16 setembro, 2019

Um domingo de sorte...

Houve um esforço final, é verdade, mas a sorte não o traiu


Afinal, alguns dos atletas que estavam em dúvida, acabaram por entrar em campo, e jogaram. Estas coisas acontecem, mas, na minha opinião, deviam evitar-se. Cheguei à conclusão que Sérgio Conceição prefere espremer até ao limite o esforço físico dos jogadores que lhe dão mais garantias, a alterná-no com outros mais frescos. É uma opção legítima, mas de risco elevado que já nos custou caro. Marega, e Aboubakar que o digam (só para falar nestes dois).  Alex Telles foi um herói, conseguiu aguentar-se muito tempo, mas não resistiu aos excessos de uma titularidade incondicional. Se juntarmos a este hábito do treinador, outros, igualmente perniciosos, como  o de reagir tardiamente, quando a equipa dá sinais de relaxar, temos um cocktail altamente perigoso.

Foi o que sucedeu no jogo de ontem, com o Portimonense. Talvez a entrada de Nakajima não tenha sido feliz, mas a decisão foi algo tardia (faltavam poucos minutos para o fim do jogo), nunca é um estímulo para o atleta, é quase um SOS, um "resolve tu", e o resultado foi o que se viu. Quem me conhece, sabe que não sou daqueles que me atiro aos treinadores quando algo corre mal. Gosto de lhes dar tempo, assim como aos jogadores, para mostrarem o que valem. Mas, há limites. Sérgio Conceição devia ter mexido na equipa logo, assim que sofremos o primeiro golo, para evitar que o adversário crescesse, e os nossos entrassem em "pânico", como veio a acontecer. Se o 1-0 é um resultado perigoso, o 2-0 é traiçoeiro, porque pode induzir ao relaxamento.

Este ano entraram alguns reforços de qualidade, e mesmo assim, nem todos parecem ter agradado ao treinador, o que é um tanto incompreensível, visto ter dado o seu aval à contratação, por exemplo, do argentino Saravia (que não tem jogado). Depois, continuamos a ter no plantel um grupo de jogadores interessantes, mas com limitações técnicas antigas. Danilo é um deles. É aplicado, por vezes eficaz, gosta de jogar, mas continua a ter grandes dificuldades em rematar, tanto com o pé, como com a cabeça. Assim por alto, em 10 oportunidades, acerta uma na baliza. Sem pretender ousar substituir-me a Sérgio Conceição, acho que algumas das dificuldades técnicas dos jogadores podem ser perfeitamente corrigidas com treino específico. O caso de Danilo é paradigmático. Vejamos: ele procura o golo, quer mostrar serviço, mas não tira daí muito proveito, porque não faz o movimento certo para ter sucesso. Remata com a cabeça frequentemente, mas quando salta, raramente consegue elevar a cabeça acima do nível da bola, e quando é assim não pode dar a direcção correcta à cabeça, ou seja, imprimir-lhe o movimento descendente (de cima para baixo) e a força necessária. Isso explica porque é que a bola sobe sempre demais. Com os pés, passa-se o mesmo. A bola sobe demais porque, ao abordá-la, ou é o tronco que não leva a inclinação para a frente, ou é o peito do pé que faz levantar demais o esférico raspando-o pela base. Estas coisas dependem do jeito de cada um, é natural, mas são perfeitamente aperfeiçoadas se os treinos forem regulares e de acordo com a habilidade específica de cada jogador.

Resumindo: ainda há muito para corrigir. O treino não pode ser apenas uma rotina, tem de responder às dificuldades técnicas que um conjunto de jogadores não consegue dominar. O Ronaldo ainda goza da reputação de "o melhor do mundo", e nem sequer é pelas suas qualidades técnicas genéticas, é pela sua pertinácia de querer sempre fazer melhor. E treina sozinho, muitas vezes... E é isso que mais admiro nele. Messi, é naturalmente mais evoluído, parece uma máquina de carne e osso, mas o Ronaldo tem uma força de vontade que Messi não tem, e supera-o nos resultados. Ora, não é isso que o FCPorto precisa, mas podia servir de inspiração ao treinador do FCPorto para ensinar os jogadores menos assertivos.

Quanto ao jogo de ontem, é para não esquecer.

8 comentários:

Anónimo disse...

Na minha opinião, o Danilo não tem obrigação de marcar muitos golos, pois é um médio defensivo. É um jogador que eu aprecio muito.
Outro jogador que eu admiro é Madi Queta, não percebo porque não é aproveitado dando descanso a Marega (condenado a jogar sempre os 90 minutos).
Relativamente ao jogo de ontem, é assim que se perdem e se ganham campeonatos.
Quanto a Nakajima, ele é bom jogador, mas tem de jogar mais vezes.
Com a expulsão de Alex T. tenho a esperança que Manafá se fixe como defesa esquerdo, Tomás Esteves como defesa direito e Corona como extremo direito.
Finalmente, SC voltou a passar-se e continua a ser, um foco de instabilidade, de nervosismo e de ansiedade para os seus jogadores. Mais do mesmo.

Luís (O MEU, O TEU, O NOSSO FCPORTO)

Rui Valente disse...

Luís,

Não se trata de uma obrigação. Todos os jogadores (até os guarda-redes) devem saber chutar, porque o futebol é basicamente um desporto praticado com os pés. Como é natural que um ponta de lança, ou os extremos, tenham mais apuradas essas valências. E o que aqui está em causa é a importância de todos saberem chutar. Não sendo assim, reduzem-se as oportunidades de marcar golos.

Roque disse...

Temo que o Danilo neste momento seja chão que já deu uvas.
Precisávamos de um médio defensivo que pelo menos varresse tudo como Fernando e Paulinho Santos o fizeram em tempos, ou então que se posicionasse bem a defender e atacar, matando jogadas adversárias e acionando contra-ataques como Paulo Assunçao por exemplo.
Neste momento Danilo não é uma coisa nem outra. Raramente resolve algo e denota ser muito pouco decisivo a defender e a atacar dentro do plantel. Não foi por acaso que tivemos a nossa melhor fase de meio campo defensivo e construção exatamente quando ele saíu por lesão e ficaram Sergio Oliveira e Herrera a fazer dupla.
Por isso tenho pena que não se tenha investido noutro jogador para o lugar dele e o deixassem ir para outras paragens.

Soren disse...

O grande problema do Danilo é não saber fazer um passe. Na 1a fase de construção quando o trinco não sabe passar uma bola... É fatal para equipa.

Nos dias em que ele engata e define bem os passes, como no caso do jogo da selecção na Sérvia, o jogo do equipa sobe imediatamente de nível. Pena é que esses jogos são a excepção. No resto é um trinco forte que cumpre e equilibra bem a equipa. Precisávamos de outro medio do nível do Uribe para ficar com um meio campo "europeu". Para já é o que temos. E já veio tarde e a más horas.

Soren disse...

Quanto ao Sérgio mais do mesmo. Não se sabe controlar. Aquilo que ele fez ao Nakajima fazia em privado ou no balneário se achasse que o grupo ia lucrar com isso (duvido). Ainda por cima o gajo é japonês, revela uma falta de cultura e educação primárias comunicar daquela maneira. Aquilo não entra no cérebro de um japonês. Não é assim que se motiva ou se chama a atenção de um japonês.

Sei que o futebol está cheio de labregos mas há limites para a falta de controlo emocional e capacidade de comunicar. Especialmente quando se é treinador do FC Porto. Que lhe dêem umas aulas sobre como comunicar com cada cultura que há no balneario.

O Sérgio pode ser uma excelente pessoa até e tenho concordado com muitas atitudes dele, perante jornaleiros, presidentes de outros clubes e padres. Mas esta está ao nível da agressão no Olival. Como a agressão no Olival não valeu reprimenda da grossa, voltamos a ter episódios destes. Danilo, Nakajima, etc. Aquilo que deveria ser um foco de estabilidade para o plantel, é o contrário.

Rui Valente disse...


Sinceramente, também não aprecio nada os raspanetes em pleno jogo, e com tanta exuberância.

Os japoneses, goste-se ou não (eu admiro esse povo) são orientais. São organizados, mas muito místicos e sensíveis, não obedecem bem a berros.

Não seria mais prudente que o Sérgio mexesse na equipa logo que sofremos o 1º golo? Foi ele que não agiu no momento certo. Foi ele que falhou, é preciso admití-lo, e ele não o assumiu frontalmente.E aquele "as vezes o treinador complica" foi pouco convincente, pouco directo...

Anónimo disse...

Caros,

Concentremo-nos mais no estrutural e não entremos no espírito de telenovela, do superficial!
Agora até o Danilo tem defeitos quando há pouco tempo minguem falava dele....
O episódio com o rapaz japonês está hiper valorizado como se vai ver, tenham calma, respirem!

O SC tem de se concentrar nestas falhas da equipa e de uma vez por todas pôr-se ao nível do clube que representa.....

Eu, assim de momento ocorre-me para além da falta de concentração, terem de trabalhar muito mais que é para isso que lhes pagam salários chorudos!

Abraço a todos!

DB


Rui Valente disse...


Deacon,

Vamos lá ver. Todos nós sabemos que parte (agora menor,é certo) dos jogadores que Sérgio Conceição "herdou", ainda são do tempo de Lopetegui,e outra parte já saiu. Portanto, eram jogadores razoáveis, mas com algumas limitações técnicas. Os defeitos do Danilo não foram descobertos agora, mas isso não invalida que possa ainda melhorar. E quem diz o Danilo diz o Marega, por exemplo. Imaginemos um Marega tecnicamente mais assertivo, com o poder físico que tem, o que não seria?

Há que aceitar as críticas, desde que sejam construtivas. Fechar os olhos à realidade também não ajuda nada.