22 abril, 2015

Amar o FCPorto

Em certos casos, é justo e faz todo o sentido que alguns portistas se sintam mais portistas que outros. Se falarmos daqueles portistas que nunca baixam a guarda, quando se trata de defender o FCPorto, independentemente do local e da condição em que o fazem, parece-me justo. Nestes casos, merecem ser discriminados pela positiva, comparativamente com aqueles outros que, por cobardia, ou submissão às avenças dos patrocinadores de programas desportivos (que mal soa esta designação), se sujeitam a si mesmos e ao FCPorto aos maiores vexames públicos. Outros há, que se julgam especiais por acharem que nunca devem criticar o clube, ou quem o dirige, seja em que circunstâncias fôr. Compreende-se, se a coisa fôr encarada sob o ponto de vista do adepto apaixonado, mas não lhe acrescenta nada à qualidade de portista. Aliás, como se sabe, a paixão é uma coisa irracional, que se não evoluir para o amor [que é um sentimento bem mais sério e consistente], pode degenerar para o ódio...

Mas amar um clube, é mais difícil de gerir que amar a pessoa que connosco partilha a vida, porque estando próximos, sempre podem [se o quiserem e forem inteligentes], recorrer ao diálogo para esclarecer dúvidas, e eventualmente resolver conflitos. Vale isto por dizer, que numa relação, seja ela de ordem pessoal ou institucional, há sempre um factor preponderante que jamais deve ser negligenciado: a comunicação. 

Assim sendo, não aceito insinuações que relacionem o meu estado de espírito com a derrota de ontem do FCPorto, porque o que eu ando a dizer há muito tempo, e está aqui escrito para quem tiver dúvidas, é que no FCPorto de há uns tempos para cá, falta, entre outras coisas, liderança e uma política de comunicação a valer. Dantes, já o disse, justificava-se a blindagem de determinadas informações, porque o clube não tinha meios para contrapôr às deturpações dos media centralistas e o Presidente sabia como poucos lidar com eles. Agora, o FCPorto dispõe de uma estação de TV, tem tudo para combater a máquina mafiosa da informação do regime e não tem mostrado capacidade para tirar partido desse privilégio. Pelo contrário, o Presidente Pinto da Costa pouco ou nada tem usado o Porto Canal para falar de coisas importantes. Quando fala, agora, é para recordar o passado, ou para não dizer o que os adeptos esperavam. E há muitas coisas para esclarecer.

Em primeiro lugar, saber qual é a nova estratégia para o futebol, tendo em conta as condições do mercado expressas na nova política de contratações, onde o paradigma do recurso ao mercado sul-americano é curto para garantir a compra de jogadores já formados e de qualidade. A contratação de jogadores jovens é uma saída, mas comporta riscos, como se constata agora. O presidente do FCPorto não pode prometer aos adeptos dois objectivos em simultâneo e antagónicos, que é adquirir jogadores jovens, alguns deles emprestados, e esperar que tenham maturidade para competir ao mais alto nível. Os adeptos portistas têm-se revelado generosos e pacientes, apesar do silêncio algo arrogante do presidente que eles tanto admiram, e respeitam. Deviam e mereciam também ser mais respeitados...

Outra coisa que pessoalmente gostava de ouvir do Presidente Pinto da Costa era que dissesse se tem, ou tenciona ter, um projecto para o Porto Canal. Não queremos saber detalhes (o segredo é alma do negócio), mas seria importante explicar os contornos desse projecto, sobretudo os de ordem generalista e regional. E por que não exprimir com frontalidade o que ele próprio pensa do trabalho que está a ser desenvolvido no Porto Canal, também seria interessante, quanto mais não seja para termos uma ideia dos seus objectivos nessa matéria.

Continuando a assobiar para o lado, ignorando quem mais o estima, está a semear uma fonte de instabilidade dentro do clube. Pinto da Costa tem de aparecer "vivo", para falar mais do futuro que do passado, porque essa postura só serve para credibilizar as teses daqueles que o davam "finito" para o futebol. Além do mais, não acredito que o silêncio possa ser o caminho correcto para se transmitir liderança, e ninguém nos pode garantir que tal postura tenha incutido  qualquer espécie de optimismo no comportamento dos jogadores em quase todas as modalidades. Bons resultados não deu, como se comprova agora. Esta época, houve jornadas a mais de ilegalidades e discriminações em jogos do FCPorto que justifique tão estranho silêncio da parte do Presidente portista. É incompreensível, e para mim, confesso, acho mesmo intolerável.

Domingo próximo será o dia derradeiro: ou os jogadores do FCPorto se transcendem e oferecem uma última alegria aos portistas, ou arriscam-se a não ganhar nada este ano. Se tal suceder, se a equipa se deixar afundar, apontarei o dedo em primeiro lugar, e com desgosto, a Pinto da Costa. Não pelo que fez, mas pelo que decidiu não fazer.

     

4 comentários:

zeportista disse...

Caro Rui Valente
Não podia estar mais de acordo consigo.Aquilo que a imprensa centralista e fascista ( é mesmo! )disse há uns tempos de que PC estava "finito"...se calhar lá saberiam as razões porque o disseram.E ainda há quem queira,pelos vistos, que lá continue até 2020.Não, não sou ingrato , nem esqueço o que fez pelo FCP. Mas se é para continuar...como nos últimos anos, sendo o ponto mais alto este ano, então bem pode sair.
Abraço

Anónimo disse...

O jogo de Munique foi um baixa-me uma frustração para a maioria dos portistas. Na minha opinião, independente de muita coisa, mesmo, dos Alemães ser superiores a nós, e jogarem em casa, Lopetegue é um dos culpados, já não falo da eliminatória mas de uma derrota pesada. Primeiro começou por prejudicar uma substituição ao por Reyes no lugar de Ricardo Pereira, depois nunca percebi qual era o seu esquema de jogo. Lopetegui é do 8 e do 80 do bom e do mau! Se não ganhar do domingo, Lopetegui é uma frustração da escolha de Pinto da Costa.

Já se fala de mais um mandato de Pinto da Costa, mandato esse, com os mesmos puxa sacos lambe/botas do costume, um tal Cerqueira mais conhecido pelo barba azul, um tal Alexandrino, o das Medalhas e a restante trupe que quer aparecer na fotografia. Devo dizer a estes tristes, que Pinto da Costa para ganhar não precisa de bajuladores.

O sr Pinto da Costa, se for a mais um mandato de 4 anos, tem que esclarecer bem os portistas, o que vai ser o Porto Canal, antiga sede da Av dos Aliados, e a próxima época desportiva, esta, cheia de jogadores mercenários que não sentem o clube. Só espero que este ano o FCP seja campeão, caso contrário sendo 2 ano sem ganhar nada!... Qual vai ser o seu discurso Sr Pinto da Costa.

Abílio Costa.

Anónimo disse...

O FCP deveria repensar a sua comunicacao que nao deveria de modo nenhum e por varios motivos ter o foco principal no Presidente.Longe disso.

O Presidente deveria preocupar se essencialmente com a estrategia do clube e em termos de comunicacao dar uma ou duas entrevistas por anos.

A comunicacao do dia a dia digamos assim, deveria ser corporizado por outras pessoas e em consonancia com a estrategia previamente definida.

Com o esvaziamento das Associacoes distritais e da Liga o futebol centralizou se de novo na FPF que hoje se parece um tanto com aquela que conhecemos ha uns quantos anos atras... Tudo isto, ao que parece, foi provocado pela mudanca da legislacao dos ultimos anos levada a cabo por governos fortemente centralistas.

Anónimo disse...

Os dois piratas já se entenderam, um levou o cravo hipócritamente o outro, garanhão, o gay, desprezou a flor.
O António Costa não me diz nada, Marinho e Pinto!... Não sei vou pensar. A única certeza que sei é que nos vamos ver livres do empecilho Cavaco Silva, finalmente, Aleluia.
Os militares de Abril estão todos bem, beu, beu, deram-lhe o rebuçado e pronto calaram-se as tropas.
A festa do 25 de Abril já não é como dantes, estes políticos da trampa fizeram murchar o cravo e agora só nos dão os espinho da rosa.

Abílio Costa.