22 junho, 2016

Grande golo Ronaldo!

Resultado de imagem para imagens de Ronaldo a atirar
É muito bem feito!

Esta moda muito portuga de considerar alguém o "melhor do mundo", é expressão com a qual não simpatizo nada. Reconheço-a como positiva, quando usada para encorajar, para incentivar o visado, ou a visada, a fazerem sempre melhor. Apenas por isso. Já me provoca repulsa e até alguma vergonha enquanto português, quando oiço e vejo a loucura colectiva a quem a comunicação social  incumbe os seus agentes de contagiar a população, dentro e fora do país, de fazer de um jogador de futebol mais do que um herói nacional, um Deus! 

Falo de Cristiano Ronaldo, como já terão percebido. Como jogador, é sem dúvida dos melhores da actualidade. Os prémios que recebeu não se deveram a cunhas, a favores, foram merecidos. Se foram sempre justos, aí já tenho as minhas dúvidas. A maior virtude de Cristiano é a corrida e a perseverança, o querer fazer sempre mais. Mas isso não significa que seja o melhor do Mundo. Depende do ponto de vista como é avaliado. Pessoalmente, considero Messi um jogador mais completo, tecnicamente muito mais evoluído que Ronaldo. Mas, há muitos mais grandes jogadores na Europa (o Gareth Bale é apenas mais um, o Ibrahimovic, outro). Com características diferentes, mas com talento para dar e vender, até porque os vejo fazer coisas que nem o próprio Messi faz). Enfim, quando falamos das qualidades das coisas e sobretudo das pessoas, devíamos fazê-lo com um pouco mais de moderação porque não é pela fanfarronice que nos tornámos num povo respeitável. 

É verdade que os estrangeiros que nos visitam, têm por hábito elogiar o nosso país. O clima é bom, há sol em abundância, as pessoas são simpáticas, as paisagens bonitas. Estão cá de férias, optam por ser simpáticos e educados com o país de acolhimento, o que só lhes fica bem. Mas tenho a certeza, que já não pensam o mesmo do histerismo que aquela gente de Lisboa (os media estão praticamente todos lá implantados), dedica ao futebol e às suas vedetas de eleição tão contrários a um verdadeiro espírito congregador e nacional. Uma vez chegados aos seus países, os turistas devem achar-nos uns complexados que à falta de um nível de vida decente, se agarram ao futebol endeusando as suas vedetas. Numa coisa se enganam, porém. É que, sendo cada cidadão responsável por si mesmo, pela vulnerabilidade ou resistência que oferecem a quem teima incutir-lhes emoções, são os jornalistas, essa classe corporativa que não ousa varrer do seu seio quem lhes corroi o prestígio, os principais responsáveis pela mentalidade saloia de que continuamos a gozar. E não pensem que são os portugueses, são mais os lisboetas, porque é lá que se fabrica a opinião. Há dúvidas? 

Assim sendo, não me sobra o menor respeito pelo atrevido que colocou o microfone na boca de Ronaldo,  que teve como resposta ir procurá-lo no lago por onde o jogador passava. Esta gente, é o pior que o país tem. Superam mesmo os políticos em falta de carácter. Por isso digo: grande golo Ronaldo! Eu talvez escolhesse outro alvo...

4 comentários:

Anónimo disse...

Este é um país que gosta de idolatrar, somos Tugas está tudo dito. Agora como o Rui diz, que foi um grande golo mandar o microfone ao charco, lá isso foi. Tratando-se de um Pasquim que diz mal de tudo e de todos, que é de faca e alguidar, Vermelho a ter dizer chega e como sempre não respeitou as regras! Sem dúvida que foi um grande Gooool.

Abílio Costa.

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,
Completamente identificado com o conteúdo do seu Post. É necessário manter aceso o combate. Usar tudo que legitimamente se possa fazer para denunciar todos os “chico-espertos” que a coberto do travestismo jornalístico se propõem apagar, apoucar e achincalhar o carácter de quem lhes não dá tréguas nem guarida.
A RTP, como se pode constatar lá continua a sua saga. Não é de agora, já vem de longe. A descriminar o Futebol Clube do Porto e a sua região desde 1957. Como exemplo o que nos é narrado neste Comunicado do Futebol Clube do Porto.

Comunicado
“Considerando o teor da performance divulgada no programa “A Culpa é do Ronaldo”, emitido pela RTP1 na noite do passado dia 21 de junho de 2016, a Direção do FC Porto, reunida para analisar a presente questão, deliberou o seguinte:
1 - A Direção do FC Porto repudia veementemente o teor da performance divulgada no programa mencionado – em que se vê a fotografia do seu Presidente no rodapé e se imita, numa voz um pouco distorcida e cansada, a voz deste – na qual se pretende tornar pública aquela que poderia ser a sua pretensa reação face aos interesses da Seleção Nacional e o prestígio que daqui advém para os país, o clube e os atletas.
2 - A coberto de uma imitação, o Presidente do FC Porto é colocado na pele de quem é capaz de proferir afirmações indignas e mesmo de natureza criminal - que não se coadunam com a sua imagem pessoal, trato social e relação familiar - configurando esta performance um conteúdo típico do comumente chamado telelixo.
3 - A RTP tem a obrigação de honrar a sua condição de estação pública, não só por também ser paga pelos nossos impostos, mas sobretudo por ter o estatuto de serviço público e ser considerada bandeira do nosso País.
4 - Independentemente das desculpas públicas anunciadas por responsáveis da RTP, a Direção do FC Porto, solidária com o seu Presidente, acompanhará todas as ações, incluindo as judiciais, de modo a que sejam punidos os autores materiais e morais deste triste episódio.
Já seguiu por parte do Senhor Presidente queixa dirigida à ERC.”

Ainda relacionado com a matéria do seu Post, permita-me incluir, na próxima caixa de comentário, a seguinte reflexão acerca da Selecção, dos média e do Futebol Clube do Porto.


Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,

Conforme o prometido aqui vai o restante, uma vez que a totalidade não cabia na caixa anterior.

OS OPTIMISTAS IRRITANTES

O Futebol Clube do Porto nas Selecções : Magia e Qualidade e não só!

A designação usada pelo Presidente da República para caracterizar o estado de espírito do Primeiro Ministro alastrou-se por contágio aos seus representados.

O que se tem passado à volta da Selecção de todos “eles” é dolorosamente irritante. Quatro canais de TV a acompanhar um Autocarro a caminho do Estádio da Selecção (Rui Pedro Brás na TVI24) lotado de “matéria- prima futebolística” mantida e gerida pelos Clubes, servindo as mais das vezes os propósitos dum conjunto de “patriotas” da Federação.

Para defrontar um grupo de rapazes oriundos do Báltico e para quem o futebol só se joga “durante” dois meses, foi preciso montar um circo “au soleil”, uma vez que o Euro2016 se joga em França.
A chamada Selecção de todos “ nós”, refundou-se e “refinou-se” a partir do início da década de 60. Criada a partir de 1957 a RTP foi tomada pelos mesmos que hoje dominam em todas as televisões.

Todas? Sim todas!

Guerra colonial, multiculturalidade e Benfica campeão europeu de clubes, constituíram o ingrediente do qual foi congeminada a estratégia política do anterior regime para a criação da “INSTITUIÇÃO”. E foi com base nesse pressuposto que a esse clube tudo foi e é permitido. Medonha e profunda foi a estratégia seguida que hoje a quase totalidade dos chamados tugas aceita bovinamente esta associação : SELECÇÃO/INSTITUIÇÃO.

A denominada Direcção Técnica, conta, como estranhamente ( ou talvez não), entre outros, com dois portuenses: Humberto Coelho e João Vieira Pinto. O primeiro, sabe-se lá porquê ali assentou arraiais, o segundo celebrizou-se em 2002 ao agredir um árbitro durante um Mundial. Duas figuras inspiradoras das actuais “estrelas” do “nosso” futebol.

Derretidos os glaciares estonianos pelo calor ardente da gesta lusitana, a noite de 8 de Junho encheu-se de: comentadores, bajuladores, jornalistas e outros que tais augurando grandes feitos a estes rapazes. Mas sosseguem que esta irritante euforia, não ficou por aqui. Pela manhã de 9 de Junho de novo as “4 Estações” em directo. Ficamos a saber que o avião se chama EUSÉBIO e que o piloto tem a graça de VIRIATO. Uma coisa é dada como certa. Qualquer que seja o resultado da nossa participação no EURO2016, estes dois não vão parar à MOTAENGIL. Ao menos isto.

Vale e Azevedo vai assistir de cadeirinha aos jogos do Europeu no remanso do lar. Por outro lado o promitente vendedor de segredos à Rússia não assistirá a qualquer deles, uma vez que se trata dum traidor à Pátria.

Porque carga de água querem os Russos saber o que fazem aqueles submersíveis que o novel colaborador da MOTAENGIL comprou aos alemães?

Tejo acima, Tejo abaixo entre o Bugio e Alhandra de periscópios apontados às marés no Seixal, o Tridente e o Arpão gastam mais no arranque que o valor que os Russos pagavam pela informação, inferior , ao que se sabe, ao valor estimado para a ameijoa recolhida.

Dir-me-ão ! O que é que isto tem a ver com a Selecção. Tem tudo! Como diz o outro, isto está tudo ligado !

By the way : Já repararam como se aplica amiúde o nome destes submarinos ao futebol?

O “Tridente” formado por Nani, Cristiano Ronaldo e Quaresma, apoiados por João Moutinho a funcionar como “Arpão” segurando a linha média sempre que o sistema pela sua dinâmica derive, aqui e ali, de 4x4x3 para 4x4x2. Desculpem mas deixei-me contagiar pelo “optimismo irritante e daí o arrazoado deste parágrafo.

Em suma: Temos Magia, temos Qualidade, mas não suporto que o meu Clube e os seus jogadores sejam discriminados no tratamento, análise e avaliação relativamente aos representantes da “INSTITUIÇÃO”.

O gesto de Ronaldo não é apenas um gesto. É a reacção que se impõe quando nos atingem no carácter, na família e no bom nome. Senti-me mais recompensado com a sua atitude perante a abjecção jornalixa do que com os muitos e grandes golos que tem marcado.

Cumprimentos

Rui Valente disse...

Caro Olaio!

Completamente, de acordo. Como não, se o que diz é a mais pura das realidades? É preciso ser-se mesmo muito condicionado intelectualmente, ou se quisermos, muito fanático, brutinho, desonesto e criançola para negar a realidade.

Um abraço