18 dezembro, 2017

Cheira-me a esturro...


Clicar sobre a imagem para ampliar


Afirmo-o aqui, sem qualquer rebuço: quando Nuno Miguel Maia assina um artigo sobre casos de polícia, podemos ter a certeza que o nome de Pinto da Costa vem logo a seguir. Ele  próprio (NMM),é um caso de Polícia, mas ainda não percebeu...Ou também sofre de uma grave patologia mental, tal é a obsessão que tem pelo presidente do FCPorto.

Como não escreve uma linha sobre o traficante de emails (e não só), a razão é inquestionável: é mais um cartilheiro do Benfica, no JN.




Talvez haja aqui motivo para desconfiarmos destas alterações nas chefias da PJ...

Off Topic:

Relembro, a quem tiver esquecido, que avisei em vários posts, que a  entrega à PJ dos e-mails suspeitos do Benfica pode não chegar para bloquear as vigarices que conhecemos. Disse, e repito, que a matéria de prova é suficientemente poderosa para legitimar o FCPorto do direito a uma exposição ao Governo. Desde o início deste processo, os órgãos que tutelam o desporto nunca estiveram à altura do caso, revelando, mais que incompetência, cumplicidade com os transgressores. Resultado: o Benfica continua impune, a amealhar pontos não só à custa dos favores dos árbitros, como dos clubes "satélites".

Com tudo o que tem de ilegítimo, este caso pode custar ao FCPorto a perda de outro campeonato, e nesse caso, não podemos só atribuir aos vigaristas o nosso eventual insucesso, mas também à SAD portista, por cobardia, ou ingenuidade. Espero sinceramente estar enganado. Caso contrário, também perderei como portista. Indignamente. 

1 comentário:

Anónimo disse...

Mas quem é que faz estas mudanças, é o Benfica? O que este cartilheiro vermelho escreve é verdade, ou alguém ligado ao Polvo pediu para que ele escrevesse?
A verdade dos Imails é mais clara que a água, é como o algodão não engana, é por isso que o Polvo faz ameaças a torto e a direito porque não tem argumentos.
Certamente não vai ser a divindade divina que os vai castigar, mas se ajustiça é mesmo justiça porque espera.

Abílio Costa.