06 julho, 2016

Do nacionalismo bacôco à propaganda vermelha


Resultado de imagem para equipamento selecção portuguesa 2016

Hoje, a selecção lisbonária vai jogar o acesso à final do Campeonato Europeu de Futebol. Podia chamar-lhe nacional, só que seria errado e patético. Por mais que simulem, por mais que tentem convencer-nos que há verdadeiro nacionalismo na comunicação social, quando aproveitam a ocasião para promover os jogadores do Benfica e ofuscar a importância do único portista (actualmente, Danilo), nunca me renderei a esta "causa". Durante todo o percurso da dita selecção, tudo fizeram para influenciar o povo e o próprio seleccionador na escolha do grupo que acabou por se constituir. Não estão aqui em causa os critérios do seleccionador nem os próprios jogadores eleitos (não são estes últimos que se auto-seleccionam), nem tão pouco a qualidade do futebol produzido, que em abono da verdade não é dos mais atractivos. O que está em causa é a desonestidade moral e intelectual dos mesmos de sempre: os pasquineiros, erradamente tratados como jornalistas. 

Os leitores sabem tão bem quanto eu, a publicidade sufocante feita ao actual menino querido do nacional-benfiquismo, Renato Sanches, de seu nome. Não é o moço que para aqui é chamado, que até me parece bom rapaz, e bom jogador. É a projecção que à boleia deste jogador querem dar ao Benfica. Só os portistas, e as pessoas realmente honestas, sabem que isto é indiscutivelmente real. E não é só com este jogador, é também com aqueles que, jogando agora noutros clubes estrangeiros, passaram antes pelo Benfica. Os elogios são mais que muitos. Foram eles, aliás, que inventaram os "Génios" da bola. Do falecido Eusébio (também gostei deste jogador, e da sua simplicidade tão antagónica ao Benfica), ainda se podia compreender a propaganda, apesar do exagero Panteão Nacional.. Mas o João Pinto? O Chalana? O Rui Costa? Génios? Só na cabeça deles. Foram bons jogadores, sim senhor, mas ao nível deles, e até superiores, também o FCPorto teve muito jogadores, e no entanto, não lemos nem ouvimos daquela seita mafiosa a mesma terminologia e publicidade.

Quando se trata de jogadores (ou, ex) do FCPorto, a terminologia é substituída preferencialmente pelo silêncio, ou então pela crítica feroz. "Normalmente", os defesas do FCPorto eram (e segundo eles, serão sempre) todos caceteiros. O Bruno Alves já não está no Porto, mas ainda tem esse rótulo. O Pepe, também foi brindado com estes piropos, mas agora, como está no Real Madrid, e na selecção, já não lhe poupam elogios. O Maxi Pereira fartou-se de dar porrada a sério no Benfica e ninguém por aquelas bandas mediáticas (e alguns, destas) abriu o bico para o criticar. Chegou ao FCPorto, e levou mais cartões em meia dúzia de jogos que durante as 7, ou 8 épocas que esteve no Benfica. É desta mentalidade impostora e facciosa que não gosto. É deste postiço sentido pátrio que tenho repulsa, vergonha mesmo de ser português. Com esses, nunca estarei. Estarei sempre, sempre contra eles. Nunca os apoiarei em circunstância alguma. Eu, tenho memória, ao contrário do que parece ter acontecido com o presidente do FCPorto...

Mas, como aquele conjunto de atletas não tem voto na matéria nestas coisas (enfim, não têm mas deviam lutar contra esta discriminação), não pularei de alegria se logo formos eliminados. Mas, para que conste, se o País de Gales passar, não ficarei muito triste, porque, a par da Islândia (menos madura que o P. de Gales, mas de uma dignidade invejável), foi a selecção que mais gostei de ver jogar neste Europeu. Mais do que a própria Alemanha!

Por isso, que ganhe o mais competente.
  

9 comentários:

marujo88 disse...

Assino por baixo e podem chamar-me traidor à pátria que eu não me importo.
Abraço
Manuel da Silva Moutinho

Rui Valente disse...

Caro Manuel Moutinho,

traidores e separatistas são eles. Há como prová-lo, com calendarização e tudo. De resto, diz o ditado que vozes de burros não chegam ao céu. Talvez um dia paguem pelo que andam a fazer. Nunca se sabe, apesar de Portugal.

Um abraço

Fernando Pinto disse...

Caro Rui Valente

Nos meus 65 anos de idade e, pelo menos, 58 de Portista consciente e convicto, sei bem do que fala e subscrevo na íntegra.

Um abraço Azul e Branco

Anónimo disse...

A CS anda para onde mais lhe convém. Se dá Renato eles falam de Renato.
Acabam por não conseguir unir o pessoal com esse tipo de coisas.

Anónimo disse...

Jogador treinador: Cristiano Ronaldo, o Santos é o Bétinho dos Tiques, basta ver as imagens e ver quem manda, já não é de agora, que o diga o Queiroz o P Bento e o Mourinho...
Quanto ao miúdo prodígio e a sua técnica de trapalhão e corredor de cem metros estamos falados, vai crescer acredito, mas...
É uma alegria e estou contente, mas quando ouço estes espinafres comentadores de bola de trapos, logo fico triste de tanta estupidez.

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

O que é de louvar, é a noção realista que F. Santos tem do plantel. Não sendo mau, tem bons jogadores, mas sem as características ofensivas de muitos dos seus rivais (exceptuando Ronaldo). Por isso, sem ter produzido um futebol bonito nem muitos golos, F.S., esteve táctica e estrategicamente bem. Nos primeiros jogos, a equipa não conseguiu ganhar mas também não perdeu, e nos prolongamentos que levou ao desempate por penalties, os jogadores portaram-se à altura.

Veremos se a estratégia basta para ultrapassar os tubarões que nos esperam (Alemanha, ou França), duas equipas técnica e fisicamente muito poderosas. Como disse antes, fiquei contente, mas não pelas mesmas razões patrioteiras dos media do nosso descontamento.

O patriotismo pressupõe orgulho, quando quem governa o país trata bem os seus cidadãos e com igual respeito, seja ele do Norte, do Sul ou do Centro, em que área e contexto fôr.

Eu, como já disse, não me revejo nesta farsa pirosa. Por isso, os m/ parabéns ao treinador e aos jogadores, todos. São portugueses, mas não são uma selecção para todos os portugueses, como estamos cansados de saber.

Mas atenção: sendo a alegria legítima, o excesso festivo que por aí vai é prematuro, porque (como diz,e bem Ronaldo), ainda não ganhámos nada...

jorgemrm disse...

Caro Rui Valente,

Acompanho o comentário do prezado portista Fernando Pinto, apenas uma pequenina diferença : tenho menos 1 ano de idade e menos 1 de portista. Sinto- me totalmente identificado com o texto do artigo. Um grande abraço desde a Catalunha, depois do Porto a minha Pátria. Jorge Monteiro

Julio disse...

O Engenheiro do nosso Penta, tão incompetente, que nos roubou o Hexacampeonato... A favor dos Lampiões Boavisteiros!!! Pinto da Costa, teve que despedir, o Senhor Engenheiro, tinha uma outra sanha, Pinto da Costa, pois não se pode pedir aos jogadores, que como dizia Pedroto, "comessem a relva", quando, actualmente, este dirigista é tão fraco...
Atrevo-me a chamar-lhe venável: não viu, no Jogo da Taça de Portugal o André Silva... Excelente piada. Então uma selecção, com os meios que tem, não mandava olheiros a toda a época, decidia, com o incremente do André Silva, as qualidades que tinha, mas, ponta de lança, ia destruir o médio-campo sportingista, quando era um verdadeiro ponta de lança, enquanto o Éder, mais não é que um simulacro, raramente usado?
Acusam os Portistas de só verem o Clube, não a Selecção... Pudera, este Eng.o, por motivos que nem serão, eventualmente seus -- também, talvez por Empresários, mas certamente pela maldita Portofobia -- mas com uma Selenão inamistosa, contra quqalquer contra quaisquer jogadores, valorosos, do Porto.
Abraço Rui Valente. E a todos os Portistas que se prezem. Afinal o Luís Filipe Vieira, sócio do Benfica, do Sporting, é-o também do Clube da Cidade Invicta!

Júlio Soares

Anónimo disse...

O dia D é amanhã, gostaria que fossemos nós a trazer o caneco, mas não fico doente se não acontecer. O que me irrita para alem da algazarra balofa de patriotismo, são alguns comentadores mixordeiros de clubite cronica a dizer quem joga quem não joga e a dar palpites como se fossem uns sapientes da matéria.