03 junho, 2015

Jornal Porto24, agora semanário em papel


O Porto24 deu o “salto” para o papel e passa a ter edição impressa. A periodicidade é semanal e a nova ‘plataforma’ do jornal nascido em 2010 chega às bancas dos quiosques da Área Metropolitana do Porto já na próxima sexta-feira.

O “salto” dá-se por um conjunto de fatores, a começar por uma parceria com a equipa do Semanário Atlântico, que saiu pela última vez na última sexta-feira e contou com 19 edições. Segundo a diretora do Porto, Ana Isabel Pereira, o novo projeto surge também de um desejo que vinha sendo acalentado há cerca de 2 anos de passar para o papel o Porto24. 
O novo P24 – como é também conhecido – dará destaque a informação dos concelhos do Porto, de Matosinhos, de Gaia e de Gondomar, como vem, de resto, acontecendo no formato online. O novo semanário custará um euro e terá 32 páginas, com impressão a cores. A primeira edição terá uma tiragem de 6.000 exemplares a distribuir pela Área Metropolitana do Porto (AMP).
“O Porto24 em papel é complementar, não vamos duplicar conteúdos”, explica Ana Isabel Pereira, acrescentando que o P24 online se manterá como até aqui, “com a espuma dos dias, informação diária publicada o mais rápido possível e o mais completo possível”. A única diferença é que se completará com a edição impressa, que, acreditam os responsáveis pelo jornal, trará, por seu turno, maior prestígio e credibilidade ao órgão de comunicação – o único do género na cidade do Porto.
Aproveitando os recursos humanos do extinto Semanário Atlântico, o Porto24 conta com 4 pessoas na redação, mais 4 colaboradores externos.
Questionada sobre o investimento, a diretora do Porto24 refere que este é “um projeto contido e cauteloso em termos financeiros”, contando com a publicidade como principal modelo de negócio.
Para além da aposta na diferença no tratamento do que é a atualidade local – na Atualidade, não serão distinguidas secções como a Cultura ou o Desporto –, haverá 2 páginas dedicadas à Inteligência, que é como quem diz notícias sobre “startups, novos negócios, gadgets, universidades e investigação”.
O jornal trará a Opinião de figuras como o vereador do PSD na Câmara do Porto Ricardo Valente, o psicólogo e escritor Luís Fernandes, o diretor de programas do Porto Canal, Paulo Ferreira, ou o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, Manuel Pinheiro.
As páginas centrais ficam reservadas para “reportagens de fundo ou entrevistas”, seguindo-se a segunda grande aposta do novo Porto24: a Praça, secção na qual se publicará informação sobre “Comes & Bebes”, “Artes”, “Compras” “Corpo & Mente” e “Em Família”. O semanário terá ainda uma página dedicada a personagens da cidade – o espaço “Gentes” – e um cantinho dedicado à “Memória”, secção que já existe e tem destaque no formato online.
Jornalista desde 2004, Ana Isabel Pereira, que começou a trabalhar no extinto O Comércio do Porto, espera que o semanário Porto24, detido por uma startup incubada no Pólo de Indústrias Criativas do UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, consiga “chegar a públicos diferentes” na AMP.

Nota de RoP:
A ousadia, a par da originalidade, anda há muito arredia desta cidade, em matéria de informação. Por isso, não espero grandes surpresas na forma de fazer jornalismo neste país.. Se anda toda a gente com medo, por que é que os jornalistas hão-de ser execepção? Coitadinhos, eles precisam muito de sustentar a família, blá-blá-blá...
Mas, como costumo dizer, quero muito estar enganado. Portanto, ver para crer. Na 6ª. feira vou ver como é, para contar como foi. Até porque agora deixei de ler o JN.

3 comentários:

Anónimo disse...

Não espero nada de especial. Para isso tenho as partes centrais do jornal do Lidle. Um jornal a serio tem de ser nacional, pois caso contrario é como falar apenas para os vizinhos. Não vale a pena se pensar que com meia dúzia de exemplares, em apenas 3 concelhos se fale em alguma coisa. Já agora, nasceu a primeira radio on line na cidade do Porto. Www.radioportuense.com. Precisam de patrocinadores pelo que sei. Jose Carlos

Rui Valente disse...

Bem, para começar, o Porto24 começou mal. Hoje, já passava das 10H00 entrei num quiosque, perguntei se já tinha chegado o jornal e, nada...

É assim, não sei que praga se instalou nas gentes do Porto para haver tanto laxismo, tanta falta de ambição regional.

Anónimo disse...

Eu não disse. Tudo amador ou feito para os vizinhos.