14 julho, 2017

Grandes cabrões!


'Opinião dos que acham tudo mau, ou de tudo esperam o pior'. É mais ou menos isto que traduz o significado da palavra "pessimismo" em vários dicionários de português. Contudo, em nenhum deles encontramos qualquer sinónimo a "pessoas que duvidam da palavra de vigaristas, e das suas promessas". Essas, não são pessimistas, são gente atenta, previdente e realista, pouco virada para regressar à infância, ou acreditar no Pai Natal. Só os políticos, os ingénuos e os vigaristas chamam a essas pessoas pessimistas, o que é sintomático...

Foram frequentes os artigos que aqui escrevi sob o tema da Democracia e da Liberdade. Em todos eles enfatizei o meu cepticismo sobre a fiabilidade de ambas, numa sociedade sem respeito pela ética e pela Lei, como é o caso de Portugal. Para mim, que devia ser pessimista mas que ainda consigo elogiar pessoas e suas obras e virtudes, há muitos anos concluí que vivo numa falsa democracia. Isto, não é pessimismo, é convicção inexorável e intelectualmente verossímil! Salazar, foi um ditador, mas tinha uma virtude: nunca o ouvi dizer que era democrata... Se o disse, nunca o ouvi. Hoje, pratica-se a ditadura e chamam-lhe democracia, que é o pior  modelo das ditaduras. Isto, não é pessimismo, é uma realidade.  

Podia agora desencadear um repertório de casos onde figuras com cargos políticos e públicos de prestígio se notabilizaram por actos criminosos repulsivos, ou de simples cidadãos fugazmente destacados por grandes gestos humanistas, mas não vale a pena. 

Todos nós sabemos a balbúrdia que grassa no nosso país. Recordar a morte recente de 64 pessoas, ou o desmazelo do atol de Tancos, só é imperativo pela gravidade das duas ocorrências, mas nem sequer era necessário, porque os Sócrates e os Passos Coelhos desta vida e todos os que ainda lhes lambem as botas bastam para uma retrospectiva do que foram os 'governos' de ambos entre 2005 e 2015. 

Não me orgulho de aqui ter  nascido e vivido a maior parte da vida (embora adore a minha cidade). Nada. Hoje, arrependo-me de não ter fugido à guerra do Ultramar quando nem sequer precisava de fazê-lo. Este país não o merecia. Os impulsos da juventude pagam-se caros... Para mim, não importa ganhar campeonatos de futebol, seja do meu clube ou da selecção (que agora nada me diz). O Ronaldo é português, mas não é Portugal, assim como José Mourinho, ou Lisboa. Nada destas pessoas e desta cidade importam para me sentir abrangido por um sentimento onde a comunidade não entra. Ronaldo e Mourinho foram bem sucedidos nas sua vida pessoal. Ponto. O mérito é deles, e o orgulho também.

Agora, falar do orgulho de um país é uma coisa mais séria, mais  abrangente. É um amplo e deversificado conjunto de casos de sucesso com benefícios de ordem vária para toda uma comunidade. Aí sim, pode caber o orgulho nacional. O resto, é (desculpem-me dizê-lo) folclore politiqueiro para distrair o povinho e "credibilizar" um país dominado por um clube de futebol e meia-dúzia de grupos ligados à comunicação social, com ideias e interesses verdadeiramente desagregadores. 

Bastou ao actual Governo mudar de ideias na decisão da escolha da cidade para a candidatura à EMA (Agência Europeia do Medicamento), para esses cabrões de merda saírem a terreiro conjecturar previamente desgraças e insucessos por ter vindo para o Porto. São mesmo estrangeiros estes gajos! Estrangeiros perigosos!

Que viva Espanha! É de Lisboa que sopram os ventos divisionistas. Para mim, vale mais um galego que mil centralistas juntos. Cabrões!    

PS-Hoje, apetece-me dispensar o politicamente correcto...Estou saturado desta gente. 
Além disto, o Porto Canal em vez de dar relevância ao inquérito feito supostamente na Agência, devia também condenar a sua divulgação dado efeito negativo que pode dar à candidatura do Porto. Também podia convidar um comentador idóneo para falar sobre este assunto, mas nada...
Curioso, ou nem por isso (sabendo do que a casa gasta), é que o inquérito apareceu imediatamente após a mudança da escolha do Governo, o que me leva a duvidar dos propósitos do presidente da APIFARMA. 

Cabe portanto à Comissão Europeia avaliar e decidir as várias candidaturas, pelo que a suposta opinião dos funcionários da EMA não conta para este totobola.


7 comentários:

zeportista disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Felisberto Costa disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Rui Valente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Guilherme de Sousa Olaio disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Rui Valente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.