02 maio, 2018

Futebol sujo, Governo imundo!

Para quem padece de uma alergia crónica à desonestidade mental, como parece ser o meu caso, torna-se fastidioso ver passar os anos sem que nada de verdadeiramente digno tenha sido feito para bloquear o ritmo da corrupção em Portugal.

Este gravíssimo problema nacional não está confinado ao mundo do futebol, a essa almofada de conforto daqueles que, talvez para encobrirem os seus próprios pecados, encontraram no futebol o bode expiatório ideal de todos os males da sociedade. Se o Benfica fez o que fez - e tudo aponta para que os indícios conhecidos não deixem dúvidas -, foi porque outros com responsabilidades de Estado o permitiram. A começar, insisto, pela classe política, que  paulatinamente se deixou dominar pelos tentáculos corruptores do Benfica, mas igualmente por outras entidades de relêvo como  órgãos do Ministério Público, Polícia, e Comunicação Social. Foi sempre a estas entidades que apontei as culpas por tudo de negativo que tem vindo a acontecer e não especificamente ao futebol, porque  o futebol não tem, nem pode ter, os poderes que só ao Estado diz respeito. O futebol, como a banca por exemplo, são apenas pedras que mal geridas podem emperrar toda a engrenagem de uma sociedade, engrenagem essa que nem o 25 de Abril conseguiu olear.

Não há dia que não saiam a público casos de corrupção em que figuras, directa ou indirectamente ligadas à política estejam envolvidas em negócios ilegais de milhões. Como podem eles querer ter boa imagem na sociedade se não decidem defender-se desta gente? Como podem sentir-se cómodos com tanta gatunagem sem alterar os estatutos partidários de forma a impossibilitar a promiscuidade entre a política e outras actividades? Que credibilidade pode merecer um deputado/advogado com assento no Parlamento ter ao mesmo tempo o seu escritório aberto a clientes suspeitos de atentarem contra o Estado? Que credibilidade pode merecer a um cidadão civilizado um político comentador de futebol e clubista?

Já se passaram 44 anos, desde o antigo regime, e nem assim tivemos o orgulho de ver despontar do universo político-partidário um único líder (de qualquer partido) capaz de acabar com esta palhaçada?

Não será caso para concluirmos que nesse aspecto concreto os partidos se igualam, que funcionam como uma coesa máquina corporativa?


O Benfica, essa associação de claques ilegais  tão protegida pelos media, é no desporto português o clube mais inqualificável da actualidade, e não é pelas melhores razões.

E os Governantes, serão diferentes?  

13 comentários:

Manuel Fonseca disse...

É sempre com agrado que leio as suas crónicas
Pena foi, que ontem, o FJM não ter adiantado mais sobre a perda de análises.
Abraço

Anónimo disse...

E sempre com agrado que leio as suas crónicas em defesa do norte e em especial do nosso FCP.
Pena foi, que ontem, o FJM não tenha ido mais longe quanto à perca das análises nas viagens para Barcelona

Manuel Fonseca disse...

Olá Rui, boa noite

Foi pena, ontem, o FJM não ir mais longe quanto à perda das análises do controlo antidoping

Anónimo disse...

Qual é a diferença do Estado Novo e esta Democracia Coxa. Hoje à sombra da democracia os ladrões lesa pátria são mais que muitos, o nacional benfiquismo multiplicou o ópio do povo que era o vinho, passou mesmo a ser droga pura. A prostituição aumentou e até faz publicidade nos jornais, hoje é normal um aluno bater num professor, segurança é o que se vê e por aí fora.
A democracia é uma coisa muito séria, não é uma bandalheira uma anarquia, isto de ser latino para justificar é uma fava, temos direitos e deveres, agora o que nós não temos são políticos sérios e bons governantes e uma verdadeira justiça...

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

Meus caros,

antes de mais, quero dizer-vos que nem sempre posso publicar os vossos comentários no momento em que o enviam, por ter outras coisas para fazer. Não se preocupem porque só não publico comentários de cretinos, como devem compreender.

Quanto ao F.J. Marques, penso que não devia ser ele a tratar deste tipo de problemas, até porque só se limita a responder através do Porto Canal o que, como estamos cansados de saber, em nada incomoda os crápulas dos destinatários (FPP, Liga, CD, CA, IPDJ, SEDesporto, eADoP). Esta gente não pode ser tratada respeitando o estatuto, mas sim pela forma como
o desempenham. Ora, como já mostraram (todos), não estarem ao nível do que seria expectável, e ainda por cima portam-se como autênticos incendiários, devia ser o corpo Directivo do FCPorto a exigir, repito, a exigir, a demissão desta gente AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA/ AO GOVERNO/ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA.

Não quero com isto dizer que o problema seria logo resolvido nem que sejam estas entidades a tratar destes assunos, mas pelo menos marcávamos uma posição forte, de repúdio, e descrédito por toda esta escumalha a quem O GOVERNO delegou competências e talvez isso bastasse pelo menos para os colocar em sentido.

Rui Valente disse...

Errata:

onde se lê FPP deve ler-se FPF (Federação Portuguesa de Futebol)

Anónimo disse...

Bom dia Rui,

Mais uma!
Parece que bancos que foram ajudados andam a perdoar dívidas ao Sporting.
A ser verdade isto, é o fim da picada.

Salve-se quem puder, estamos nas maos de ladroes.

Deacon

Anónimo disse...

A CORJA
A palavras do secretário do Estado e Desporto o Zé Tretas são a prova como um Sendeiro vê o futebol em Portugal. O que anda a fazer este Copo de Leite no governo, esta criatura deve passar os dias a ver banda desenhada ou a ler livros aos quadradinhos... Mas porquê tanta ignorância! ou então quer fazer dos portugueses estúpidos.

Soren disse...

100% de acordo. Enquanto andarmos a combater esta máfia com estratégia de folhetim, eles continuam a operar da mesma forma.

Continuo à espera (sentado) da introdução de gente nova na direcção do FC Porto, gente que não esteja ultrapassada e que saiba como dessiminar a informação e actuar nas instituições, nesta era de cancro vermelho.

Se continuamos assim, só mesmo à custa de treinadores e equipas muito superiores é que podemos sonhar com algum título. À imagem da última década. Se tivermos um plantel apenas um pouco mais forte, não chega para ganhar nada, tal é o controlo das instituições por parte dos clubes da capital e a promiscuidade política que grassa no desporto.

É de uma incompetência atroz, que o FC Porto não tenga estratégia nem acção contra isto.

Foi penoso assistir ao esbanjar de uma oportunidade de ouro para ter ido ao parlamento colocar toda a pouca vergonha ao vivo e em directo perante todo o país. Zero. Não tínhamos ninguém sentado ao lado do ladrão orelhudo para o envergonhar publicamente e perante aqueles que o suportam. Uma quase humilhação. Enfim, está direcção do FC Porto está muito longe de fazer o seu trabalho e de se sacrificar pelo clube.

Soren disse...

Estou de acordo, mas gostava de ter visto a mesma indignação quando foi perdoada uma dívida MUITO superior ao Benfica.

Rui Valente disse...

Soren,

há quem diga que a SAD, e sobretudo Pinto da Costa, se aburguesaram, mas o problema é outro:
amedrontaram-se! Não estão para se chatearem. Aliás, se não fosse o Francisco J. Marques, não sei quem lá dentro o substituiria.

Anónimo disse...

Caro Soren,

Se o seu comentário se dirige a mim, meu caro meu caro, são precisas palavras?

Abraco
Deacon

Soren disse...

Não Deacon, o comentário é acerca da comunicação social que agora fala deste perdão de dívida, mas que não deu cobertura a outros no passado.