26 fevereiro, 2018

O mimetismo da comunicação anti-social do regime

É extraordinário, o modo mimetista como os jornalistas comentam os jogos de futebol. Não acredito que o façam por défices intelectuais, porque quando querem, esperteza (saloia) é coisa que não lhes falta. Agem assim por corporativismo sistémico, e falta de seriedade. O pior, é que este hábito tem contagiado os próprios treinadores, e até alguns jogadores que, por falta de humildade, preferem copiar o que vem nos jornais (quando lhes convém), do que reconhecer mérito aos adversários. Então, quando se trata dos jogos contra o FCPorto, tornou-se moda humilhar as equipas que perdem, com o intuito de desvalorizar os sucessos do nosso clube.

Senão, reparem, no JN de hoje vem publicada na coluna negativa, a opinião de Ewerton, jogador do Portimonense, nestes moldes: "Ewerton disse que o Portimonense saía com um sentimento de vergonha, e a verdade é que a equipa algarvia pouco fez na partida. Mostrou-se atrevida no ataque quando teve espaço para o fazer, mas a fragilidade da defesa deitou tudo a perder". Quanto ao técnico do Portimonense, o discurso não foi muito diferente, apenas mudou no estilo: "Falhou tudo! Não conseguimos fazer uma oposição forte ao FCPorto. Perdemos muitas bolas. Tudo saiu bem ao nosso adversário na fase inicial".   

Quando lemos este tipo de discurso, que interpretação se pode fazer senão uma tentativa orquestada de depreciar o trabalho dos jogadores do FCPorto, e ao mesmo tempo provocar os seus adversários para «morrerem em campo» quando jogam contra nós. Sim, porque quando se tenta humilhar o trabalho dos jogadores do Portimonense, que tão boa réplica deram e tão bem jogaram, imprimindo um ritmo elevadíssimo ao jogo, obrigando a nossa equipa a manter uma elevada concentração durante todo o jogo, não pode ser por acaso.

Pela minha parte, digo sem qualquer exagero, que apesar da goleada, o Portimonense jogou muitíssimo bem, e se falhou na defesa não foi por demérito, foi porque os ataques do FCPorto foram extremamente rápidos e letais. Digam-me se houve equipa da dimensão do Portimonense que tivesse jogado melhor, que tivesse sido tão perigosa, tão batalhadora? Honestamente vos digo que, apesar da grande exibição do FCPorto, e mesmo com os 2 golos de vantagem, este foi talvez o único jogo que menor tranquilidade me deu, precisamente pela forma combativa e veloz como o Portimonense jogou! Aliás, não foi por acaso que só conseguiram marcar o golo de honra nos descontos, quando a defesa do FCPorto já estava relaxada. Mas, marcaram, ou não? Os golos do FCPorto, foram oferecidos? A defesa dos algarvios, abriu-se, não fez tudo para evitar os golos? Ou estavam à espera de cacetada, de situações que promovessem dúvidas? Como ousam crucificar o Portimonense se teve a coragem de não se remeter à defesa sem recorrer como a maioria das equipas pequenas, à manha e à sarrafada?

Esta é a realidade, e não o que é dito na imprensa! Já usaram o mesmo estratagema noutros jogos, o mais recente foi com o Estoril, entre outras cenas próprias de vigaristas! A postura do Portimonense só a dignifica, e acentua a grande jogataina do FCPorto.

A inveja do regime, é isto.


Sem comentários: