01 agosto, 2016

Do FCPorto...

...que ontem vi jogar, gostei. Sobretudo na 1ª. parte. É a primeira vez, num prazo próximo dos 3 anos, que vejo o FCPorto soltar-se daquela caranguejola da bola para trás e para o lado, e fazer lindas  e envolventes jogadas de ataque.

Se isto quer significar que Nuno Espírito Santo está a saber "tocar" no coração e na cabeça dos jogadores, não sei, ainda é cedo, mas se gostei, é porque gostei mesmo. E isto é bom, mas é apenas isto: um bom jogo. Que querem que vos diga? Daqui a uns dias até posso (espero que não) estar a dizer o contrário, porque este Porto dos últimos anos tem-nos decepcionado tanto que até temos medo de ser espontâneos.

Independentemente do que N.E.Santo venha (ou não) a fazer , com estes jogadores e com outros que eventualmente possam ainda chegar, o meu maior receio está na permissividade da SAD portista (presidente incluído), caso venhamos a ser discricionados pelas arbitragens e precisemos de dar um murro na mesa, ou partir a loiça toda se preciso fôr.

Se esta equipa optar por este estilo de jogo, mais dinâmico e pressionante, as situações de contacto com os adversários (e vice-versa) vão aumentar, o que irá proporcionar às arbitragens malandras muitas oportunidades para amarelar e vermelhar os nossos jogadores. É isso que mais me preocupa, como sabem. Aliás, cheguei também a admitir a hipótese que, em parte, tenha sido o medo de serem injustamente penalizados pelos árbitros uma das razões que levaram os jogadores a evitarem contactos mais impetuosos com os adversários.  A não ser que finalmente os senhores do apito se dignem fazer aquilo que nunca deviam ter deixado de fazer, que é, serem imparciais e honestos. Só lhes ficava bem.

Ontem, até o Adrian Lopez brilhou. Vamos lá, já é tempo de andarmos a fingir que somos uns nabos, um clube e uma cidade (como algumas) que precisam do centralismo para mostrarem que existem*...

*para se promoverem não hesitam a aproveitarem-se do gesto nobre de uma criança...

3 comentários:

Anónimo disse...

Não foi mau mas não chega, é preciso mais soluções para a equipa.
Estamos quase a entrar nos compromisso a sério e os responsáveis ainda estão no mercado à espera de saldos e depois não se queixem.
Aguardo com um pouco de ansiedade quando for a doer e aí sim começo atirar ilações do que vai ser nossa época.
Quanto à arbitragem espero que mude para não ficar tudo na mesma, mas, cuidado, se forem como o Turismo de Portugal estamos mais uma vez feitos.

Abílio Costa.

marujo88 disse...

Rui eu também gostei e espero que a equipa continue a melhorar, pelo menos já não jogam para trás, o que é um bom sinal, quanto às arbitragens,vão continuar na mesma.
Eu não sei se já leu o que está escrito no Dragões Diário acerca daquele francês que foi abraçado pelo miúdo português, é uma vergonha, ainda há pessoas do norte que se calam perante estas poucas vergonhas."Para brincar com o nosso dinheiro
O francês Anthony Vizzacaro ficou conhecido quando foi confortado por um jovem português logo após a final do Europeu de futebol. O Turismo de Portugal entendeu convidar o jovem francês a visitar Portugal. Bem, visitar Portugal é uma força de expressão, porque o jovem francês foi convidado a conhecer a capital do império e os seus arredores. Mas inaceitável foi levar o jovem a visitar o estádio e o museu do Benfica, dentro daquela ideia muito lisboeta que o clube da Luz é uma espécie de Luís XIV do desporto. Explicar aos néscios do Turismo de Portugal que o bom senso aconselharia a não misturar clubes numa coisa destas é uma perda de tempo, mas fica a sugestão a Luís Araújo, recentemente empossado como presidente, que mude o nome para Turismo de Lisboa, mas que seja financiado com o dinheiro dos impostos de quem beneficia das brilhantes ações de promoção do turismo da capital portuguesa."
Por estas e por outras é que cada vez sou mais do Porto e do FCP.
Abraço
Manuel da Silva Moutinho

Rui Valente disse...

É Moutinho,

mas para estas atitudes de puro oportunismo não têm eles sentido crítico. Não há promiscuidades nem malabarismos, "é tudo muito transparente, tudo muito sério e patriótico".

Enfim, uns tristes, uns grandes parolos.

Abraço