07 janeiro, 2017

Sobre o jogo jogado e esquecendo o árbitro...

... chega-se à triste conclusão que não temos equipa para lutar pelo campeonato. Não me lembro de ver o FCPorto ter equipas tão previsíveis e fáceis de controlar como esta e as dos últimos 3 anos. O futebol praticado é por demais previsível e lento para surpreender os adversários. Os jogadores continuam a cometer muitos erros. 

Há um hábito que define as dificuldades dos nossos jogadores para provocarem desiquilibrios, que é jogarem com frequência de costas para a baliza adversária muitas vezes ainda no seu meio campo, o que os obriga a rodar para ver a quem devem passar a bola com o risco de a perderam por terem logo atrás um adversário para a roubar.

Por outro lado, e apesar das muitas correrias, para trás e para a frente, da posse de bola e do jogo afunilado, não se vêem desmarcações rápidas, o que facilita igualmente os defesas contrários. Acresce, evidenciar-se outra vez uma grande falta de confiança na concretização. Os jogadores quando chegam junto da áera adversária fazem-mo com tanta ansiedade que, ou não acertam na baliza, ou acertam nas pernas do adversário, ou enviam a bola para as mãos do guarda-redes. Sinal dessa ansiedade, é o maldito vício de colocarem as mãos na cabeça logo após efectuarem os remates. Estes gestos traduzem sobretudo uma manifesta falta de confiança e com um grande inconveniente, que é transmitir a negatividade ao resto da equipa (e até a nós, espectadores).

Que diabo, pelo menos que o NES saiba acabar com essa tremideira das mãos na cabeça, própria de perdedores, porque isso só é tolerável em jogadores que raramente falham, o que não é o caso dos nossos, infelizmente.

Como só vi o jogo a partir dos últimos 10 m da 1ª. parte, não sei se o árbitro deu as fífias a que estamos habituados, mas, por aquilo que vi, não foi por ele que não ganhamos. Por último, falta muita maturidade à equipa, falta-lhe sentido de oportunidade, enfim, aquela ratice dos grandes jogadores. 

Do treinador, só digo que estou cada vez mais decepcionado, tal como estou com o presidente.

5 comentários:

Anónimo disse...

Rui Valente, a equipa pode não ser grande coisa, aqueles miúdos não têm sangue frio para fazer golo, mas o treinador NES é um barrete que vamos ter que levar com ele não sei por quanto tempo, já não consigo ouvir a criatura.
O treinador não arrisca nada, joga de bagar de bagarinho à espera que o golo aconteça, o futebol do Porto é tão previsível que qualquer mija na escada nos faz a vida negra. Sinceramente tenho falado com vários treinadores e ninguém gosta do futebol nem da conversa deste fulano.

Quanto ao presidente estamos falados, neste momento é um empecilho no FCP, não vamos ganhar nada, simplesmente nada, enquanto ele estiver no FCP. Economicamente a fundou o FCP, já não consegue vender, comprar muito menos, é o que se diz na gíria um zero a esquerda.

Abílio Costa.

Anónimo disse...

COSTA DO CASTELO.
Meu FCP quem te viu e quem te vê.
Quem tem um presidente como este um treinador pobre de ideias e pouco ousado, jogadores de aviário, um Clube como o Pedro Cem que já teve e agora não tem, nós sócios estamos num sofrimento profundo à espera de um Dom Sebastião que não chega.

rbn disse...

7 metros de largura por 2,35 metros de altura.
Eis o que costumamos chamar de baliza, que é o principal objetivo de um desporto chamado futebol.

Já lá vão 270 minutos e não há um sacana vestido de azul e branco que consiga enfiar uma bola dentro de 7 metros de largura por 2,35 metros de altura em 200 mil remates por jogo.

O que será que o Nulo Espírito Santo anda a fazer nos treinos que não consegue fazer com que o ataque consiga enfiar uma merda de uma bola em 7 metros por 2,35???

Eu já perdi a fé, sinceramente.
Não consigo perceber o fato de termos necessidade de gente pra marcar gols e emprestarem o Paciencia, que não deve ser pior que aquele belga nem nunca teve segundas chances como evandros, varelas e outros, ao Rio Ave.
Não consigo perceber o fato de Herrera ainda jogar no Porto, e pior, ser capitão.
Não consigo perceber o fato de Nulo espírito santo, ao invés de colocar toda a carne no assador, em 90% dos casos reage tarde, em más horas e com as piores opções.
Há muitos mais fatos que não percebo, se fosse enumerá-los, era preciso 50 comentários no mínimo...

Temos de ser realistas, o boifica, pra além dos colinhos, tem para cada posição 2 jogadores que dão garantias, tem um treinador que mesmo com uma carrada de lesionados e castigados, não reclama e coloca a equipe pra jogar bem ou mal, e o mais importante:tem 4, eu disse 4 pontas de lança que basta uma ou duas chances que eles metem lá dentro.
Ontem em Guimarães, em apenas 6 remates, marcaram 2, nós em 22 remates, NULO!!!

É certo que contra nós, os guarda-redes adversários fazem a exibição da época, os centrais defendem tudo e mais alguma coisa, os gajos do meio-campo quase não erram passes e os avançados quando lá vão, é sempre perigo de gol.

Mas o que me intriga é: entra ano, sai ano, entra treinador, sai treinador, entra jogador, sai jogador e a merda é a mesma...

Anónimo disse...

" E para além dos arbitros" ... como dizia oJOGO temos o "problema interno"...

mas já agora:

http://misterdocafe.blogspot.be/2017/01/os-protegidos-do-apito.html

Ficçao ou realidade ( escrito há alguns meses pelo JC) ??

Zé da Póvoa disse...

Com efeito os nossos avançados são demasiado jovens, tendo grande potencial não são jogadores feitos e isso fica bem evidente nas suas performances.Mas o que mais me surpreende é ver um jogo em que há 14 cantos e dois livres próximos da área a nosso favor sem que daí tenha surgido uma única oportunidade de golo.Todos esses lances morreram nas mãos do GR ou perderam-se pela linha de fundo sem qualquer perigo para os nossos adversários! Que é que anda lá o treinador a fazer? Só é bom a fazer desenhos?