08 outubro, 2015

O circo político vai começar, ou haverá juizo?

Os resultados das eleições não foram brilhantes para os partidos com tradição governativa. A coligação PSD/CDS já anda a cantar de galo como se tivesse obtido uma maioria. Confesso que, tendo-me tornado um abstencionista militante por imperativo de consciência, quero ver até que ponto a esquerda saberá, ou não,  explorar a almofada de conforto que a maioria conjunta dos 40,65% de votos conseguidos entre PS (32,38%) e PCP (8,27%), lhes permitirá apertar o governo e deixar Cavaco a fazer contas de cabeça. 

Não alinho pela conversa catastrofista dos que já andam preocupados com a hipótese de os dois partidos de esquerda se coligarem para derrubar o governo, e eventualmente ganharem novas eleições. E não alinho, justamente pelas mesmas razões que apontei no post anterior, porque não gosto de ser aldrabado nem de verdades impostas a martelo pelos que menos legitimidade têm para as impôr. Este, como o governo anterior, já deram provas ao país do que valem, nunca foram capazes de o governar satisfatoriamente. Bem pelo contrário, limitaram-se a sacrificar o povo obrigando-o a pagar dívidas que nunca soube como, quando, onde e com quem as contraiu.

A globalização e a crise económico/financeira tiveram o "dom" de fazer esquecer o povo que a Banca Nacional e Internacional e os países têm a governá-los pessoas, gestores pagos a peso de ouro para controlarem as oscilações dos mercados. Logo, são esses e apenas esses, que devem responder pela crise, não as populações que nunca foram tidas nem achadas para lidar com mercados monetários ou dívidas públicas, nem foram pagas para tal. 

Portanto, isto de pagarmos uma crise, com a qual nunca tivemos a menor noção de cumplicidade, são reles abusos de vários poderes políticos e económicos, internos e externos. Os supostos financiamentos para pagar dívida, são a trapaça do século. Quem quiser dar-lhe crédito político que lhe dê, eu ainda não vi qualquer sentido para tão macabra e abusiva colecta. De mais a mais, quando as instituições da finança mundiais têm pessoas com nome próprio a dirigí-las, e não uma abstractacção chamada  crise. A crise, não é mais que o resultado de uma situação muito  mal gerida, não uma calamidade natural. A crise,  não é uma entidade, nem pessoa colectiva, é a consequência de incompetências conjuntas de banqueiros e Chefes de Governo.

Voltando atrás, à hipótese de um eventual, mas improvável acordo político, entre PS e PCP, resta-nos saber em que pé ficarão as negociações (se as houver) com o Bloco de Esquerda. É que a percentagem de 10,22% corresponde 549.838 de eleitores somada aos 40,65% do PS e PCP, perfazem a bonita taxa de 50,87%, Como irá o PS lidar com este labirinto político-partidário, com as contradições ideológicas que o separam do PC e do BE? 

Terão os políticos dos partidos à esquerda do PSD coragem e sentido de Estado para se unirem e provarem aos respectivos eleitores que o país está em primeiro lugar? Antes dos caprichinhos interesseiros dos aparelhos?

Provem-nos que vale a pena acreditar nessa hipótese. 

4 comentários:

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,

Preocupações oportunas. Não perdoaria nunca a nenhum deles a não formação dum Governo com estes resultados.
Tanto o PS como o BE como o PCP tudo têm que fazer para suportarem um Governo de alternativa e não esperar que se forme um outro de alternância. Seria o descrédito total da Esquerda. Bem sei dos compromissos europeus a que o PS se encontra vinculado, mas neste momento o que me preocupa é um Governo que governe para as pessoas, que trave a austeridade que nos empobrece e asfixia.
Que me importa a NATO e o Tratado Orçamental deixem o PS tratar disso.
Eleitoralmente falando já engoli um sapo e devo dizer que não doeu nada.
Cumprimentos

Rui Valente disse...

Boa tarde Sousa Olaio!

Parece contradição minha, vinda da boca de um eleitor abstencionista como eu, mas gostava de ver esta gente entender-se e unir-se com uma grande vontade de provar que querem mesmo governar o país. Era uma oportunidade (talvez única) para provarem que as coligações de esquerda também podem governar, mas governar mesmo. E ao mesmo tempo para provarem aos abstencionistas cépticos como eu, que estão dispostos a mudar a agulha.

Cumprimentos

Anónimo disse...

Vamos a factos qual era a votação do PSD se concorresse sozinho!? Qual seria votação do CDS fora da coligação!? Ou este nem um deputado conseguia e o outro era o vencedor ou então o PSD era o derrotado da noite se o outro fosse a terceira força política nacional que eu nem de perto nem de longe acredito. O que me parece é que um anda às cavalitas do outro.
Espero que entendam o meu raciocínio.

Abílio Costa.

dragao vila pouca disse...

Nesta matéria, Cavaco como sempre, igual a ele próprio, um Calabote da política. Anda por aí um vídeo curioso sobre um debate Portas/Passos em 2011 e que responde a algumas vozes do CDS sobre prec...ismo.

Abraço