15 fevereiro, 2016

Acusação omite cargo de diretor do Benfica em caso de tráfico



A acusação do Ministério Público contra o ex-diretor do Benfica José Carriço, por tráfico de estupefacientes e detenção ilegal de arma, omite este cargo dirigente que o arguido ocupava no clube.

A procuradora-adjunta que dirigiu o inquérito criminal e assina a acusação identifica José Carriço com a profissão de "assistente colaborador", sem nomear a respetiva entidade patronal.

OS MENINOS DA PALERMO LISBONÀRIA ANDAM A TRABALHAR MAL...

3 comentários:

Anónimo disse...

Ninguém pode beliscar a imagem deste Clube Lampião do regime dos 14 milhões, nem o Ministério público através da sra procuradora-adjunta, caso contrário vai tudo para rua, se fosse com o FCP não havia problema, porque são de lá de cima do Norte. Já do sr Veiga é mesma coisa, ninguém fala do ex dirigente do Benfica, nem do bate/chapas do Luxemburgo, é o sr Veiga o Banqueiro! É curioso.

Abílio Costa.

Remigio Costa disse...

Porquê? Porquê!?

É a pergunta.

RC.

Rui Valente disse...

Quer que lhe responda Remígio? Não é preciso, pois não?

Note-se, o cuidado, a delicadeza, da senhora procuradora em não beliscar o nome do clube dos "donos disto tudo", tentando dissociar o verdadeiro cargo do traficante da estrutura directiva do clube, em contraste com o que fizeram ao FCPorto e a Pinto da Costa...

Até na justiça a discriminação está a fazer escola.

Quer saber porquê Remígio? Não faça perguntas chatas, por favor.

Um abraço