18 maio, 2011

A quem possa interessar...



... aqui disponíveis para leitura, as linhas programáticas do Movimento Pró Partido do Norte.

Até ver, é o único, do actual quadro político-partidário, que vem de encontro aos interesses dos nortenhos, e aquele que, pessoalmente, me merece o benefício da dúvida. Tudo o resto, é mais do mesmo. Leiam, reflictam e decidam.

Não desperdicem o vosso voto com vigaristas...Deixem a roupa velha para o Natal... Ousem apostar no que é novo!

1 comentário:

zangado disse...

Na realidade, o Movimento Pró Partido do Norte representa uma boa oportunidade de congregar os apoios e votos das pessoas dos distritos por onde concorre, nas listas do PDA,tendo como objectivo a eleição de deputados que defendam efectivamente esses distritos e os seus eleitores, já que o que tem acontecido até agora e se pode ver nas listas dos principais partidos são candidatos locais que, depois de eleitos, deixam de defender os seus distritos e obedecem cegamente (salvo raras excepções)às ordens dos seus chefes.Pior, encontramos nessas listas candidatos estranhos a esses distritos, seus interesses e valores, metidos pelas cúpulas partidárias e oriundos de Lisboa ou outra zona do país.Vejamos um exemplo simples: o que fez, até agora, o deputado lisboeta e ex- dirigente do Benfica Ribeiro e Castro do CDS pelo distrito do Porto? Confesso que não sei.E vai ser novamente cabeça de lista!
Sei, infelizmente e há muito tempo, que muitos eleitores escolheram um partido e votam sempre nele, independentemente do seu chefe ou dos deputados apresentados nas listas. Outros votam no partido que consideram menos mau e outros votam contra aqueles de que não gostam. Resta o problema daqueles que, como se fossem a um restaurante e não gostando das propostas saem ou não comem,não gostando ou confiando nos candidatos votam em branco, nulo ou não vão votar.
Se os candidatos por este movimento são dos distritos por onde concorrem e estão dispostos a não pactuar com o "sistema"será uma boa oportunidade para muitos eleitores mudarem o seu voto e optarem pela mudança.
Quanto às linhas programáticas, naquilo que escrevi desde Fevereiro de 2008 a Janeiro de 2010 penso ter ficado clara a minha posição em relação a muitos dos aspectos nelas focados, bem como nos meus comentários neste e alguns outros blogs. A alguns dos outros nunca me referi, mas, na generalidade, concordo com eles, embora discorde de algumas medidas ultimamente preconizadas. Porém, sempre defendi que, se queremos mudar o Norte e Portugal para melhor, devemos encontrar e acentuar os pontos em que convergimos se queremos alcançar a mudança, pois para manter o "status quo" já bastam o centralismo e colonialismo lisboetas e seus defensores que, qual lavagem cerebral, pretendem manter tudo como está ou ainda pior, acenando com os fantasmas do separatismo ou apelando a um falso patriotismo, como no referendo à regionalização em 1998. Ser patriota é defender os verdadeiros interesses de Portugal, no seu todo,e não apenas os da região de Lisboa e dos políticos, amigos e seus familiares que nos têm governado.
Em conclusão: os novos partidos, como este em formação, permitem a muitos eleitores optar por conceder o seu voto em quem se possam rever, alargando o leque de escolhas.
Se eu sou natural da cidade do Porto e sempre me considerei 100% nortenho, se estou muito insatisfeito com o que os principais partidos têm feito e não quero votar em nenhum deles, porque não poderei votar neste movimento integrado na lista do PDA pelo meu distrito?
No meu voto mando eu e por mais propaganda que as televisões e imprensa lisboetas façam aos pincipais partidos não me convencerão.