15 novembro, 2019

Magistrados fogem às responsabilidades, ou desertam?

Resultado de imagem para football leaks: procuradora do caso Rui Pinto abandona DCIAP, avança a Sábado
Rui Pinto o bode expiatório
da corrupção portuguesa

Magistrada Patrícia Barão não pretende continuar no departamento do Ministério Público.
Patrícia Barão, procuradora do caso Rui Pinto, vai abandonar o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), avança esta sexta-feira a revista Sábado.
Na origem da decisão estão três fatores: desmotivação, cansaço e processos disciplinares, os mesmos motivos que levam 15 procuradores a deixar o departamento do Ministério Público (MP).
Patrícia Barão, escreve a publicação, integrava a equipa especial de investigação à corrupção no futebol e que foi responsável pelo processo do denunciante do Football Leaks Rui Pinto, acusando-o, entre outros crimes, de tentativa de extorsão.
Nota de RoP: Por mais que juízes, e procuradores, tentem encobrir o sentimento de cumplicidade contra Rui Pinto, não conseguem. Os cidadãos já não se intimidam tanto com o estatuto das pessoas. Esses, os arrogantes de estatuto, têm de se convencer que para serem respeitados têm de parecer sérios. E têm de o ser, também o parecendo. É sempre um dever em todas as profissões, e obrigatório quando essas profissões estão directa ou indirectamente ligadas à justiça, e à saúde humana.

5 comentários:

Anónimo disse...

ESTADO em estado sítio.
Assim vai a nossa Justiça, ninguém assume nada, há outros Poderes instalados, que sujam a credibilidade de um país de Direito.
Não acredito nesta gente, TENHO MEDO.

A.C.

Roque disse...

É de facto para ter medo!
Pensar que podemos a qualquer momento ser privados de liberdade por um "Manga de Alpaca" qualquer a quem o poder, arbitrário e discricionário, foi dado a troco de quase nada, nem de honra nem honradez, fico a pensar que afinal pouco diferimos daqueles países onde o poder através das polícias e da justiça sem critério é usado para tudo a que os fins justificam a fim de perpetuar a permanência do regime através dos seu algozes.

Rui Valente disse...


Por favor, não falem em medo, porque é esse sentimento que estes cobardes querem provocar.
Isto já não vai lá com "democracias". A democracia é só para povos civilizados, e Portugal
não pertence a esse já muito limitado grupo de países.

Olhem para os catalães e vejam como eles vão para a rua lutar pela independência. E reparem no contraste, entre a Espanha e Portugal. Aqui, é o próprio Estado que anda a fazer tudo para dividir o país, em vez de o unir.

Atentem como estes escroques deixaram de falar da regionalização, assim que terminaram as eleições...

São despudoradamente desonestos. E os partidos da oposição, não são melhores.
Lembrem-se, NÓS SOMOS ETICAMENTE SUPERIORES A ESTES GAJOS, PORTANTO NÃO FALEM EM MEDO, AINDA QUE VOS COMPREENDA.

Roque disse...

Sim, concordo que não se deve falar em medo, mas também é certo que o Medo por vezes desencadeia forças onde era suposto elas não existirem...

Anónimo disse...

PORTO MINHA PÁTRIA.
O MEDO, do Porto e Norte perder a sua historia a sua identidade. Passamos a ser portugueses de segunda, temos menos poder de compra as obras Faraónicas são todas feitas lisboa é um esbanjar de dinheiro. As maiores empresas que venham para Portugal o seu destino é logo o vale do tejo.

Para que serve o anti/regionalista Selfomania PR!? fazer Selfis a toda a hora e todo momento! Já conseguiu ultrapassar o Emplastre da Madalena mais conhecido por o Animal. De um Primeiro ministro que promete trazer para o Porto a Infarmed mentindo com todos os dentes que tem! Não é só de Espanha, de Lisboa "Nem bons ventos nem boas decisões".

A.C.