 

Danilo é um jogador esforçado, mas chuta mal. Corona é mais competente  a driblar (quando quer) do que a rematar, mas tem técnica. Podia falar de outros, mas não é esse o meu objectivo, só quero dar alguns exemplos. Sem precisar de entrar em pormenores está provado que a posse de bola não basta para chegar ao golo, é preciso gostar de aprender a chutar, ou aperfeiçoar esta técnica se não forem naturalmente dotados para isso. Há erros que podem ser corrigidos, mas para isso é preciso que o treinador saiba e queira ensinar.

Custa-me ter de dizer isto, mas é uma verdade, os escocêses no que concerne rematar são N vêzes melhores que nós. Quem diz os escocêses, diz todos aqueles países ligados à Grã Bretanha. Eles apuram o acto de rematar, e não é só com a bolinha pousada no chão, eles adoram rematar de primeira, o que é fantástico, porque além de acrescentarem beleza aos golos têm a vantagem de não dar tempo aos adversários para cortarem o lance. Aqui, não. Dão toques, e mais toques, de tanto quererem fazer tudo certinho, que acabam de ficar sem a bola, e não acertarem na baliza. Se há uma coisa que me irrita em certos diplomados em futebol portugueses, é terem a mania que o futebol português é mais tecnicista que o dos nórdicos e ingleses. É um complexo há muito lançado pelo nacional-lisbonismo, Aquela parolada muito lisboeta que tornou parolos muitos portuguêses. O Glasgow, ganhou e muito bem. 

PS-Quanto ao pénaltie, foi um erro do árbitro, que nos tornou a vida difícil. Foi lamentável que o Pepe se tivesse lesionado, porque é o melhor jogador actual do FCPorto.  O Alex Telles não anda bem, mas não creio que seja por negligência. Ele foi durante jornadas a fio o jogador mais utilizado
por Sérgio Conceição e o que mais e esforçou. Não nos esqueçamos disso, seria injusto.   
Outra razão, além da péssima qualidade de passe e de remate, o FCPorto deste Sérgio Conceição não tem um sistema de jogo ofensivo, com desmarcações bem treinadas. O jogo deste FCPorto, de SC baseia-se na pressão alta (e nem sempre), em não deixar jogar os adversários (enquanto as pernas aguentam) mas sem qualquer profundidade. Os jogadores têm medo de avançar porque não são treinados para isso. Sérgio C., não sabe mais do que isso, está perdido. É a conclusão que retiro.     



04 novembro, 2019

Continuamos a deixar a corrupção engordar

FCPorto protesta o jogo como Sporting, mas mansinho,
como cabe à «diplomacia» desportiva nacional...

Nós, portistas, andamos meios perdidos, algo baralhados entre continuar a apoiar Pinto da Costa, ou dispensá-lo. Uns, confundem solidariedade com submissão, preferindo fechar os olhos ao pragmatismo dos resultados, e viver dos sucessos do passado na ilusão que algum dia o líder regresse. Com isto, esquecem o clube que amam, a essência da paixão que os move, que é o FCPorto. Não é uma pessoa, nem muito menos um Deus.

Os que agora censuram o presidente, já o apoiaram, e muito, como é o meu caso e de outros adeptos. Os que ainda o defendem, não têm o direito de se considerarem melhores dos que o criticam, porque as críticas que lhe são dirigidas são sustentadas em argumentos sérios e objectivos. Tanto neste blogue, como noutros, e nas próprias redes sociais, há adeptos a explicarem porquê. Querem evitar que o FCPorto bata no fundo. As causas são várias.  O que não quero nunca, é que nos precipitemos na escolha de quem vier a candidatar-se à liderança do clube. Até  sobre essa hipotética renovação concordei que se Pinto da Costa continuasse pro-activo fosse ele a propôr a candidatura do seu substituto. Agora, já não penso assim. Acho que ele tem outras prioridades acima do FCPorto.  

Na minha opinião, a causa principal dos problemas do FCPorto é a fragilidade da liderança. Fragilidade, não só patenteada pelo decréscimo dos recursos financeiros, e de má gestão, mas fundamentalmente por uma clara incapacidade para salvaguardar a segurança do FCPorto. A juntar a isto, existem outros factores perniciosos, que resultam da vulnerabilidade do clube,  e que só servem para intensificar abusos e prejuizos, causados por quem deles se aproveita. Importa também destacar outro facto: tudo isto acontece em praticamente todas as modalidades, para além do futebol.

Senão, vejamos: se, enquanto clube queremos preservar o futuro e a dignidade do FCPorto, não podemos manter este modelo de gestão. É quase tão criminoso tolerar o crime, sendo dele vítimas, como quem o pratica. O prolongado silêncio da administração acaba também por levantar suspeitas, e isso não é nada normal. Competências técnico tácticas à parte, e sem subestimar a qualidade dos adversários, o FCPorto não é obrigado a aceitar tudo o que ultrapassa o razoável, e é ilegal. Basta de fazermos de conta que somos lorpas, que não percebemos as artimanhas das arbitragens, e de alguns adversários!

Comecemos pelo futebol. Por que raio havemos nós de continuar a aceitar os incessantes "erros" de arbitragens, como se fossem sempre meras casualidades, como se ignorássemos a intenção? Por quê, se o objectivo do vídeo-árbitro foi precisamente para reduzir os erros humanos involuntários? Mas, para que serve se atrás da máquina colocarem um árbitro desonesto? É preciso dizê-lo sem papas na língua, porque há como prová-lo. Não podemos é permitir constantemente a adulteração dessas provas. É preciso convencer o próprio Estado da sua incompetência, da sua inqualificável cumplicidade. Que esse comportamento desacredita-lhe a autoridade. O Estado tem de ser obrigado a regenerar-se, a perceber a democracia que teoricamente preconiza.   O que é preciso é obrigar toda esta gente a encarar os factos tal como são, e não deixá-los tranquilos no seu conforto. Até porque o currículo comportamental destes cavalheiros vai nesse sentido. O VAR do jogo de ontem anulou um pénaltie marcado pelo árbitro  de campo, e não registou outro que o árbitro aparentemente não viu. Em que ficamos?

Além de mais existem as imagens de televisão para rever os lances de jogo mais duvidosos, e o FCPorto até tem o privilégio de dispôr de uma estação independente. Por que razão continuamos a consentir a acumulação de tantos erros contra nós, apenas a constatá-los, em vez de os usarmos como objecto legal de defesa? Por quê? Esta condicionante é incompreensível, é uma declarada abdicação do direito à defesa.

Com um comportamento destes, os dirigentes do FCPorto estão indirectamente a consentir abusos de autoridade, do próprio Estado, que faz de conta que não sabe nada! Ou, que outra razão poderá justificar tamanha indulgência? E como havemos de acreditar que esta SAD, e o presidente, estão realmente empenhados a defender o FCPorto se nem sequer abrem a boca sofre o assunto? Alguma explicação têm de dar aos associados, não é verdade? Ou, pensam que não? Se assim fôr, como parece, então ainda é pior. É porem-se a jeito para uma saída inglória do clube, pelas portas traseiras. E se é todo o conjunto da estrutura da SAD a primeira responsável, o senhor Pinto da Costa está a lançar ao lixo tudo o que de positivo fez no FCPorto, o que é lamentável para ele próprio, e para os adeptos que sempre o apoiaram durante anos.

Passemos ao Hóquei em Patins: ninguém duvida do mérito da nossa equipa, como, de boa fé, ninguém duvida da qualidade dos rivais de Lisboa, pela simples razão de ser verdade. Agora, o que ninguém, igualmente de boa fé, pode dizer, é que tanto o Benfica como o Sporting, têm o mesmo comportamento, o mesmo respeito pelos regulamentos da competição como tem a equipa do FCPorto. Ninguém! Excepto os fanáticos, aqueles que negam a diferença entre o preto e o branco com a naturalidade típica dos desonestos.

Reparemos só nos detalhes: é, ou não verdade que o guarda-redes do Sporting tem um comportamento em campo completamente inadequado a um grande profissional? Viram os nossos atletas a pressionar os árbitros como ele (Girão) e os seus colegas pressionam?  Eu não vi. Viram o modo tresloucado e furibundo como ele bate o stick no chão? Aquilo é de um tipo normal? No entanto, não me dispenso de considerá-lo um grande guarda-redes, porque o é. Mas é só isso. Elevação e respeito é o mais que lhe falta.

Enfim, impõe-se recordar que foi este mesmo Sporting que num jogo com o FCPorto, também em Lisboa, agrediu barbaramente um jogador do FCPorto pondo-o em estado de coma. Isto é recorrente naquela terra, e nós achamos que os nossos atletas são obrigados a suportar esta discriminação com as consequências que sabemos. Considero isso uma injustiça, um abuso. O FCPorto paga-lhes, tem o direito de exigir o melhor deles, mas não tem o direito de os obrigar a tolerar a bandalheira assassina em que se tornou o nosso desporto. Isso, não.

Repito: essa história antiga do "contra tudo e contra todos" não é um hino de valentia, é uma ideia errada de combatividade, é sujeitarmos os atletas a competir em condições desiguais. Se os nossos forem agredidos, não podem reagir, porque são logo penalizados se não respeitarem as leis (como no futebol), aos outros tudo lhes é permitido.

O comando das "tropas" devia começar no presidente e na SAD, são todos eles que deviam dar o exemplo, incluindo o da capacidade combativa. Pois que sejam eles a dar o exemplo. Que recorram aos tribunais, à União Europeia, ao que entenderem, mas justifiquem o cargo que exercem, e lutem pelo FCPorto.

Mas  há mais. Os dois principais clubes de hóquei de Lisboa assemelham-se no estilo e nos métodos. Tanto o Benfica como o Sporting exploram muito a velocidade de jogo. O FCPorto, também não desdenha a rapidez, só que, enquanto os jogadores dos nossos rivais usam esse elemento para, na impossibilidade de visarem a baliza do FCPorto, se lançarem para cima dos nossos atletas e simularem faltas com tal aparato que mais parecem ter apanhado em cima com um camartelo. Fazem isso com uma frequência tal, que já não duvidam da colaboração das arbitragens. A fita, a vigarice, não é técnica desportiva, é acto próprio das mentalidades batoteiras.

E o FCPorto, em vez de se impor, de obrigar a Federação da modalidade a pronunciar-se sobre o assunto, não, remete-se ao silêncio deixando os seus atletas a pensar se foi boa ideia jogarem no FCPorto, um clube sem comando.

Como tal, nem sequer tenho vontade de comentar a derrota de ontem,  a exibição algo inibida dos nossos jogadores, porque jogar num país assim, de árbitros vendidos, e num ambiente tão doentio, não entusiasma ninguém. Neste país, só vencem sem problemas, os clubes corruptos e corruptores, os viciados da falsidade. É por hábitos como estes que entre nós se popularizam clichés muito bravios mas sem qualquer efeito prático. Os tempos mudaram, e para pior. O FCPorto recusa-se a lutar pelos seus interesses e direitos. Assim, passa de vítima a cúmplice de quem o ataca. Sádico, não?

PS-Sei que me repito, mas não vejo como mudar a agulha e compreender tanta indulgência, tanta cobardia mesmo. Não há desculpa. O Porto não era isto.Um dia, ainda vamos saber as causas. Receio que não sejam as mais nobres.

PS2-Alterei o título do post da palavra centralismo para corrupção por considerar mais apropriado. Embora tenham algumas semelhanças...  

01 novembro, 2019

Rui Pinto, terror do Portugal corrupto


O hacker gaiense Rui Pinto acusou um procurador português de ter ocultado "deliberadamente" a sua colaboração com outros países, que terá originado a abertura de um processo do Eurojust, agência europeia criada para lutar contra formas graves de criminalidade organizada.

Na sua conta pessoal de Twitter, o jovem começou por relatar que, no passado dia 19 de fevereiro, houve uma conferência de imprensa na sede do Eurojust, com a presença dos procuradores franceses Jean Yves Lourgouilloux e Eric Russo, e de representantes de vários Estados-membros, incluindo Portugal.

"Nessa ocasião, foi anunciada a abertura de um processo Eurojust que visa investigar, entre outros, os crimes de branqueamento de capitaisfraude fiscal associação criminosa. Foi ainda explicitamente referido pelos procuradores franceses que apenas foi possível iniciar esse processo devido à minha colaboração como testemunha junto do Parquet National Financier, e da entrega de 12 milhões de documentos. Ainda assim, esse facto foi deliberadamente ocultado do processo em que sou investigado em Portugal", acusa, na mensagem publicada esta tarde.

"José Eduardo Guerra, adjunto do membro nacional de Portugal no Eurojust, limitou-se a confirmar a existência de um processo com número de identificação 50566, registado por França no Eurojust, para obter o auxílio de diversos Estados-membros, e referiu que 'da documentação e informação que nos foi disponibilizada não resultam elementos que nos permitam confirmar ou infirmar a colaboração com autoridades de outros Estados-membros que alega ter prestado'", escreveu ainda Rui Pinto, acrescentando que o procurador foi oficiado, em julho, "para esclarecer a que diz respeito esse processo e qual o envolvimento do gabinete de Portugal no mesmo", não tendo ainda respondido.
"É para dizer, ou o Senhor Guerra é uma pessoa muito desatenta, ou há aqui marosca à portuguesa", rematou.
Nota de RoP: 
Acho muito curioso, quiçá fascinante, o preciosismo de certos jornalistas, com a descrição que fazem de Rui Pinto. Como se o público não soubesse, fazem sempre questão de elucidar os leitores do curriculum do rapaz. Ora é o "pirata Rui Pinto", ora é "o hacker Rui Pinto", ora é "o gaiense Rui Pinto", enfim, uma definição quase meticulosa. 

Se este comportamento fosse habitual, não se estranhava. Agora, não é isso que acontece com outros protagonistas Por exemplo: já alguma vez leram: "o assassino Duarte Lima", "o gatuno Duarte Lima", "o ladrão Ricardo Espírito Santo", "o corrupto/corruptor Luís Filipe Vieira", "o clube desleal Benfica", "o aldrabão Sócrates", "o campeão da batota Benfica", enfim, por aí fora. Com esta gentalha, os jornalistas já contêm os adjectivos. 

Portanto, o critério usado não é o mesmo, como acontece com certos árbitros de futebol... Sucede, que Rui Pinto é um caso diferente, e nem sequer ainda foi julgado para o rotularem. Ele cometeu de facto algumas ilegalidades,ou melhor, imprudências da juventude, actos de longe menos gravosos que os praticados por muitos políticos, e outra gente "importante". 

A Europa percebeu isso. E como tal, concluiu que os governos de certos países (como o nosso) não dispunham de técnicos qualificados para investigar crimes altamente danosos e camuflados. Crimes esses, difíceis de detectar. Daí, decidiram inteligentemente, puxando para si as competências de indivíduos como Rui Pinto. Os tais "Piratas"...  

Então, não seria muito mais adequado chamar-lhe "Pirata Bom", sem revelarem constantemente o local de nascimento?   

31 outubro, 2019

Estou farto


Acho que vou deixar de ver futebol.  E se calhar, deixar de ver televisão, e de ler o jornal. Hoje, todas estas coisas juntas ou separadas, deixaram de ser interessantes, antes se tornaram numa combinação macabra de sadismo e provocação, em vez de prazer, de entretenimento. 

Vivemos num país surreal, eticamente feio. Um país, onde o crime passou a ser o lado mais confortável dos poderosos. Poderosos esses saídos de uma mescla entre a política, o futebol, a banca e a justiça. Nos tempos que correm, ser 1º. Ministro, Presidente da República, ou Procurador, já não é uma honra, é uma oportunidade dourada para aqueles que gostam de viver do mal, com trajes de santo e de autoridade.

Nunca na minha vida imaginei ser possível a uma parte de Portugal viver-se tranquilamente fora da lei, e na outra ser perseguido por ela. É a utopia, a desafiar a realidade. Já não sei que pensar quando vejo um clube como o FCPorto ser completamente humilhado, vigarizado, traído, não apenas por um clube de futebol, mas pelo próprio Estado!   Será que esta obscena situação não envergonha quem o representa? Não existirá uma única pessoa que seja, dentro do Estado, capaz de se manifestar contra isto? Terão porventura medo?

Os dirigentes do FCPorto, sabem muito bem que o clube continua a ser vítima de uma quadrilha gigante, de uma máfia multifacetada, poderosa, e complexa. Mesmo assim, são incapazes de se impor, de rejeitar tanto abuso. Na prática, aceitam, a situação! Não obstante, consideram-se dignos de auferir grandes salários e comissões, sem ousar reagir...  Nem no Porto Canal aparecem para dizer o que pensam desta pouca vergonha. Resignaram-se à condição de vítimas silenciosas. E mesmo assim, ainda dizem que vivem num democracia! Isto é de loucos! Estarão eles dispostos a continuar indiferentes às perdas desportivas e financeiras a que a sua passividade (e não só) está a levar o FCPorto?  Sabendo que apesar das denúncias já apresentadas à justiça, contra o chamado "Polvo", não resultaram, nem lhes abrandou o vício pela delinquência, e pela intriga? Nem sequer foi o pessoal da SAD a fazer as denúncias. Nem nunca houve coragem para tanto. Limitaram-se a delegar a tarefa em Francisco J. Marques, sabendo que só ele, nunca teria o mesmo impacto se tivesse a presença do presidente e dos administradores a apoiá-lo. Estas coisas são  demasiado graves, não se combatem no silêncio da obscuridade. Falta dar a cara, aparecer, respeitando o clube, os adeptos, que são afinal quem dá vida ao clube.

Não quero perder mais tempo a discutir se a nossa equipa joga bem, ou joga mal. Agora, quero apenas Justiça! Sem ela, a qualidade do plantel e do treinador, perde relevância. Eles, os corruptos, ultrapassam isso tudo, excepto lá fora, onde por enquanto ainda não têm tentáculos. Já dá pena ouvir Francisco J. Marques  a queixar-se, parece uma criança indefesa num infantário de pedófilos!

Então, estamos ou não estamos a ser prejudicados? Os criminosos, continuam, ou não, em liberdade? Que raio de democracia é esta que consente tamanha tirania? A SAD do FCPorto nem sequer um manifesto de repúdio foi capaz de apresentar na Assembleia da República, de obrigar aquela gente a falar. De perguntar aos deputados se sabem, ou ignoram o que está a acontecer? Mesmo prevendo antecipadamente a resposta que iam levar. Se a resposta dos deputados apontasse para qualquer coisa como "Esses casos competem à justiça", seria simples a contra resposta ripostando com outra, interrogando-os se acreditam no comportamento dessa justiça, se a têm acompanhado com rigor. E então, se amanhã houver mortes? Revoltas? Que moral terão os partidos políticos (todos) essa gente acomodada com a malandragem, para abrir a boca, se estão coniventes com este escândalo miserável, que já dura há anos?

Estou a pensar seriamente em abandonar o barco, que é como quem diz, o Renovar o Porto. Este país é reles de mais para merecer que se lute por ele. E, como aqui se constata, não são as eleições políticas que nos salvam. Tenho de me conformar com a cobardia desta gente, mas nunca perdoarei a facada traiçoeira infligida ao 25 de Abril. É preciso outro, não com cravos, com artilharia pesada. Isto não vai lá com flores, nem com beijinhos de circunstância. 
 
PS-Sobre o jogo de ontem recuso-me a falar. Excepto de alguém. Do árbitro. Nunca confiei naquele gajo. Sempre prejudicou o Porto, e ontem voltou a fechar os olhos às faltas violentas do adversário. Este, é mais um cartilheiro domado pelo patrão. Deixem que a Federação continue tranquilo a nomeá-lo para os jogos do FCPorto. Os beneficiados agradecem a mansidão.


29 outubro, 2019

Rosa Mota e a Super Bock Arena

Resultado de imagem para pavilhão rosa mota
Não havia necessidade... A Super Bock paga, mas
não é pessoa, nem atleta olímpica.

Suponho que não haverá um único português que não guarde uma grande simpatia, e gratidão, por esta grande maratonista portuense. Campeã olímpica de renome, merece todo o respeito do povo português, em particular, do Porto, a sua terra natal. 

Como é do conhecimento público, o antigo pavilhão dos Desportos esteve em obras, e a inauguração das mesmas reabria ontem. Zangada com a Câmara do Porto por esta ter permitido que o nome do pavilhão atribuísse demasiado destaque ao nome da nova patrocinadora Super Bock, decidiu não comparecer à cerimónia de abertura. Tem esse direito, e alguma razão.

A situação podia ter sido evitada se houvesse um pouco mais de cuidado no tamanho e posição atribuídos à marca patrocinadora, excessivamente grande em comparação com as da atleta. Compreendo-a, e acho que alguma coisa falhou na opção de identidade mista, entre uma pessoa, e uma empresa. Bastaria talvez inverter o critério da nomenclatura dos protagonistas para evitar este desentendimento. 

Mesmo assim, considero um pouco exagerado o comportamento de Rosa Mota. Primeiro, porque o Pavilhão dos Desportos, que substituiu o antigo Palácio de Cristal, é propriedade da Câmara do Porto. Câmara essa que decidiu (e bem) realizar obras no dito pavilhão, que estava a degradar-se já há algum tempo. A decisão de atribuir o nome da atleta ao Pavilhão partiu do autarca Fernando Cabral, em 1991 (data corrigida), como homenagem aos seus êxitos desportivos. Resumindo: a honraria foi concretizada, o nome da atleta continua lá gravado, e nunca daí deve ser retirado.  Agora, o Pavilhão não é propriedade da Rosa Mota, tem simplesmente o seu nome, e muito bem.

Porém, acho espantoso como é que numa época em que a publicidade penetra em todas as áreas de actividade, em que a regulamentação é completamente anárquica, esteja agora transformada numa polémica, só porque o nome do patrocinador se sobrepôs ao da atleta. Repito: acho que de facto houve um erro alegórico, as letras do patrocinador não deviam dominar as da homenageada, mas não concordo com a dimensão que querem dar ao caso.

Como vem sendo hábito, os jornais de Lisboa, colam-se logo a um copo de água para fazer dele uma tempestade, e isso é um objectivo desde que possibilite manchar o nome do Porto, e de Rui Moreira.  Aliás, nesse capítulo Rosa Mota, sendo portuense de gema, tem sido uma ingénua por ainda não ter percebido o quanto nos odeiam os meninos da capital do império centralista.

Agora imaginem bem o que seria, se em vez de Rosa Mota, tivesse sido atribuído ao Pavilhão dos Desportos o nome da também também atleta olímpica dos 10 000 metros, Fernanda Ribeiro, do FCPorto...

PS-Comparados  os mandatos de Rui Moreira com os de Rui Rio, é comparar a água com o vinho. Rui Moreira pode cometer os seus erros, mas até hoje fez muito mais que Rui Rio. Na cultura, Rui Rio foi um zero. Rui Moreira merce 20 valores! Perguntem à gente da Arte e não terão dúvidas. Nas iniciativas, a comparação é idêntica. Rui Moreira não se limitou a prometer avançar com as obras do mercado do Bolhão. Não! Concretizou-as!

Acho piada, a certos vereadores da Câmara do Porto, desta, e a de outros presidentes, que andam em cima de Rui Moreira como se fosse um cadastrado. Rui Sá, por exemplo, arma-se em rigoroso e passa o tempo a criticá-lo nos seus monocórdicos artigos do JN, com o caso Selminho, ansioso de implicar o homem. Tem é uma memória de merda quando se trata do seu clube dileto. Corrompido até dizer basta, o Benfica do seu coração deve ser um santuário. Mas não é. O slogan do Inferno da Luz, foi a ideia mais feliz que os benfiquistas podiam ter inventado.


Repito: no dia em que fôr provado e comprovado qualquer acto menos lícito praticado por Rui Moreira, criticá-lo-ei. Espero que nunca tenha de o fazer, como tive, conscientemente,por Pinto da Costa. Até lá, terá sempre o meu apoio e respeito.


28 outubro, 2019

FCPorto. Só uma lufada de ar fresco, ou motor de arranque?



Então, e onde páram os senhores da SAD?
Não recebem salários?
Como qualquer portista normal, e  com ideias próprias, fiquei contente com a exibição (e empenho) da equipa do FCPorto, no jogo de ontem, com o  surpreendente Famalicão, até então, líder do campeonato. Além da boa disposição, fiquei surpreendido, desta feita, pela positiva. 

Como é que em tão curto espaço de tempo, uma equipa que jogou sem ambição, nem fio de jogo, cede com o Feyenoord (12º. classificado do campeonato holandês), perde por 2-0, e decorridas 2 semanas, joga pessimamente em casa com o Glasgow Rangers, cedendo um empate, com uma exibição pobre, para esquecer, e ontem fez uma das melhores exibições do ano? Acho que o segredo consistiu na alteração que Sérgio Conceição fez. Dispensou Marega, deu merecido descanso a Alex Telles (para mim, um dos melhores jogadores do FCP), voltou a lançar MBemba (e bem), e a equipa parecia outra.

Desta vez, S.C. foi humilde. Compreendeu finalmente que Marega não está em grande forma, que tê-lo como principal referência de ataque era uma asneira, porque está esgotado, porque não conseguia ganhar uma bola, e porque todos os adversários já perceberam o quanto representa para o técnico portista. Esta alteração foi fulcral. Até Malafá parecia outro! Mesmo assim, quero crer que o "sermão" de Sérgio terá sido suficientemente eloquente para fazer os jogadores mudar de comportamento. É sempre um alívio, um jogo destes, para qualquer portista. Porém, cautela, e caldinhos de galinha, recomendam a sensatez. É preciso continuar a alimentar esta onda súbita de optimismo e transformá-la estável. Nada disto altera o que de negativo tem sido feito nos últimos anos, por quem não devia.



  

27 outubro, 2019

O povo é sereno, não é?!...


Domingos de Andrade
(JN)
Um governo à medido do país?

Um primeiro-ministro, 19 ministros, 50 secretários de Estado. Setenta ao todo. E comece-se a somar o que aí vem. Chefes de gabinetes, adjuntos, adjuntos dos adjuntos, assessorias e adjuntos das assessorias.

Perante os grandes desafios com que Portugal se confronta, identificados e dissecados, uma economia débil, pouco diversificada e aberta, a ameaça de mais uma crise internacional, uma dívida externa incomportável e interna, das famílias, fundada no consumo, insustentável, o país a envelhecer e sem soluções que estanquem a hemorragia, um tecido social profundamente empobrecido, o estafado interior desertificado e as escandalosas assimetrias regionais, António Costa responde com um Governo de dimensões dificilmente explicáveis.
Para um Governo gigante, ambições gigantes? As fronteiras diluídas entre pastas não auguram nada de bom, a começar nos ministérios da Coesão Territorial e o da Modernização do Estado e da Administração Pública, com este último a ficar com competências como a descentralização, que pela lógica deveriam pertencer ao primeiro, mas a lógica aqui importa pouco, e a acabar no do Planeamento, que tem também, como o da Coesão, a missão de gerir os fundos europeus. Pode parecer boa política, como parece o Ambiente ficar com as florestas, mas teme-se que no fim da história se acabem a diluir responsabilidades e a fazer de conta que se faz muito para não fazer nada.
E é uma pena. Contrariamente ao que à primeira vista parece, António Costa tem um quadro parlamentar que lhe permitiria finalmente avançar com algumas reformas estruturais para o país, desde a da Justiça, ao SNS, ou à Segurança Social, e olhar com seriedade para o urgente investimento público, e sem as quais dificilmente deixaremos de andar aflitos e de crise em crise.
A Esquerda, a quem já prometeu o aumento do salário mínimo, não o deixará cair até que pelo menos o centro-direita se reorganize e estanque o crescimento da extrema-direita. O PSD, enquanto for de Rui Rio, já se disse disponível para a discussão das grandes reformas. E o presidente da República quer continuar a ser o artífice da estabilidade.
Costa pode é não querer, mas isso, usando a expressão de Marcelo no discurso da tomada de posse, só ele é que sabe.
*DIRETOR

25 outubro, 2019

Sempre com civismo, temos de pedir explicações

Resultado de imagem para fcporto
FCPorto
Contra si próprio?


Escuso-me a detalhar o que penso sobre o jogo de ontem, do FCPorto. Já não é necessário, o problema salta aos olhos. A principal raiz está há muito tempo detectada: o presidente Pinto da Costa, e os cavalheiros da SAD. O resto, vem por acréscimo.  

Já não acredito numa reviravolta, porque nem treinador, nem jogadores, parecem estar à altura das ambições de um clube como (foi) o FCPorto. Jogam cada vez pior, com menos empenho e sem ambição. Podia citar aqui o nome dos jogadores que não têm categoria para jogar neste clube, mas quando quem mais ordena, e o próprio treinador, consideram estar bem servidos, é inútil acrescentar qualquer coisa.

Só receio é que Sérgio Conceição tenha perdido o controle do plantel, e que o desinteresse se instale, e o desânimo acabe por influenciar as outras modalidades, o que seria um autêntico desastre. É paradigmática, e sobretudo incompreensível (para não dizer, ridícula), a justificação apresentada pelo treinador do FCPorto para explicar tão medíocre exibição: dizer que os jogadores não sentiram prazer a jogar, é como falar para um infantário.

Para os sócios e adeptos, a hora é de agir. Com serenidade, elevação, mas com toda a determinação, têm de se fazer ouvir. O senhor Pinto da Costa tem de perceber definitivamente que o período de graça já foi ultrapassado há muito. Se não o fizerem, terão contribuído para alongar o tempo de crise em que já estamos mergulhados.

22 outubro, 2019

A idade é um posto, mas o Porto Canal parece não saber

Resultado de imagem para hélder pacheco
Hélder Pacheco, um grande portuense,
esquecido pelo Porto Canal


Clicar sobre a imagem para ampliar
Por mais compreensão que queiramos ter por determinados lapsos de memória (ou de ignorância), é difícil. Mormente quando esses esquecimentos recaem sobre pessoas com um rico histórico de vida e amor à cidade do Porto. 

Podia apontar como vítima de "distração" semelhante, o jornalista Germano Silva, mas esse já foi ao Porto Canal (uma ocasião) ... Quanto a Hélder Pacheco, não me recordo de lá ter ido uma única vez, que seja. Acresce, que mesmo a já distante visita de Germano Silva ao Porto Canal incidiu na vertente desportiva, não  tanto na cultural, área em que Germano é mais versado. Tal como Hélder Pacheco. 

Talvez não fosse má ideia, se o Porto Canal convidasse estes dois ilustres portuenses a participarem num programa,  concedendo-lhes a oportunidade de dizerem o que pensam da nossa cidade, e dos comportamentos que os governantes têm mantido com ela. Debates livres, sem mordomias, acompanhados, de preferência, por portuenses. Por que não?  

A propósito, ainda não vai muito tempo manifestei aqui a minha estranhesa pelo abrupto desaparecimento do Porto Canal da jornalista/apresentadora Suzana Guimarães (na minha opinião, tão ou mais competente que qualquer outra). Curiosamente, foi com todo o agrado que constatei o seu regresso ao Porto Canal. Não acredito que tenha sido por causa do que escrevi, mas se porventura foi, só posso dizer: parabéns Júlio! A Suzana já merecia essa consideração.

Resultado de imagem para germano silva
Germano Silva veio para o Porto com 1 ano
de idade. Nasceu em Penafiel

19 outubro, 2019

O futuro do regime pode ter os dias contados

Em causa a nomeação de Laura Kovesi como primeira Procuradora-Geral Europeia.

Laura Codruta Kövesi.jpg
Laura Kovesi
A ex-eurodeputada Ana Gomes exaltou esta quinta-feira a nomeação da romena Laura Kovesi como primeira Procuradora-Geral Europeia, sem esquecer o denunciante do Football Leaks Rui Pinto

"Ora bem! Isto agora vai piar mais fino", começou por referir Ana Gomes, na sua conta do Twitter, prosseguindo:

"Se a nossa Polícia Judiciária, Ministério Público e Autoridade Tributária não investigam e pedem punição para criminalidade organizada exposta por Rui Pinto nos Football Leaks, haverá a nível europeu quem investigue e leve a julgamento. Não se perderá pela demora", acrescentou a antiga eurodeputada.
"A Procuradoria Europeia, que deverá iniciar os seus trabalhos até ao final de 2020, será um órgão independente com competência para investigar, instaurar ação penal e levar a julgamento os autores de crimes contra o orçamento da UE, como a fraude com fundos europeus, a corrupção ou a fraude transnacional em matéria de IVA acima de 10 milhões de euros", pode ler-se no site do Parlamento Europeu.
Nota de RoP: Lembram-se de ter suspeitado da inesperada sucessão da ex-Procuradora Joana Marques Vidal? Só me falta acertar no euromilhões... 
Foi Joana Marques Vidal quem nomeou três investigadoras para os casos de corrupção no futebol, mas assim que deixou o cargo, só uma ficou com essa responsabilidade. As outras duas, estão agora a investigar os denunciantes...