08 fevereiro, 2017

Era bem feito que a traição da TAP matasse a geringonça!


Resultado de imagem para TAP
Por mais que procure habituar-me às cambalhotas dos políticos, não consigo. Depois, dizem que nós só sabemos descobrir-lhes os defeitos, que não avaliámos devidamente o seu trabalho em prol do povo... Grandes cínicos!

Ainda nem decorreram 2 anos do início do mandato de António Costa (26/11/2015), e já começam os tiros nos pés do costume. A solução inédita da geringonça e os surpreendentes resultados positivos de uma coligação aparentemente improvável parecem ter cansado o primeiro ministro. É sempre assim, em Portugal os governantes cansam-se de fazer as coisas correctamente. Preferem tomar decisões sectárias, injustas e anti-democráticas, a optar por soluções embuídas de seriedade e verdadeiro patriotismo.

O que o governo de António Costa está a deixar acontecer com a TAP e a permitir aos companheiros privados da parceria, é digno de tudo, menos de um estadista afirmativo. É inaceitável, impróprio de um governante com noção sólida dos poderes e responsabilidades que lhe cabem. Esta aberração de desviar rotas do aeroporto Sá Carneiro para a cidade de Vigo com preços vantajosos para os espanhóis, além de vexante e discriminatória para as gentes do Norte do país, é uma verdadeira traição aos eleitores locais, e uma falta despudorada de respeito para com os cidadãos em geral. Volta a provar que o centralismo é para continuar.

É mais um, entre muitos péssimos exemplos, a dar-me razão, e a todos os abstencionistas que, como eu, deixaram de votar, precisamente por se terem cansado de votar nestes troca-tintas. Depois, berrem que quem não vota por estas razões, é que tem responsabilidades pela falta de honestidade dos políticos. Comprometam-se previamente com garantias, como as que os bancos exigem para nos financiarem. Votar inspirados em lindos discursos e boas promessas é, hoje em dia, passar atestados de menoridade aos eleitores. Respeitem-nos, e trabalhem para quem vos elege, se querem mama.

Palpita-me, que a decisão tardia de avançar com a construção das duas linhas do Metro do Porto, poderá muito bem estar a servir de paliativo à traição da TAP, e sobretudo do Governo, o que só vem acentuar a sua falta de integridade. Se esta decisão não fôr atempadamente vetada, é bem possível que a geringonça tenha os dias contados.

O PSD e o CDS agradecem, e eu, só não aplaudo, porque sei que são todos iguais. Malditos políticos!

1 comentário:

Anónimo disse...

Como é que um governo não se impõe a uns piratas privados que só vêm o lucro em detrimento de prejuízo a uma região quando somos todos a pagar. Este foi mais um negócio de uns cavalheiros políticos lesa pátria para com um tio Patinhas que só vê dinheiro. Gostava de saber que mal fizeram as gentes do Norte a esse gringo.

Abílio Costa.