16 agosto, 2015

FCPorto melhor, mas com tiques chatinhos


Em poucas palavras direi o que penso do jogo do FCPorto com o Victória de Guimarães.

Primeiros cinco, seis minutos irritantes da equipa do FCPorto. Tal como na época passada, permitimos que a equipa forasteira pressionasse alto no sentido de aproveitar a habitual lentidão organizativa do FCPorto para assim tirar partido do efeito surpresa. Algo que o treinador e os jogadores do FCP já deviam esperar, visto que foi assim que a maioria das equipas jogaram no Dragão e nos complicaram a vida. É para mim, à imagem do que sucedia o ano passado, o maior calcanhar de Aquiles do FCPorto, dar a iniciativa da pressão alta aos adversários. É uma situação que urge corrigir, sob pena de começarmos a repetir dissabores passados, mesmo em nossa casa. Por essa razão, as linhas do meio-campo começaram o jogo muito recuadas dos avançados e só a partir dos 10 minutos conseguiram contrariar as ofensivas do adversário.

A partir daí, o FCPorto conseguiu realizar um jogo interessante, sem ser propriamente brilhante, com o fabuloso Aboubakar, o empenhado Varela em conjunto com Danilo e posteriormente André André, a fazerem a diferença. Destaque também para Casillas, que não sendo muito solicitado cumpriu quando lhe era exigido.

Uma victória justíssima, mas com muito coisa a corrigir. 

2 comentários:

Anónimo disse...

Sim um pouco melhor, mas, pouco ou nada alterou. Não vale apena insistir muito porque Lopetegui não sabe jogar de outra forma, às vezes até é irritante ver tantos passes e com o terreno aberto para subir.
Vamos aguarda, já no próximo jogo na Madeira o bailinho vai ser outro, e, com tantas más recordações da época transacta.

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

Pois é, na Madeira o bailinho vai certamente ser outro... Se Lopetegui não conseguir conciliar o seu sistema de jogo com os avançados a exercerem pressão alta desde o início do jogo (sobretudo quando joga em casa), então vamos dissabores.

É que, a defesa do FCPorto treme quando apertada e tem tendência a desorientar-se quando são os adversários a pressionar. Isso é público e notório, só não vê quem não quer. Ou se corrige isto e podemos ser felizes, ou de pouco nos poderá valer a posse de bola. Vamos seguramente encontrar equipas mais agressivas, faltosas mesmo, com a tradicional complacência dos árbitros, e é com isso que temos de contar.