20 outubro, 2017

Ramalho Eanes, um exemplo raro de honradez

Resultado de imagem para General Ramalho Eanes
General Ramalho Eanes

Na minha  modesta opinião, ainda está por provar que blindar uma Democracia de mecanismos normativos que protejam a ética e o respeito social, possa afectar a Liberdade. 

Não me canso de enfatizar esta convicção, porque acredito genuinamente, que é a ausência dessas condutas ao mais alto nível, bem como a resistência à sua aplicação, que torna débil qualquer Democracia. 

Desiluda-se, quem acredita que as normas comportamentais podem pôr em causa a Liberdade. Pelo contrário, em Portugal o futebol é, a par da política, o sector onde é mais evidente a falta de respeito à Liberdade. Se no futebol, amparados por essa ideia errática de comunicar, são permitidos insultos e suspeições de todo o tipo, e na política vemos a troca de gestos obscenos entre colegas de profissão, sem que se faça ouvir a voz  soberana de um 1º Ministro, ou de um Presidente da República recomendando contenção, que podemos esperar dos resultados?

Programas tematicamente desportivos, como o Dia Seguinte, e muitos outros do género, que em vez de desporto, fomentam rivalidades odiosas, e se conspira contra rivais, são tudo, menos um exemplo sadio de liberdade. E não são apenas maus exemplos para o desporto, são para toda a sociedade, sobretudo quando alguns dos piores protagonistas são ex-ministros, como Rui Gomes da Silva. Por incrível que pareça, durante todos estes anos, não se ouviu uma reprimenda, ou uma observação pedagógica vinda do seu partido, de   nenhum dos seus colegas, ou superiores hierárquicos! Nem uma palavra! Tudo por respeito à liberdade da mixórdia!   Não meus amigos, não acredito que um cancro, mereça a rédea-solta só por ser de índole social. Tal como o cancro corporal, deve ser tratado, e em última análise, destruído, porque é maligno e mata.  

Desde o 25 de Abril de 1974 até hoje, tivemos protagonistas na vida política para todos os gostos. Dos Presidentes da República que mais respeitei, foi o General Ramalho Eanes, pela sua integridade, pela sua coragem e pelo seu exemplo. No entanto, talvez por ter exercido o cargo entre 1976 e 1986, muito antes da fundação da SIC (em 1992), não teve a mesma responsabilidade soberana pela propagação perversa desses programas, como os que lhe sucederam. Estou convencido que se este tipo de programas que redundaram em processos judiciais tivessem sido emitidos no seu tempo, com a obscenidade de agora, ele teria mandado uns recados a Pinto Balsemão e talvez as coisas nunca tivessem chegado a este ponto.

Recomendar bom senso, não é censura, é pedagogia e não atenta contra a Liberdade. Pelo contrário, torna-a mais sadia e dá músculo à verdadeira Democracia.

PS-A citação da SIC como (mau) exemplo, não lhe é exclusiva, estende-se com igual gravidade a todos os outros canais de televisão, com a agravante especial para a RTP, que pertence ao Estado.
  

18 outubro, 2017

Marcelo Rebêlo de Sousa, o Presidente dos afectos, e das grandes causas?


Marcelo exige ação a Costa e dá a palavra ao Parlamento

O Presidente da República, Marcelo Rebêlo de Sousa, surpreendeu os portugueses pela forma original e pouco ortodoxa como desempenha o cargo. Simpático, comunicativo e afectuoso, não precisou de muito tempo para se tornar popular. Apesar disso, houve quem duvidasse da longevidade do estilo quando confrontado com situações melindrosas, como é o caso dos incêndios, e se sentisse obrigado a tomar medidas impopulares para o Governo. Fui uma dessas pessoas. 

A verdade, é que desta vez o Presidente da República, sem perder a postura conciliadora que o distingue, soube falar forte e grosso (sem ser grosseiro) ao Governo, e ao Parlamento, como era seu dever. Agora, vai ser preciso conhecer minuciosamente o que tenciona fazer o Governo com o problema dos fogos, e mais do que isso, saber como será escrutinado o respectivo planeamento florestal, e por quem.

Além de mais, é imperioso determinar e calendarizar, as circunstâncias para as respectivas sanções, caso o planeamento florestal não salte do papel (quando oiço dizer que vai demorar muito, passo-me). Para o impedir, consideradas as sucessivas negações nesta matéria, dos governos anteriores, e a sua vetusta idade, sempre justificadas com argumentação duvidosa, devia constituir-se um comité independente para acompanhamento regular da execução dos trabalhos no terreno, de modo a desmotivar novos entraves no processo. Há muito a fazer, é verdade, mas também é verdade que se os governos anteriores tivessem realizado parte da obra, hoje, tudo seria mais simples.

Não havendo castigo, podemos ter a certeza, a indulgência dinamizará o crime as  vezes que a irresponsabilidade quiser. E Marcelo, se entender assim, pode ter um papel importantíssimo na história, caso saiba pôr em prática a magistratura de influência que lhe é concedida.

Os incêndios são crime. Naturais, ou não.

17 outubro, 2017

Um Porto ao ritmo do futebol português


Resultado de imagem para Leipzig-FC porto

Foi tiro e queda, bastou o Sérgio Conceição substituir Casillas pelo José Sá, para começar o discurso do bota-abaixismo! Para azar dele, o primeiro golo foi um meio frango do Sá, mas a verdade é que também Casillas já sofreu os seus, é bom não esquecer. Até aqui, o Sérgio era bestial, se calhar agora vai começar a ser uma besta. Sinceramente, espero que não. Espero que os adeptos deixem de ser tão reactivos, porque isso só pode prejudicar o FCPorto.

É verdade que o FCPorto não jogou tão concentrado como costuma, não foi tão intenso, foi pressionado e não pressionou, mas é preciso não esquecer que o Leipzig tem jogadores extraordinários, tecnicamente, e tremendamente rápidos, detalhes pouco habituais no futebol português. Penso que foi a qualidade de passe, e principalmente a rapidez como o Leipzig jogou que bloqueou os nossos jogadores.

Admito que Sérgio Conceição não tenha tomado as opções correctas, mas não penso que tenha sido a mudança de guarda-redes o problema principal. Para ser sincero, penso mesmo que não é Casillas o ponto mais forte da defesa, e acho que foi corajosa a decisão do treinador. Corajosa, e coerente. Senão, talvez tenhamos oportunidade de o confirmar no próximo jogo no Dragão, se Casilhas fôr o escolhido.

Uma vez mais, Brahimi provou que dificilmente será jogador de top, porque ainda não sabe dosear os momentos entre o individualismo que o caracteriza e o colectivismo,  provocando assim várias situações de perigo à sua própria equipa. O seu drible circulante, algumas vezes, peca por excessivo, como foi o caso esta noite. Foi quase sempre desarmado pelos adversários provando que estudaram bem os seus pontos fracos.

Não vale a pena negá-lo, o Leipzig, do meio campo para a frente tem jogadores rapidíssimos, e excelentes tecnicamente. Acho até que alguns deles tinham lugar de caras num Barcelona, ou Real Madrid. Mesmo jogando melhor na segunda volta, o FCPorto vai ter muitas dificuldades, porque o Leipzig tem jogadores habituados a jogar verticalmente e a pressionar quando perde a bola, sempre a um ritmo diabólico.

Mesmo assim, ainda nada está perdido. 


Responsabilidades? Isso é que era bom!


Gosto de assistir a debates. Como não podia deixar de ser a fome de audiências dos media sob vertiginosamente quando se dão catástrofes com vítimas mortais. Daí, em nome do interesse público, sempre do interesse público, a razão nuclear da profusão de debates.

A partir daí, é só escolhermos o tipo de comentador, ou comentadora, preferido. Sendo para mim seguro que o problema basilar dos descontrole dos incêndios está na negação política de privilegiar a prevenção, este é sempre aflorado de modo superficial por todos eles. 

De todos os debates que vi, esses comentadores cingem-se à constatação dos factos, isto é, quase todos lamentam que a prevenção nunca tenha sido levada a cabo, mas poucos se escandalizam com isso. Curiosamente, não ouvi nenhum a reclamar punições aos governos que assim procederam...

É tudo gente boa! Como dizia o outro: o povo é sereno.  

16 outubro, 2017

As minhas suspeitas sobre os incêndios

Isto é fogo organizado

Este, é um  recado exclusivamente dirigido à classe política, e a todos que (ainda) acreditam nela!

Censurem-me à vontade, que posso bem com isso. O que já me custa aceitar, é passar por mais um cidadão acéfalo sem capacidade de pensar com os seus próprios neurónios. 

Quando leio, ou oiço alguém, de forma dissimulada ou frontal, a contemporizar com a  criminalidade ou a incompetência, podem ter a certeza que não lhes adianta nada contar com a influência do estatuto, porque fico logo com a pior imagem possível dessas pessoas. Isto, estende-se aos optimistas profissionais, com, e sem estatuto (seja lá o que isso fôr).

Nós já temos incompetência que chegue, já temos irresponsáveis em excesso, mas o que está a ocorrer com os incêndios, com a incapacidade total para os combater, e sobretudo prevenir, é uma bomba atómica prestes a eclodir sobre o país. Para já, e até ver, as áreas escolhidas pelos incendiários têm privilegiado o Norte e o Centro, o que é em si mesmo suspeito. Um destes dias talvez seja o país inteiro.

Por mais que os responsáveis políticos se esforcem, bem como quem os acompanha na lábia, estes incêndios são demasiado extensos e extemporâneos para desencadearem por espontaneidade natural. Segundo ouvi há pouco, já causaram 27 mortos! O que teremos a dizer, senão concluir que este país não tem gente ao leme para o proteger? Como disse em artigos anteriores, qualquer garoto pode destruí-lo se souber organizar-se. Bastam uns dronezitos - que até nem carecem de licença -  para despoletar uma tragédia em segurança... Sim, porque estes "brinquedos" foram lançados no mercado a bem da economia, sem legislação prévia.

Estou tão indignado com isto que nem paciência tenho para ordenar a minha raiva. A passividade demonstrada pelas autoridades públicas com estes e outros crimes,  leva-me a pensar que o país não tem quem o governe.  Não sendo fã de teorias da conspiração sinto-me naturalmente encorajado por essas supostas autoridades a suspeitar que estes incêndios podem estar a ser conduzidos por qualquer gangue benfiquista com objectivos bem definidos, isto é: lançar o pânico no país, para desviar as investigações da Alta Autoridade da PJ para outros caminhos (os incêndios). Podem querer emperrar as investigações.

Face ao comportamento omisso dado pelo Governo, pelo próprio Parlamento e pela maioria dos media, que direito têm  de criticar quem assim pensa, quando a comunicação social do país tudo tem feito para branquear os crimes do Benfica, alguns dos quais culminando com a MORTE de um adepto? Quem consente e oculta o que está a acontecer neste clube não pode impedir nenhum cidadão de alimentar tais suspeitas, e ainda menos de lhes coartar esse direito. 

Espiar a vida dos árbitros para os chantagear obtendo falsos resultados desportivos a seu favor, é, ou não crime? Planear retaliações agressivas aos árbitros desobedientes, é outro. Traficar droga, também. Sabendo como sabemos o que esta gente é capaz de fazer, acho que a PJ já devia estar no terreno a procurar vestígios, porque estes incêndios não são provocados por simples pirómanos nem são de combustão espontânea. Não é possível! O calor fora da estação não é suficientemente intenso para admitir essa hipótese. Eu não acredito mesmo nesta possibilidade. No contexto actual, para mim, isto é crime organizado!

Por mais que tentem disfarçar, os cartilheiros do Benfica começam a demonstrar alguma fragilidade nas suas peculiares mentiras. Estão desesperados e receosos de serem incriminados. Tratando-se de gente sem escrúpulos, com comportamentos de fazer inveja à Máfia, não é impossível que estas suspeitas possam confirmar-se. Eles são capazes de tudo. 

E aqui chegado, deixo também um recado aos governantes, actuais e passados: foram eles, a par de alguns partidos políticos, responsáveis por deixar crescer o monstro. Por isso, caso venha a confirmar-se estas suspeitas, também eles devem ser severamente punidos.

PS-Decretar luto nacional pela morte de mais 31 pessoas, é politicamente correcto, ou seja, mais uma hipocrisia política, mas no fundo não é nada. 

Honrar estas vítimas, e as 64 de Pedrogão Grande, era que o Estado se obrigasse (sob caução contemplada com pena de prisão efectiva aos governantes) a implementar um plano nacional de prevenção florestal, minuciosa, e previamente estudado com efeitos vinculativos aos futuros governantes que suspendessem a sua efectivação. Porque este é um crime que se perpétua no tempo sem que os prevaricadores sejam naturalmente punidos. 

15 outubro, 2017

Pobre Moncho Lopez

FCPorto 78  -  Oliveirense 93

É a segunda derrota do FCPorto em Basquete... Sem entrar por caminhos escusos, comparando a qualidade das equipas nacionais adversárias que já pude ver jogar (ambas, em casa) como o Iliabum e a Oliveirense, a ideia que fica é que o plantel do Porto é apenas mediano, com alguns jogadores tecnicamente interessantes, e outros tantos psicologicamente fracos, particularmente nos lançamentos de 3 pontos.

Se para esta modalidade não há dinheiro para contratar jogadores mais qualificados, ou competência para lutar com clubes como os acima referidos, então não vale a pena alimentarmos ilusões, como no ano passado.

Grande e poderosa equipa, a do Oliveirense!

PS- São só dois jogos, é verdade, mas com duas derrotas em casa... A minha opinião já vem da época passada. Há ainda no FCPorto alguns jogadores sem fibra nem qualidade para jogar neste clube. 
Num contexto destes, acho irrisória a ambição de querer chegar à Europa.

Of toppic:
Não acredito na treta das temperaturas demasiado elevadas para justificar tanta mata ardida! 

Há crime posto premeditado. Só pode! Nunca vi coisa assim! Um dos incêndios de hoje, começou às 2 horas da madrugada.Suspeito bem quem podem ser os autores...

11 outubro, 2017

A hipocrisia evita-se, não se fomenta

Resultado de imagem para debates televisivos


Não sei, não tenho como saber, o que é que os pais de hoje entendem como educar bem os filhos. Se, tendo possibilidades para lhes dar formação académica privilegiam esse sector específico, sem prejuízo das boas maneiras e do respeito pelos outros, ou se apenas se interessam pelo chamado «canudo» dos filhos. Não tendo como certa a prevalência de uma ou outra preferência, resta-me  a intuição alicerçada no que posso observar nos jovens adultos dos nossos dias. Ressalvo, com a melhor compreensão, o papel proteccionista dos pais de quererem garantir-lhes um melhor futuro, mas já não corroboro na ideia de que uma coisa tenha forçosamente de anular a outra.

A verdade, é que olhando para a sociedade que nos rodeia, e apesar de termos hoje mais gente com formação académica intermédia, ou superior, do que há 40 anos atrás, a educação regrediu a olhos vistos. Não será casual o facto de sabermos quão mal educados são muitos dos jovens que enveredaram pela carreira política, não obstante o grau de instrução escolar elevado, mas também adulterado, o que ainda é mais preocupante. 

Assim, dá que pensar como é que os jovens de hoje absorvem os programas alienantes, desportivos, ou de outro tipo, transmitidos pelas televisões, onde invariavelmente impera a libertinagem sem terem um progenitor por perto a recomendar-lhes outros caminhos. Caminhos esses que a televisão não tem para oferecer.  

A indústria cinematográfica dos EUA (chamam-lhe cultura...) é poderosa, influente e cada vez mais global. Domina o planeta e os povos que o habitam. Podemos dizer, sem risco de errar, que 80% das temáticas dessa indústria são bélicas. Armas, morte, sangue, e sexo, têm de estar sempre presentes. Ninguém de bom senso acredita que sendo esses quatro itens parte real da nossa existência aconteçam com a frequência perversa com que são transmitidos. Felizmente que ainda não é assim em todo o lado. Diariamente, os telejornais seguem pelo mesmo diapasão, contam-se por dois dedos de uma mão as notícias factualmente positivas, a maioria são deprimentes. 

Terá mesmo de ser sempre assim, pergunto? Que bondade se pode extrair desta opção quase generalizada de fazer cultura e jornalismo?   Ou, se acharmos mais adequado, de explorar a condição humana? É a vida que temos? É o seu retrato nu, e cru? Talvez. 

Então, que tal fazer alguma coisa para a mudar, em vez de a constatar sadicamente.

Alô, Porto Canal? Terás tu estofo para fazer a diferença?

Já sei, sou um sonhador. Esqueçam.

10 outubro, 2017

Também tu JN és cartilhista?

Deixo ao critério dos leitores portistas, e sobretudo anti-centralistas, a interpretação devida à "sondagem" que o JN entendeu por bem publicar na edição de hoje.

Pela parte que me toca, só posso confirmar, desta vez com o mais profundo repúdio, aquilo que já pensava deste jornal, agora liderado pelo lisboeta Proença de Carvalho, e dirigido (para já ainda no Porto) pelo cartilheiro AFONSO CAMÕES:

foi um jornal do Porto, agora também capturado pelos vândalos centralistas. Uma humilhação para os portuenses e uma traição àqueles que honraram o jornal.


Se amanhã qualquer político deste país, ou governante, ousasse lançar-me areia para os olhos com a treta da coesão nacional, dir-lhes-ia alto e bom som: agora, sou a favor da independência do Porto!

É assim, com este tipo de jornalismo desonesto, tendencioso, corrompido e belicista, que se fabricam guerras e separatismos.  Que esperar de um país assim?

Só espero que logo à noite, no Universo Porto da Bancada, o Francisco J. Marques não se esqueça de repudiar esta provocação pasquineira e de incluir  o JN na longa lista de cartilhados vermelhos, caso contrário, desisto de ver o programa. Já deixei de comprar e ler outros jornais, este vai ser o próximo. Desta vez, para sempre, ou até que aquela casa seja despoluída de jahidistas.


O que estes garotos são capazes de ficcionar para tentar transformar criminosos em vítimas, e vice-versa... 

E eu, que até ando chateado com Pinto da Costa por ele estar tão calado! Foi preciso vir agora o JN dizer-me que, afinal, ele tem andado a semear o ódio. 

Sem o saber, também eu devo andar a comer sorvetes com a testa...


09 outubro, 2017

Porto Canal, estará a parasitar o FCPorto?.


Resultado de imagem para Porto Canal

A avaliar pela conduta da Direcção Geral do Porto Canal, pouco esmerada no rigor, e na informação atempada, os espectadores não merecem qualquer consideração. 

Consideração que, no mínimo, podia ser reflectida num pouco mais de empenho, na actualização dos programas, bem como na celeridade da informação. Por mais válidas que sejam as causas para tanto desmazelo, perdem-se em razão da incapacidade de quem dirige o canal perceber quão negativo é para uma empresa de comunicação deixar a espectadores e a investidores, uma imagem próxima da anarquia.

Admitindo que as férias do pessoal do Porto Canal tivessem iniciado no mês de Junho, ou Julho, é incompreensível que no mês de Outubro ainda se note alguma inércia e que tenham de recorrer a entrevistas gravadas, já anteriormente repassadas, para preencher a programação. Este visível folguedo é tudo, menos prometedor. Presta-se às piores especulações e pulveriza quaisquer êxitos de audiências que eventualmente possam ser garbosamente anunciados.  Nem sequer cai bem na opinião pública ouvir o director-geral destacar o âmbito generalista do Porto Canal, e gabar-se das audiências, quando elas são maioritariamente geradas pelo sector desportivo do clube.  A incapacidade de preencher os espaços vazios com novos conteúdos, tem sido mascarada pela repetição exaustiva de alguns dos melhores programas, fazendo com que estes se vulgarizem pelas repassagens abusivas, com prejuízo inclusivé para os próprios criadores.  

Tudo isto acontece, porque alguém o permite, e esse alguém chama-se Jorge Nuno Pinto da Costa, mas não só... Sendo o FCPorto proprietário do Porto Canal, os sócios têm direitos, e parecem ainda não ter entendido que um deles consiste em ter informações da parte da SAD sobre o que está planeado para o futuro do Porto Canal. 

A cada nova temporada o canal fecha para férias prolongadas, e a pretexto da programação que vem a seguir, as expectativas têm sido repetidamente frustradas no aspecto qualitativo, o que tem forçosamente de se reflectir pela negativa na tesouraria. 

Não caprichando na qualidade, os investidores afastam-se, e depois falta o dinheiro para pagar aos que lá trabalham. Para bem de todos (clube e canal), o Porto Canal tem de trabalhar para se auto-financiar. 

É muito importante que os sócios estejam atentos, não vá ser o FCPorto a pagar-lhes os ordenados, para receber tão pouco em troca...
  

O Miguel está de parabéns (é portista!)


Clicar na imagem paraampliar

05 outubro, 2017

Sobre Francisco J. Marques, no Observador



Francisco J. Marques tornou-se jornalista, tal como Nuno Saraiva, no começo da década de noventa. Chegou ao Público precisamente no ano da fundação do jornal: 1990. Esteve lá até ao dia 31 de dezembro de 2002. Pelo meio, um mês no jornal O Jogo e seis no 24 Horas, voltando sempre à redação-mãe.
Foi Manuel Queiroz o seu editor nos primeiros tempos de jornalismo. Ainda hoje trata Francisco J. Marques por “Chico”. “Ele começou comigo, começou. Primeiro como colaborador, depois a tempo inteiro. O Bruno Prata era amigo do Chico e apresentou-mo certo dia. O Chico fazia desporto, sobretudo desporto, porque tinha uma cultura muito grande a esse nível, mas como era o começo e ainda tínhamos pouca gente, tinha que fazer de tudo um pouco.” Queiroz elogia-lhe a organização. E recorda a timidez. “Ele sempre foi um tipo sério, em quem se podia confiar. E tinha uma coisa que eu e outros jornalistas do Desporto não tínhamos: sempre foi muito bom com jornalismo de dados, nunca se enganava com números. O Francisco era um tipo extremamente organizado no trabalho. Muito, muito organizado. Mas no começo sentia que ele era mais um jornalista de ‘secretária’ do que de entrevistar pessoas. Não sei se era tímido ou se não. Mas não era de contacto fácil no começo – isso era uma característica da personalidade dele. Nunca foi um jornalista de ter muitas fontes, não ‘sacava’ notícias como os outros, mas se lhe pedisses um trabalho ele entregava-to a tempo e horas”, conta.
Marques trocaria o Público pelo Jornal de Notícias. Na redação do Porto trocou também o Desporto pela Sociedade. Assumiu a editoria a 1 de fevereiro de 2003, dia em que Carlos Cruz foi detido e o vaivém espacial Columbia se desintegrou em pleno voo.Mais tarde (entre 2008 e 2011) foi editor de Desporto da Agência Lusa, cargo onde viveu os piores dias no jornalismo, sendo à época acusado de ser próximo do Futebol Clube do Porto. O Benfica apresentou mesmo uma queixa à Entidade Reguladora da Comunicação Social, acusando o então editor de “jornalismo tendencioso”. Francisco J. Marques nunca escondeu a sua preferência clubística. Mas sempre garantiu que o clube com quem mais diferendos teve enquanto jornalista foi precisamente o Futebol Clube do Porto. Ao mesmo tempo, nunca escondeu que nenhum outro como o Benfica o tentou “penalizar” tanto enquanto foi editor da Lusa — garantindo que é o clube da Luz quem está por detrás de uma alegada pressão do então Primeiro-ministro José Sócrates com vista ao “saneamento” de Marques.
“Sempre soube qual era o clube dele, sempre soube que era portista. Os jornalistas têm clube — e nós sabíamos o clube uns dos outros. Mas isso nunca interferiu com o trabalho dele”, explica Manuel Queiroz. “Lembro-me perfeitamente da acusação que lhe fizeram enquanto foi editor de Desporto na Lusa. O João Gabriel [então diretor de comunicação do Benfica], particularmente ele, atacava muito o Chico. Porquê? Porque o cargo de editor de Desporto da Lusa é importante. Tem-se acesso a coisas. Ele foi muito maltratado. E injustamente — porque a postura dele sempre foi a correta. Se tivesse que dar uma notícia, fosse sobre o Benfica, fosse sobre o Futebol Clube do Porto, uma notícia incómoda ou não, o Chico dava-a e pronto”, acrescenta convictamente o jornalista.
Marques sempre acusou Luís Bernardo [hoje diretor de comunicação do Benfica e à época assessor do Primeiro-ministro José Sócrates] de estar envolvido na pressão política feita para que o editor de Desporto fosse afastado da Lusa. Contactada pelo Observador, fonte próxima de Luís Bernardo nega as acusações. E reage: “Isso é completamente falso. E não tem fundamento. Perguntem ao Domingos Andrade [à época diretor de informação da Lusa, hoje diretor adjunto do JN] se houve alguma pressão. Não houve! Agora, que ele [Francisco J. Marques] fazia um bocadinho de ‘clubite’, fazia. E que houve queixas, claro que houve. E uma chamada de atenção… Um órgão público como a Lusa não podia tomar partidos. Tudo o mais é uma fantasia. Luís Bernardo nem sabia bem quem ele era”.
Francisco J. Marques tem 51 anos. Nasceu a 13 de maio (sendo por isso batizado Francisco) em Miranda do Douro. Apesar de não ser um “marreta” no futebol, o único desporto federado que praticou durante anos foi o xadrez, no Clube de Propaganda da Natação, em Ermesinde. Abandonou a modalidade quando chegou ao Público e os horários (e distância) se tornaram inconciliáveis. O ídolo maior de Marques no desporto não é, curiosamente, um futebolista e menos ainda um praticante de xadrez; diz-se um “federerista” convicto, sendo adepto de ténis e do tenista suíço Roger Federer, mas igualmente de futebol americano e dos Saints.
Quanto a Nuno Saraiva, a idade varia. Sim, varia. Nasceu a 22 de julho de 1971. Mas no cartão de cidadão surge 72. Porquê? Um esquecimento por parte dos pais na maternidade e a burocracia que se lhe seguiu explicam o facto de só ter sido registado um ano depois do nascimento.
A reunião de maio no Altis foi importante para o retomar das relações institucionais entre Sporting e Futebol Clube do Porto. “Concluída esta reunião, verificámos que há caminho que pode e deve ser feito em conjunto, considerando que é muito mais aquilo que nos une [o recurso ao vídeo-árbitro, a divulgação dos relatórios de jogo, a revisão do regulamento disciplinar da Liga de clubes ou a legalização das claques de futebol] do que aquilo que nos separa”, explicaram os clubes em comunicado. Mas também é verdade que poucos meses após a reunião, em agosto, Nuno Saraiva e Francisco J. Marques se desentenderam em público. Ou melhor, nas redes sociais.
Foi logo após o triunfo do Sporting frente ao Vitória de Setúbal — com um penálti de Bas Dost nos minutos finais. “Se tivesse marcado o lance do Coates podia discutir-se, mas este é a brincar. Se o VAR não serve para corrigir…”, escreveu Francisco J. Marques no Twitter. “Acho que ainda vamos assistir a um momento histórico e inédito: o Francisco J. Marques em sintonia com o António Rola [ex-árbitro e atual comentador da BTV]! Como diria o Scolari: “Hummm, e o burro sou eu?!”, respondeu Nuno Saraiva no Facebook.
Francisco J. Marques tem passado os últimos meses a denunciar no Porto Canal um alegado esquema de favorecimento das arbitragens ao Benfica. Tiago Girão apresenta o programa “Universo Porto”. Confessa que, mesmo tendo sido jornalista de Desporto na SIC durante anos, nunca havia contactado com Francisco J. Marques antes de se cruzarem no Futebol Clube do Porto. E garante que o que o diretor de comunicação dos portistas faz no programa é uma “extensão” do que fazia como jornalista – o próprio Francisco J. Marques admite que o faz é um jornalismo “mais militante”, mas ainda assim de “investigação”.
“Vejo o que ele faz no programa como jornalismo, sim. O programa vai fazer um ano em antena, sou eu quem o coordena, e até hoje nunca colocámos uma peça no ar sem antes fazer o contraditório, sem confirmar com fontes se é verdade ou não. É muitas vezes o próprio Francisco quem o pede. Essa veia jornalística dele está lá toda, intacta. Ele quer sempre a verdade e o rigor em tudo quando faz no programa. E se alguma coisa for para o ar de forma incorreta, não é a primeira vez que no programa seguinte admitimos o erro e repomos a verdade dos factos”, lembra o apresentador do Porto Canal, que todas as semanas dá a cara pelo que é emitido no programa. A divulgação de e-mails do Benfica envolvendo nomes de árbitros tornou-se na última grande polémica do futebol português — e aqui, o contraditório (o clube da Luz) não tem sido propriamente protagonista.
O tom de Francisco J. Marques no “Universo Porto” (mas igualmente no Twitter) é quase sempre sarcástico e, até, agressivo. “Agressivo? Ele não é agressivo. O que mais destacaria na postura dele é o sentido de justiça. No programa e fora dele. É sensível e justo. Se alguma vez se exalta ou é incorreto com alguém, o Francisco é o primeiro a inverter a situação e a admitir que não esteve bem. Mas destacaria, isso sim, e uma vez que se fala de ‘agressividade’, o sentido de humor dele. É um humor refinado e que nem toda a gente entende ou gosta, um humor muito próximo daquele que por vezes lhe vemos no Twitter ou no programa”, contrapõe, em sua defesa, Tiago Girão.
Manuel Queiroz garante que o “Chico” é exatamente o mesmo que conheceu ainda no Público. “Se está diferente agora? Não concordo. O Chico sempre foi como jornalista o que agora é como diretor de comunicação. Não acho que seja agressivo; é, isso sim, assertivo. E naquilo que tem denunciado no Porto Canal, geralmente acerta e confirma-se que é verdade. O Chico é dos tipos mais pacatos que conheço. Conheço-o há muitos anos e nunca o ouvi levantar a voz a ninguém, por exemplo. A personalidade dele não mudou só porque agora é diretor de comunicação e antes era jornalista. É tudo absolutamente igual; o que tem é mais holofotes do que antes ”, explica, acrescentando: “Ele tem acesso a informações que são relevantes, que são notícia. O que faz? Verifica-as e, quando são verdade, apresenta-as. Aquilo é a continuação do trabalho jornalístico dele na imprensa. Mas claro que agora tem uma ‘causa’ [Futebol Clube do Porto] e antes não tinha”.
A vida e rotinas de Francisco J. Marques alteraram-se drasticamente nos últimos meses, sobretudo desde que começou a divulgar no programa do Porto Canal e-mailsconfidenciais que envolvem dirigentes do Benfica. E sucedem-se as ameaças ao diretor de comunicação portista, o que o impossibilita, por exemplo, de visitar Lisboa ou de, como antes, “ir a concertos e jantar em restaurantes” — garante fonte próxima de Marques ao Observador, que acrescenta: “É constantemente insultado na rua”.
Mas não é somente na rua que Francisco J. Marques se diz vítima de ameaças. Nos últimos tempos, a sua conta de e-mail tem sido constantemente atacada, como o próprio denunciou no Twitter, por piratas informáticos, acrescendo a isso um facto mais sórdido: “as informações pessoais [do diretor de comunicação] têm sido partilhadas em sites de pornografia homossexual”, conta fonte próxima ao Observador, que diz que Marques não tem dúvidas de que o Benfica poderá estar envolvido em muitas destas situações que considera “graves”.
Ao Observador, fonte da direção do Benfica nega, contra-atacando: “Toda a gente sabe que o verdadeiro diretor de comunicação do FC Porto é o Manuel Tavares [ex-diretor de O Jogo e do JN]. É ele que coordena tudo. O Francisco faz o trabalho dele… Foi uma personagem criada — e onde se mistura o papel de diretor de comunicação com o de comentador. O rosto disto [Francisco J. Marques] é alguém que não tem muito a perder. É ele mas podia ser outro qualquer. Quando isto apertar, com indemnizações, processos-crime, o desgraçado é que paga. Está a dar a cara e será lançado aos lobos…”
Nota de RoP:
Excerto de um artigo de Tiago Palma, sobre Nuno Saraiva e Francisco J. Marques. Pela longa extensão, limitou-se a publicação conjunta ao Director de Comunicação do FCPorto.

04 outubro, 2017

Um político incompetente que mais parece um cumplíce

Sejd Joao Paulo Rebelo 5
João Paulo Rebêlo
(Secretário de Estado do Desporto)
Gosto de conhecer o rosto de quem se esconde, quando se impõe aparecer. Há rostos que se ocultam por timidez, outros por se acharem muito feios, e outros ainda, por mera cobardia. Normalmente são anónimos, daqueles que se fazem valentes e sabichões, sem sequer deixarem o apelido quando decidem comentar reactivamente.

Não deve ser o caso deste rapaz aqui ao lado, porque teve "coragem" para se dedicar à política e chegar a Secretário de Estado do Desporto, embora para isso, hoje, a boa coragem não faça parte do perfil exigível  a um político moderno. Mas, se ele não é cobarde, é no mínimo incompetente. A má "coragem" sim, é condição elementar para ser-se político.  

Sinto-me à vontade para pensar assim, porque quem ocupa um cargo como o seu não pode dar-se ao devaneio de repreender um ladrão de supermercado, e depois ficar mudo e indiferente com crimes muito mais graves. É uma incongruência absurda.  Revoltante, mesmo! Objectivamente, este senhor teve a coragem de notificar o líder dos Super-Dragões por incentivo à violência com cânticos inapropriados, por um grupo avulso de uma claque legalizada. Mas já não teve a boa coragem para notificar o Benfica pela ilegalização das suas claques que ainda há poucos mêses assassinaram um adepto do Sporting. Mal comparando, decisões deste tipo, lembra-me de certo modo, o comportamento de Sócrates e as inéditas transferências bancárias, da sua conta própria para a conta de amigos. Sendo legal, é inusitado, nem parece sério para um 1º Ministro. Quando se trata do nosso próprio dinheiro, em circunstâncias normais pautamos sempre pela privacidade, e pela segurança.

O assunto do senhor Secretário dos Desportos, foi também ontem debatido  no Universo Porto da Bancada. Mas, continuo a pensar que é preciso ser mais contundente. Não basta dizer, "isto não se admite", "Ao Benfica tudo é protegido", etc.,  porque eles sabem muito bem que não estão a ser correctos. É preciso pôr os pontos nos "is", apelar à figura do 1º Ministro e pedir a demissão urgente desse seu colaborador pela sua incompetência e sectarismo. O Governo tem de passar a ser enfatizado, e a indignação tem de parecer proporcional à gravidade que o caso tem, caso contrário, estamos a contribuir para o arrastamento desta situação. Quanto mais cedo o fizermos, mais cedo o Governo tomará decisões. Assim, estamos a beneficiar os infractores, a dar-lhes tempo para manobrarem. Andamos à volta de um carrossel de indigências sem fazer tudo o que é preciso para o travar.

O pior que se pode fazer, é vulgarizar o programa, transmitir aos espectadores a sensação que aquilo não vai dar em nada, que é mais um programa de maldizer entre rivais. E não é.

03 outubro, 2017

Os nossos comentadores políticos e a Catalunha



Resultado de imagem para angelo correia dentadura
Ângelo Correia
(um lírico convencido)


"Notável", a reacção de algumas figuras da vida política nacional face aos acontecimentos da Catalunha. Quem não os conheceu, que os comprasse na hora certa, porque agora já pouco há a fazer.

Estes passarinhos, continuam por aí a desconsiderar-nos, semeando a genes de todas as rebeliões, tratando-nos com o cinismo e a discriminação do costume. 

São gente com responsabilidades (imerecidas) do passado, e também da actualidade, figuras que estiveram no poder, dos partidos do arco governativo, quem nos vem agora falar dos perigos da desintegração de Espanha e das consequências nefastas que a eventual separação da Catalunha podem causar, não só ao país vizinho como a Portugal. É esta incoerência absoluta, esta falta de honradez intelectual, que abomino nesta espécie de saltimbancos que fizeram de Portugal o país medíocre que ainda é. 

Se recuarmos no tempo, se olharmos para a história da humanidade com o realismo devido, depressa concluímos que nenhum povo é inocente nesta coisa de independências. Nenhum povo do mundo é exclusivamente pacífico. Os países ditos modernos foram outrora tão selvagens, como aqueles que hoje condenamos. Portugal construiu-se e cresceu com a invasão a outros povos.  Ceuta, foi a primeira vítima, depois seguiram-se outras regiões africanas, outros continentes, sempre com o mesmo espírito: poder, e riqueza. A nossa origem, como a de tantos outros países, é multi-racial. Ninguém é puramente nada!

Os muçulmanos apossaram-se, e criaram raízes em zonas consideráveis do sul, hoje parte integrante de Portugal, e nós portucalenses corremos com eles. Às vezes esquecemos-nos que D. Afonso Henriques (1º. Rei de Portucale), teve de lutar contra esses mesmos povos para prosseguir na sua campanha de ocupação e limpeza religiosa (a causa inspirava-se num desejo de Deus), entre os quais constavam reinos árabes como Beja, Évora, Elvas, e as hoje espanholas Sevilha e Badajoz...  Após muitos anos e batalhas perdidas e outras vencidas, nomeadamente com Castela, lá conseguimos instalar um período razoável de paz duradoira no célebre tratado de Zamora, com Leão e Castela.  

Pergunto: em pleno século XXI, estará algum país em condições de garantir que as suas raízes etnográficas originais são integralmente puras?  Nós portugueses, não temos, e os espanhóis também não. A Espanha contemporânea, como todos sabemos, tem pelo menos 3 grandes problemas regionais e étnicos: o País Basco, a Catalunha e a Galiza. Umas, mais que outras, as três regiões têm línguas e hábitos culturais muito distintos que lhes conferem diferenças relevantes com o resto de Espanha. O tempo consumido com as lutas que têm travado pela auto-determinação, com ou sem sangue, confere-lhes no mínimo, o direito a serem mais respeitados... As lutas dos outros povos, não são obrigatoriamente menos importantes que as nossas.

Em Portugal, a questão das etnias existe de facto (os nortenhos têm mais traços culturais com a Galiza do que com Lisboa e Sul do país). Mas é uma questão, não um problema, isto é, nunca chegou a ser encarado pelos portugueses como tal. Actualmente, já não é bem assim... Neste capítulo, o grande problema em Portugal têm sido os próprios governantes. Os que agora clamam pela coesão nacional, são os mesmos que passaram estes 63 anos a dividí-lo.

Os nossos governantes, em vez de aprenderem com o problema espanhol, de procurarem governar o pais com a sensibilidade que questões desta natureza recomendam, descentralizando, conferindo gradual, mas resolutamente mais autonomia às diferentes regiões, evitando manifestos arrogantes de poder e discriminações, não. Centralizaram-no mais. Do 25 de Abril para cá, o sentido foi invertido. Passamos a viver no país mais centralista da Europa!

Como segunda cidade portuguesa, que se orgulha de transportar consigo o nome do próprio país (Porto, significa Portucale = Portugal), a "democracia" atraiçoou-a. Não a Democracia verdadeira, mas seguramente esta que os nossos políticos fizeram o favor de ultrajar Esta imitação reles de democracia a que eu chamo sem rebuço ditadura, retirou ao Porto muito do protagonismo que tinha. E não o fizeram por acaso.

Acabaram com importantes recursos indígenas, como jornais sediados na cidade, Rádios, Bancos, Companhias de Seguros, enfim, um sem número de meios fundamentais a qualquer autonomia. Todos sabemos disso, mas não é nada que choque os centralistas. Continuam empenhados na senda das promessas falsas, apenas promessas. Agora, temem (pudera!) que Portugal venha a sofrer com a eventual independência catalã, e querem, "querem muito", a coesão nacional, tratando-nos como parentes menores. 

Qualquer vulgar ladrão quer muito ficar com o que não é seu, não é verdade? Qualquer vigarista finge que não percebe que o é, não é assim? Que terá isto de original, para não dizer inteligente?

Estes nossos políticos devem estar mesmo a ficar com as cuecas sujas, tal é o medo de perderem a mama do absolutismo pós revolucionário. Então, toca a deitar a baixo a Catalunha. Como se tivessem alguma coisa a ver com o assunto. Não têm. Para já, até andam com muita sorte. 

Meus caros, agora é que os gajos de Lisboa e sus muchachos obedientes vão enxovalhar a Regionalização. Melhor pretexto não podiam ter.

Já agora, e se fossem cuidar dos paióis de Tancos? Ouvi dizer que ainda se vê por lá algumas fisgas. Cuidado, que os catalães podem descobrí-las!

02 outubro, 2017

Eleições no Porto e Gaia, as mais genuínas

Resultado de imagem para rui moreira
Rui Moreira
Há quem procure desacreditar as candidaturas independentes, argumentando com a utopia dessa independência. É um argumento válido, mas também contraditório, porque quem defende essa tese, só pode ser naturalmente alguém que está, ou tem gente próxima, ligada a um partido político. Depois, porque o militante partidário que ouse pensar pela própria cabeça contra o establishment, arrisca-se a ser acusado de indisciplinado e consequentemente castigado.  Logo, estamos conversados sobre "independências".

Os partidos políticos, em vez de se virarem para os independentistas com slogans espúrios e gastos, deviam antes de tudo procurar descobrir as causas deste fenómeno recente.

Já aqui escrevi, vezes sem conta, sobre as razões do meu longo absentismo, não estando por isso mais disponível, nem paciente, para escrever com um post só para responder a cada comentário pseudo-iluminado que cai na minha caixa do correio. Quem quiser saber como penso, que se dê ao trabalho de ler um pouco mais do que o último post. Quem não quiser, então prefiro que não comente coisa nenhuma e me desampare a loja.

Mas, voltando aos partidos, e à sua lengalenga do costume, vazia e muito pouco inserida da realidade actual, seria bom que reflectissem para tentar saber por exemplo, por que é que o independente Rui Moreira, no Porto, e o socialista Eduardo Victor Rodrigues, em Gaia, venceram ambos, e  com maioria absoluta, as respectivas câmaras.

Ambos, tiveram o mérito de convencer os eleitores da sua área sem precisar de se confrontarem politicamente. O povo da região parece já ter percebido que mais do que os partidos, são as pessoas que os representam (ou não) que contam. É uma imbecilidade que um partido como o Bloco de Esquerda tenha como representante no Porto um político como Teixeira Lopes convencido de poder "roubar" votos a Rui Moreira, explorando o caso Selminho (já resolvido na Justiça), enfatizando-lhe as falhas, sem ter a dignidade de lhe reconhecer os méritos. Resultado: nem sequer conseguiu eleger um representante! Ilda Figueiredo, da CDU, ainda conseguiu um lugar, mas pecou pela mesma política do bota-abaixo.

Resultado de imagem para Eduardo Victor Rodrigues
Eduardo Victor Rodrigues
O mal dos partidos, é desprezarem a sensibilidade popular, acharem que os eleitores ainda alinham pelo discurso negativo, pela má-língua, pela clubite partidária, em vez de apresentarem alternativas coerentes. Felizmente, parece que o bom senso do povo do Porto está a refinar-se. O mesmo se passou em Gaia. Eduardo Victor Rodrigues é dos políticos vinculados a um partido que mais admiro. Sucedeu a Luís Filipe Menezes, herdando uma dívida tremenda, grande parte dela já sanada, sem se perder nos queixumes usuais, com uma dignidade e uma honradez invulgar.

São exemplos destes, diferentes entre si, que deviam fazer reflectir os partidos. É também verdade que há sempre quem se aproveite das fragilidades "independentistas". No Norte, Valentim Loureiro e Narciso Miranda, borrifaram-se para os seus respectivos passados, nada recomendáveis, e lançaram-se à luta, mas desta vez o povo deu-lhes a resposta adequada. No Sul, em Oeiras, o ambiente e os ventos parecem mais "tolerantes" com a corrupção, e (pasmem) lá elegeram Isaltino Morais...   


Vejamos, como é que Rui Moreira vai governar a cidade com maioria absoluta. Confiemos no seu carácter. Pode não agradar a todos, mas já fez coisas muito interessantes, ao contrário de Rui Rio, esse sim, um oportunista e incapaz. 

Rui Sá, da CDU nunca lhe fez as críticas oportunistas que fez a Rui Moreira durante todo o ano. Talvez se sentisse melindrado por Rui Moreira ter acabado com a cultura Laferiana, bem à moda da Lisboa pimba...

Off topic:

O FCPorto mereceu ganhar em Alvalade. Belo espectáculo de futebol. Força Sérgio Conceição, a tua língua não tem sofisma. Que os Deuses te ajudem, tu mereces!