28 dezembro, 2011

Jorge Fiel e o centralismo do Terreiro do Paço

Pode parecer estranho aos leitores o que vou dizer, mas estou a atingir um tal ponto de saturação com certos regionalistas de circunstância, que já nem sei se os prefiro a eles, ou a qualquer centralista assumido.

No artigo que ontem aqui publiquei de Jorge Fiel, ele apontava como "nó do problema" da má governação a incapacidade dos nossos políticos de perceberem os efeitos devastadores de várias décadas de centralismo. Mas tal diagnóstico, peca por simpático. Seria importante começar a dar passos de diagnóstico bem mais ousados, como seja, passar a qualificar tais governantes como são tratados os bandidos de delito comum.

Se a história dos factos obriga a reconhecer que os nossos políticos não têm sido sérios, então é porque  eles não são, de facto, pessoas de bem, confiáveis e cumpridoras. Portanto, ao contrário do que fazem os media , não há motivos nenhuns para se manter a parcimónia, e sim para começar a apontar os nomes aos responsáveis, e dizer aquilo que eles efectivamente são. Já é altura de subirmos os degraus da indignação para níveis mais condizentes com a realidade, quanto mais não seja também para habituar os cidadãos a uma exigência de rigor mais cuidada. Os actos cometidos pelos governantes dos últimos anos ultrapassam os limites do razoável em qualquer regime, sendo duplamente grave quando esse regime é democrático, como dizem ser o nosso...

Não há pois, como sair deste círculo vicioso: o pior dos males de todas as crises em qualquer regime, é a crise de valores, da ética e da verticalidade de carácter, que leva os poderosos a consolidar a ideia [convicção], que o castigo não lhes vai bater à porta. A vigarice é um acto criminoso como outros, que sobe de gravidade na relação directa da importância política e social dos seus autores. Em Portugal, a linha de pensamento é exactamente oposta a esta.

Às televisões, rádios e jornais, são os cumplíces e até mesmo os próprios criminosos, que são chamados a comentar o estado do país. O senso democrático dos media não é tão refinado quanto se possa pensar, não admite como válida a opinião do cidadão comum, mesmo que seja sério e inteligente. Prefere ouvir quem não  deve nem provou merecer credibilidade. Nada disto faz sentido. Nada disto permite consolidar nos cidadãos a confiança no regime democrático. Não são os criminosos que devem ser ouvidos. A culpa, não é mesmo de todos, é dos governantes, da comunicação social, porque é cumplíce, e daqueles que continuam a eleger gente demasiado desqualificada e desonesta para comandar o país.

É líquido e sério afirmarmos que os nossos políticos, não têm sido responsáveis, nem competentes. Mas burros, é que eles não são. E é por sabermos que eles não são burros,  que é anedótico pensarmos que eles não percebem os malefícios que o centralismo causa ao resto do país. O que temos suportado, não são políticos meramente incompetentes, são essencialmente, vigaristas e aldrabões. Gente demasiado mal formada, de baixo nível, de moral inferior à própria plebe. Não podemos mais continuar a falar deles como se de pessoas respeitáveis se tratasse, mas como bandalhos que efectivamente são, e puní-los quanto antes. Não lhes é devido respeito, porque só o respeito partilhado é retribuível, e retribuir-nos o respeito é a última coisa em que eles pensam.

Mas pelo que vemos, não é essa a leitura que os media fazem dessa escumalha, caso contrário, poupavam-nos à recolha da opinião de alguns deles sobre o centralismo, como fez ontem o JN. Queremos lá nós saber o que pensam sobre o centralismo, ou sobre a regionalização, pessoas que durante todos estes anos, nunca lutaram abertamente contra, ou a favor, de uma ou de outra coisa? Precisamos lá nós de considerar a opinião de oportunistas da política como José Ribeiro e Castro e Francisco Assis? Ou de deputados, como o Virgílio Macedo do PSD, Honório Novo, do PCP,  João Semedo, do BE, que só abordam o tema do centralismo quando estão no Porto, ao fim de semana, para, mal regressam a Lisboa, logo selarem a boca. De que nos tem valido as suas opiniões em termos objectivos? As coisas têm mudado, porventura? Não! É claro que não mudaram, nem irão mudar nunca, se depender deles. Eles, não querem descentralizar, querem o poder simplesmente, e nessa impossibilidade, querem a manutenção do estatuto [e das regalias] de deputados.

Não nos iludamos  mais com o que esta gente diz, ou pensa, atentemos ao que eles fazem. Eles são essencialmente actores. A mudança não passa por eles, estão acomodados. Pensemos nós em mudar de políticos e de políticas. Estes não dão uma para a caixa. Mas cuidado, o D. Sebastião foi mesmo um mito... 


6 comentários:

Anónimo disse...

Nós estamos a ser governados por espertos, disso não tenho duvidas.
Alguns políticos da nossa pátria, só falam do centralismo quando lhes dá jeito, aqui também estamos de acordo.
Mas agora piorou, porque estamos a ser governados por uns espertos centralista que neste momento já nem se quer mandam em Portugal! e que obedecem a três rapazes que vêm cá a mando da sra da Alemanha para dar ordens a Portugal para vender património nacional, e como se deve martirizar os portugueses economicamente.
Estamos a perder a identidade como nação, e a sermos tratados como números.
A escumalha... quanto tempo vai ter mais para nos maltratar?...

O PORTO É GRANDE, VIVA O PORTO.

marujo88 disse...

Vai ser muito dificil avançar com a regionalização enquanto houver pessoas de fora de lisboa a defender que não é preciso descentralizar,e até se dão ao luxo de chamar parolos aos que defendem que se deve regionalizar o país,isso para os politicos que nos tem desgovernado é uma alegria,sentem que têm apoio do país,quando nós sabemos que se as coisas fossem explicadas às pessoas com seriedade concerteza que as pessoas preferiam o país regionalizado,mas continuam a mentir descaradamente,dizendo que regionalizar seria criar mais despesa para o estado, quando a realidade é outra,é uma vergonha a vigarice que nos tem feito,quando as pessoas abrirem os olhos já será tarde demais!
Um abraço
manuel moutinho

Anónimo disse...

O Ribeiro e Castro foi salvo o erro o nº1 da lista do CDS nas eleições legislativas pelo circulo do Porto!!!!!!!

O que é que este homem tem a ver com a cidade do Porto???!!!

NADA!!!...

neto disse...

Este comentário é frontal, não é demagógico nem insultuoso e também não é provocador. É só para moderar :)

Antonio Almeida Felizes disse...

Caro Rui Valente,

Dada a temática abordada, tomei a liberdade de publicar este seu "post", com o respectivo link, no
.
Regionalização
.

Cumprimentos

Rui Valente disse...

Caro A.Almeida Felizes,

esteja à vontade. Defendemos a mesma causa, por isso, não precisa de me avisar.
De qualquer modo, agradeço o seu cuidado.

Um abraço