22 agosto, 2016

Benfica, o clube que nos envergonha, e dá repulsa

Ainda a procissão vai no adro, e os vermelhos já começam a pressionar os árbitros. A fazer côro com os queixinhas, como não podia deixar ser, junta-se a comunicação social mais desonesta e desavergonhada do planeta. Bastou um empate em casa para colocarem em causa a seriedade dos árbitros, provando a quem ainda acredita no Pai Natal, a profunda falsidade da sua mentalidade.

Nestes anos recentes são conhecidos pelo clube do colinho com perfeita propriedade, tão desaforada e decisiva foi a ajuda dos árbitros na conquista dos últimos (3) campeonatos. Isto, independentemente do desmazelo administrativo dos responsáveis do FCPorto e das asneiras daí decorrentes. O que chega a ser revoltante, é sabermos que a grande maioria (senão todos, mesmo), dos membros do Conselho de Arbitragem e sucedâneos, foram escolhidos a dedo pelo clube do fado (das tascas, dos chulos, ou do regime, se quiserem simplificar). 

Claro que a postura de silêncio, do no coments, adoptada em má hora pelo FCPorto há uns anos para cá, ajuda-os a pensar que a estratégia das queixas às arbitragens nos faz esquecer as declarações públicas bajuladoras sobre as mesmas que durante estas últimas épocas lhes permitiram ganhar 3 campeonatos seguidos. Mas não faz, apenas robustece a matemática das nossas convicções no que respeita a sua idoneidade. Qualquer criança percebe que toda esta ansiedade de começar, logo à 2ª. jornada, a criticar o árbitro, não é mais que um aviso à navegação aos árbitros dos jogos que se avisinham. É um modo indirecto de lhes dizer: vejam lá, nós não admitimos que nos deixem empatar em casa própria, por isso, ponham-se finos. E eles, podem disso estar certos, vão afinar, obedecendo. 

Ora, como eles conseguiram (vamos lá saber porquê) amordaçar o nosso Presidente e o resto da SAD, mesmo que o FCPorto jogue o suficiente para ganhar, ninguém pode impedir um mafioso de o ser, quando sabe de antemão que o crime compensa, que tem as costas quentes, ou seja, que pode prejudicar o FCPorto (e outros clubes) à vontade, porque as televisões do regime se encarregam de "provar tecnologicamente" e com muita banha da cobra à mistura, que o branco não é branco, é a côr que eles quiserem que seja...

É este o país em que vivemos. Só poderá mudar no dia em que lhes provarmos que a paciência e a tolerância têm limites, e esses limites já foram ultrapassados vezes demais.
      

1 comentário:

Artur Matias disse...

Pqp a mordaça. Deve ser mesmo chantagem à moda de leste.