16 junho, 2011

A RTP odeia o FCPorto, já nem finge...

É um facto, que dispensa o contraditório, que a blogosfera teve [e continua a ter] o grande mérito de permitir a imensos cidadãos, expressarem as suas opiniões sobre o mais variado tipo de assuntos, de forma muita mais democrática e livre, do que qualquer órgão de comunicação social. A web, através dos sites, blogues e redes socias, é sem dúvida uma ferramenta preciosa para as populações que  nela encontram a janela de liberdade que  jornais e  televisões apenas reservam a uns quantos, e mesmo assim, obedecendo a um sofisticado crivo de censura a que eufemisticamente chamam, critérios editoriais. 

Apesar disso, a Net ainda não entra na casa de muitos portugueses, sendo o grupo etário dos mais idosos, aquele que menos familiaridade tem com o uso das novas tecnologias, independentemente dos recursos materiais de cada um. Não sei se existem dados fiáveis sobre esta realidade, mas a percentagem de pessoas sem acesso à Net deve ser ainda muito elevada.  Suponho que esta situação pode explicar, em parte, a leviandade com que alguns media continuam a fazer notícia, dando prioridade às audiências, em prejuízo da qualidade informativa que, por respeito ao público deviam sempre preservar.

Este assunto da Comunicação, é a par da Justiça, aquele que mais me preocupa enquanto cidadão, e que mais gosto tenho em abordar. E, por quê? Porque não tenho dúvidas em afirmar que na génese de muitos problemas do país - alguns até, que acabam, desnecessariamente, nos tribunais -, está um péssimo trabalho jornalístico. Ressalvando aqueles casos pontuais, muito respeitáveis, onde certos jornalistas arriscam a vida em plenos palcos de guerra para desenvolver o seu trabalho, o jornalismo de estúdio contém uma componente excessiva de sensacionalismo, não raras vezes, distorcida da realidade.

Continuo na minha, sem perceber o papel efectivo das entidades reguladoras para a comunicação, que, com tanto trabalho sério por fazer, resumem a sua actividade a casos irrelevantes e praticamente não se fazem ouvir. Quem é, afinal, que decide sobre o destino a dar aos organismos [há imensos] reguladores quando estes são ineficientes? O Governo? E se o Governo segue o mesmo caminho? Quem tem legitimidade para obrigar o Governo a cumprir o seu dever? O Povo, seu representado? Quando, e em que condições? Cada quatro anos, nas eleições? Pois, meus caros, são estas "normalidades" que estão a transformar a Democracia numa caricatura, e a contribuir para, pouco a pouco, moralizar os amigos do antigo regime. Estranhamente, não vejo estes temas serem tratados com a frequência desejável, noutros espaços de cidadania, mesmo que extrapolando o âmbito específico da respectiva linhagem. Por que será?

Foi por, pela enésima vez, ter assistido a mais um lamentável acto de mau jornalismo que voltei a este tema. Hoje, a RTP, sim a estação do Estado, aquela que devia representar-nos, sem arbitrariedade,  voltou logo pela manhã a dar destaque a um não assunto, retomando a história de um suposto jantar de Pinto da Costa com  os árbitros [quem mais havia de ser] que apitaram o jogo do FCP com o Villareal para a Liga Europa, mesmo depois de este ter desmentido veementemente o rumor e de  indicar testemunhas.

Estes métodos pidescos seguidos pela RTP, são recorrentes e, continua a não haver uma entidade, ou personalidade, que se digne vir a público pôr fim a esta pouca vergonha, antes que as consequências degenerem para a violência. O Presidente da República, faz como o macaco: não vê, não lê, nem ouve. O Procurador da República, também não. De que estão estes cavalheiros à espera para actuarem? Quanto mais não fosse, uma palavra, um simples apelo à moderação, sempre podia servir de travão a estes constantes impulsos de ódio por parte da Direcção da RTP, cujo comportamento se assemelha em muito à máquina de propaganda nazi.

Era nestes momentos que gostava de me encontrar cara a cara com algumas figuras públicas para lhes perguntar se em casa não vêm televisão, e se é com base nestes repugnantes exemplos de mau jornalismo que defendem a manutenção da RTP no Estado, por [cito] garantirem qualidade ao serviço público.

Decididamente, desprezo estes políticos. Querem o meu voto? Está bem, tê-lo-ão. Mas primeiro, e se ainda forem a tempo de se regenerarem, aprendam a ser sérios, e a seguir, competentes. Depois, conversamos.

Nota do autor:
Não sou responsável pela eleição de nenhuma das actuais figuras públicas nacionais, incluindo o Presidente da República. Nem do governo do Sócrates. É só para não ter de ouvir que a responsabilidade pelos maus governos é de todos nós... Minha, não é!

8 comentários:

zeportista disse...

Caro Rui
Infelizmente não é só a RTP ,embora esta e "apenas" por ser publica devia ser mais isenta ( e quanto a mim é apenas a mais facciosa ) pois que dá ideia que é mais um canal do Clube do Regime.Por isso é que raramente vejo esse Canal.
Só falam e dão destaque ao FCP por estes motivos....Até no dia da crinça segundo li a RTP foi ao Estádio do Regime....Nós sabemos bem o que eles são.....
Um abraço

Rui Valente disse...

Caro Zéportista,

as estações privadas também têm códigos deontológicos que deviam respeitar. Mas, deixou-se [mal]instalar na sociedade a ideia de que o que é privado está isento de responsabilidade. Resultado: o Estado ainda faz pior, o que revela o baixíssimo nível da classe política.

A SIC, é privada, e das estações de TV mais ordinárias, e, no entanto tem como patrão supremo um dos fundadores do PSD e ex-1º Ministro: Pinto Balsemão.

O que é que podemos esperar do país com gente desta igualha?

Victor Sousa disse...

estes são comportamentos que tem a ver com a probidade dos responsáveis da informação. Aqui no Porto ninguém tem dúvidas do que é aquela redacção.
Também ninguém tem dúvidas da "linha editorial, e o seu porquê.
Ainda há dias o ênfase era dado ao comunicado do Benfica, e não às buscas da Polícia.

Neste país de ópera bufa, qualquer coisa vale. Quando estiver ocioso, faço uma carta anónima, e a Justiça vai logo a correr investigar. Se o Pinto da Costa for o visado, claro.
Isto é tão triste, que até dá pena.

Anónimo disse...

De onde é o centro de decisão desta corja!? Lisboa. Aliás como tudo que há resolver neste país.
Eles querem lá saber se de Norte a Sul é o povo que os sustenta.
Lá dentro, está cheio de Abutres vermelhos.
Para agradar ão chefe e ao clube do regime, só sabem denegrir a imagem das pessoas do clube e da região.
Isto é o centralismo colónianista
a que já nos habituaram após o 25 de Abril.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO.

condor disse...

Esqueçam meus amigos!Esta pouca vergonha só pára quando conseguirem colocar o clube do regime no topo,ainda que de forma artificial!
Isto só é possivel acontecer num país de faz de conta habitado por um povinho ignorante e estupidificado!
O DIAP aqui do Porto vai investigar!Faz muito bem!O benfica quer o benfica tem!
Interrogam-se várias testemunhas!Interroga-se Pinto da Costa!Gasta-se o dinheirinho do povinho com estas "diligencias",os benfiquistas salivam de satisfação!
Por fim absolve-se o reu porque é provado que o homem jantou mas não com o árbitro!Só se fosse doido depois de saber na merda de país onde vive!
E o que é que fica na memória dos tugas?
Fica que Pinto da Costa nessa noite jantou com o árbitro do jogo em que cilindrou o Villareal!
Mais uma conquista explicada pelas mentes brilhantes que pululam por este esterco de país onde tive a má sorte de ser parido!

Rui Valente disse...

Condor,

o seu país, nasceu no Porto. Por mais que os nacionalistas de pacotilha tentem ignorá-lo, o país fez-se de Norte para Sul, e não o contrário.

O Porto está, é muito mal frequentado... Não tarda nada, ainda vão alterar a História. É só deixá-los à vontade.

zeportista disse...

Caro Rui
Mas eles até a "história" já invertem. Concerteza que já reparou como é apresentado a "Previsão do Tempo" na RTP 1 e seus associados????
O que eu quis realçar foi a obrigação de isenção da RTP ser maior que as privadas. Claro que estas também devia ler o Código Deontológico do jornalista....mas têm uma vida tão atarefada ,que não têm tempo....
Um abraço

Zé da Póvoa disse...

O que mais me revolta nesta situação é que ninguém refere quem é que fez a denúncia. Será que existe mesmo?
De resto Pinto da Costa explicou na RTP1 (à Fátima Campos Ferreira)que nesse dia foi jantar ao XIS. Qualquer informação sobre a abertura do inquérito pelo DIAP devia ser seguida dessa explicação de PC que foi pública.
De qualquer maneira isto não dá em nada porque não tem ponta por onde se pegue.