21 fevereiro, 2018

Francisco J. Marques, é director de Comunicação do FCPorto, não é Presidente!

Não conheço pessoalmente o Francisco J. Marques, nem qualquer dos colaboradores do programa Universo Porto da Bancada, e afins.

Feito o esclarecimento, suponho ficar descartada qualquer suspeita de proteccionismo da minha parte sobre a(s) pessoa(s) em causa, ou interesses de outra ordem.

O que sei (e só posso falar daquilo que sei), é que, goste-se, ou não, Francisco J. Marques é a única personalidade da direcção intermédia do FCPorto que vem dando a cara na defesa do clube.

Vou-me cingir apenas à sua figura, sem qualquer motivação protagonista, porque ele não precisa, nem tão pouco desvalorizar a colaboração dos demais comentadores (que é também importante), mas apenas para simplificar o texto. Seja como fôr, é ele o principal responsável pelo que é divulgado. F.J.Marques, não defende o clube  ao mais alto nível, mas defende-o indirectamente com as revelações das ilegalidades do principal adversário do FCPorto, o que já não é pouco.

Se venho alertando para a possibilidade de o programa UPB correr o risco de banalização, a culpa não é de Francisco J. Marques, é de quem tem a autoridade máxima do FCPorto, e essa pessoa é o presidente Pinto da Costa. Quem se recusa a aceitar a realidade dos factos e aponta para outros alvos a responsabilidade do que está a acontecer, é porque recusa também obedecer à ordem natural das coisas: a  hierarquia das competências. Para mim, a escala não pode ser outra, é a que referi.

No programa de ontem, aconteceu o mesmo que vem acontecendo desde o início, vimos Francisco J. Marques apelar (quase suplicar) mais uma vez ao próprio Governo, e também à Ordem dos Advogados, sabendo  de antemão que não é ele, nem ali, que compete apresentar as devidas reclamações, o que indicia um certo desespero, e alguma impotência. Se há quem o critique por não querer ultrapassar competências que não são suas, não serei eu quem o vai imitar, porque essa é uma maneira mesquinha de atirar FJMarques para a fogueira.

Sou incapaz de fazer juízos de valor enquanto não tenho razões ou indícios para o fazer. Até ver, Jota Marques merece-me consideração e respeito, tanto mais quanto nos tempos de hoje é raríssimo encontrar pessoas dispostas a dar o corpo às balas, como costuma dizer-se. Pelo contrário, nesse triste papel estão a colocar-se figuras com responsabilidades de tôpo no clube, que poucos têm a coragem de censurar. 

PS-Grande victória do FCPorto! Grande bofetada de luva branca no sistema, na bagunça que é o futebol português. A parte negativa foi a lesão de Alex Telles, o melhor jogador do FCPorto, para mim 10 vezes melhor que Brahimi (o menino querido de alguns).           

Sem comentários: