23 maio, 2016

Sobre o respeito...

...direi que é um sinal de boa educação e consideração que muito prezo mas que só funciona na plenitude se fôr recíproco. Digam lá se quando dão prioridade de passagem a outro condutor (sem violar as regras do trânsito) para lhe facilitarem a vida e o próprio tráfego e o gajo não tem um simples aceno de mão para agradecer não ficam logo arrependidos pela cortesia? Há alguns, que até dão vontade de irmos atrás deles para lhes perguntarmos se são órfãos, ou filhos de pais incógnitos que não lhes deram educação. A arrogância é algo que me repele, que me enoja e faz pensar o pior possível de quem gosta de a exibir.

Não é a este tipo de educação e respeito que me quero referir, é de outro género. Reporto-me ao que alguns portistas invocam quando outros criticam o presidente (de agora) do FCPorto, a pretexto do bem que ele fez no passado. Compreendo, mas só parcialmente. Por outro lado, acho isso tão absurdo como a mulher que sempre amou e respeitou o marido e se habituou a ver no companheiro um amigo responsável, e de repente constata que ele mudou, que já não quer saber dela para nada, nem assume as suas responsabilidades familiares tornando-lhe a vida insuportável. Pergunto: não será legítimo que, se não houver um diálogo franco para uma tentativa de reconciliação, e o reconhecimento de culpa por parte do marido, a mulher perder-lhe o respeito? A não ser que seja daquele tipo de mulheres masoquistas daquelas parecidas com certas prostitutas que até gostam que o chulos lhes arreiem no pêlo. 

Mal comparando a analogia com o exemplo anterior, acham que Pinto da Costa continua a merecer o mesmo respeito que merecia quando governava com zêlo e defendia com unhas e dentes o FCPorto? Não foi por ser combativo, bairrista (sim, bairrista!) que ergueu o FCPorto para os patamares de grandeza que conhecemos? Acham que ele ainda conserva essas características? Que tem tido muita consideração e respeito pelos portistas? Pois eu acho que não. Que me interessa se ele foi reeleito se já não acredito nas suas capacidades?

Já falei da falta de comunicação, já falei do silêncio, já falei no negócio com a MEO que privou os portistas do Porto Canal, já falei do aburguesamento, já falei da humilhação da presença de inimigos do FCPorto nas galas do Dragão, enfim, um rol de comportamentos que são o oposto do que fez dele o homem admirado e respeitado por todos os portistas. Esse homem, reconheceu e assumiu frontalmente que errou ? Garantiu-nos que tencionava mudar de atitude? Que não ia mais permitir abusos de quem quer que fosse que prejudicassem o nosso clube? Ouviram-no garantir isso? Então, é porque não tenciona fazê-lo, e se assim fôr, então é altura de deixar o clube.

Claro que, para muitos portistas quando ele sair irá deixar no ar um sentimento de perda, porque ainda têm bem frescas na memória as glórias que conquistou à frente do FCPorto. Mas isso, é se ele quiser sair em grande (coisa em que não acredito), porque se continuar agarrado ao poder sem vencer, os adeptos vão chegar a um ponto que vão querer despachá-lo à força. Ora, pessoalmente, acho que seria bom para ele e para o clube evitar essa situação. Era acertado reconhecer naturalmente já não ter capacidade para lutar pelo clube como outrora, que o deixasse para manter bem vivas as boas recordações. Porque não basta afirmar que se sente bem de saúde se estiver condicionado física e intelectualmente. Mais do que administrar, é preciso comandar, lutar pelo FCPorto! Não quero acreditar que ele já tenha esquecido que o FCPorto foi, e continua a ser, um clube negativamente discriminado, e que para nós não chega negociar bons treinadores e bons  jogadores. Para o FCPorto é preciso, antes de tudo, um guerreiro ao comando, um lutador, já que muitos portugueses, incluindo portuenses, vivem imbecilizados pelo narcótico nacional-benfiquista porque esse guerreiro, chamado Pinto da Costa, agora baixou a guarda e deixou de lutar.

Vai ser difícil encontrar alguém com o perfil do Pinto da Costa do passado, mas a vida continua e não há gente insubstituível. Não é fácil. Cabe aos sócios saberem fazer a escolha certa. Se votarem com o rigôr que elegem os governantes, então vamos ter problemas.


3 comentários:

Anónimo disse...

http://www.reflexaoportista.pt/2016/05/chega-de-saudade-realidade-e-que-sem.html

BOM texto.

Anónimo disse...

Já são poucos portistas acreditar neste presidente e nos seus colaboradores, tal são as asneiras atrás de asneiras. Pelos vistos José Peseiro foi uma aposta falhada do vice presidente Antero Henriques com o consentimento de Pinto da Costa.

Recordo e agradeço alguns bons momentos de Helton na baliza do FCP, agora também espero que se retire este ano conforme já afirmou, infelizmente para ele e mais para o FCP, foi uma despedida sem brilho e triste.

O FCP perdeu uma grande oportunidade de trazer mais um troféu para o museu depois de ter sido derrotado por grandes penalidades, por uma equipa muito inferior mas psicológicamente superior. Não é de admirar que este sofrimento seja o síndroma de sono da SAD destas três épocas.

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

O Helton foi um guarda-redes bom, mas nunca foi excepcional. E nos últimos anos tem tido um comportamento bipolar, quer no aspecto desportivo, quer no aspecto humano. Acho-o um pouco hipócrita e vamos esperar se um dia destes não vai fazer côro com o Maicon...