15 dezembro, 2011

BARRAGEM? NO PASARÁ!

1 – A UNESCO no seu relatório ( citado pelo jornal "Público" ). "A barragem de Foz Tua tem um impacto irreversível e ameaça os valores que estão na base da classificação do Alto Douro Vinhateiro como património mundial". Fim de citação.Este relatório resultou de uma visita da UNESCO em Abril. Foi concluido no fim de junho e remetido ao comité ICOMOS que acompanha a UNESCO nesta questão em Portugal, que o remeteu para o as autoridades portuguesas em Agosto, neste governo não-Sócrates...passa Agosto, passa Setembro – o governo entretido a cortar direitos sociais – passa Outubro – o governo entretido a cortar direitos sociais – passa Novembro e entra Dezembro e finalmente este relatório é tornado público...( O governo estaria á espera que passasse despercebida esta bomba nuclear? )

2 – Para facilitar o trabalho ao governo ( mais entretido em cortar direitos sociais que em governar o território ), aqui vai o que é preciso fazer, facilito o trabalho deste atarefado governo:

O mais fácil:

a) Agora é preciso parar as obras da barragem.

( Segundo Joanaz de Mello - grupo ambientalista GEOTA - a concessão da barragem custou 50 milhões de Euros. )

b) Depois é preciso indemnizar as empresas em causa, EDP e MotaEngil

( Segundo Joanaz de Mello, há-de ser cerca de 60 milhões de Euros em indemnizações ás empresas. )

Este ambientalista defende que os custos futuros da barragem a pagar pelos Portugueses na factura da electricidade seriam de cerca de 2 biliões de euros. Ou seja, a longo prazo estamos a poupar 1.940 milhões de euros ( 2 biliões de euros menos os 60 milhões de Euros em indemnizações ).

c) Limpar toda a obra já começada. Remover todos os corpos estranhos entretanto construidos no território.

O mais difícil:

d) Conceber um plano nacional de poupança energética que substitua a energia que se iria gastar e produzir com esta barragem, mudendo assim o paradigma "produzir para consumir" para o paradigma "pensar primeiro para poupar depois".

e) Com as forças publicas e privadas da região do Douro elaborar um Plano Económico.

f) Com a C.P. Elaborar um plano para a reabilitação da Linha do Tua.

g) Concertar com a UNESCO, a "inclusão" no plano Económico, o plano para a Linha do Tua, os planos públicos e privados para o Turismo do Douro e do Tua, as entidades ligadas ao Vinho do Porto, ao turismo, o Museu da Régua, etc...De modo a que uns justifiquem os outros, e se apoiem mutuamente numa planificação económica, cultural, ambiental e "logística" ( transportes) que faça sentido : Tua / Douro /Ferrovia / vinho do Porto / turismo

"Ser realista e Exigir o mpossível":

h) O "impossível" (nada é impossível) é enfrentar os lobbies, claro: Falemos da privatização da EDP em curso, então. Esta barragem e todas as barragens do Plano nacional de barragens "valorizam" a EDP, acrescentando margem de lucro futuro aos abutres - perdão, aos investidores - que se seguirão!! Sem a barragem do Tua no pacote a vender a Alemães, Chineses ou Franceses, a privatização vai sair a um preço mais barato. Pior para todos nós... tanto melhor para o vale do Tua que já existe há milhares de anos e se ri de coisas efémeras que as suas escarpas não são obrigadas a compreender... Coragem, portanto, governo.

Para indemnizar a EDP e a Mota Engil não é preciso coragem. É fácil, é o costume.Estamos habituados.

A barragem já não é um problema do malvado Sócrates, é antes um problema do bondoso Passos Coelho...Continuarão a assobiar para o lado, fingindo não haver problema algum? Barragem ou património!

A UNESCO foi claríssima....

( Parece-me que já oiço alguns Autarcas da região, com a grande visão que os tem caracterizado a dizer "Oh, mais valeu mesmo a pena a classificação? O que ganhámos nós com a classificação até agora?

...A classificação não resolveu todos os nossos problemas ! Somos uns meros caciques e irresponsáveis"

i) Se o governo fechar os olhos á polémica, o Douro é desclassificado. Se o Douro fôr desclassificado vai haver revolta, dor e ranger de dentes. Haverá muito menos turistas ( muitos conhecem e vêm porque a zona é classificada, é um chamariz típico do turismo internacional). Com menos turistas há muito menos economia numa economia já em declínio – não esquecer a situação dramática do corte do benefício aos vitivinicultores que está a estrangular os pequenos produtores ( para gaudio de quem defende a lei da selva do Liberalismo no Douro)...Assunção Cristas, Álvaro e José Viegas: Vocês ponham-se a pau com a questão da barragem do Tua: É uma bomba que vos explodirá nas mãos se o Douro fôr desclassificado. É um dossier que é transversal, é simultãneamente "Transportes", "Economia", "Turismo", "Energia" e tudo junto ao mesmo tempo.

i) Que parte da frase "Ou a barragem ou a classificação" é que a EDP não percebeu? A EDP não percebeu definitivamente a frase, pois, logo de seguida disfarça com "areia para os olhos", chamando um Arquitecto – Souto de Moura ao caso – para embelezar a barragem, fazendo crer que com isso está a dar um passo para cumprir os requesitos da UNESCO...Sem comentários. Somos um bocado burros, sim, mas não tão burros como a EDP nos pinta...

j) Exigir Democracia e responsabilidade aos representantes locais é outra causa dentro da causa:  Como explicar os resultados no Douro de quem luta pelos interesses dos Durienses? Um mistério. Bloco de Esquerda e PCP - PEV têm lutado incansávelmente pelos interesses do Douro em multiplos foruns e os seus resultados eleitorais são fracos.E o que fez o deputado por Bragança (PS) Mota Andrade? Nada pela região. Tudo pelos lobbies. Votou sempre pelo Plano nacional de barragens contra os interesses da região.

E o que fará pelo Douro o deputado da nação Pedro Passos Coelho (PSD) eleito por Vila Real?
 
Pedro Figueiredo]

8 comentários:

Fernando B. disse...

Sou do Douro, não tenho nada a ver com os partidos que decidiram ou vão decidir sobre esta matéria. Conheço o campo, onde ando muito de botas, conheço as plantas, as arvores, as videiras e as suas castas...sei fazer vinho, sei tratar das vinhas, e só não moro lá por razões familiares fortes.
Mas gostava de uma abordagem diferente a este caso. Há muito que distingo "saber" de "sabedoria". Temos visto gente de muito "saber" fazer verdadeiras burrices... Estou disponivel para aceitar a paragem imediata, ou para fazer a barragem, não me embebedo com ideias nem com pessoas de muito saber (então se são economistas!!!). Vamos então discutir com "sabedoria"...
É que, sabe Rui, eu conheço um ferveroso ambientalista, que defende o Tua por causa Rafting que vai lá fazer 2 vezes por ano, porque de resto mora na Capital, na Ajuda, com vista sobre o Tejo, e com o carro estacionado na rua, com as rodas em cima do passeio!!!

marujo88 disse...

Como diz o poeta"já é tempo de vir para a rua gritar" e eu digo contra estes gajos que nos estão a desgovernar,não é possível fazer tão mal a este país,estes tipos vieram para o governo para levar o país ao analfabetismo,à miséria,parecem os gestores de falências,ainda me lembro dos anos do salazar,cuidado pois os netos dele chegaram ao poder!
manuel moutinho

Rui Valente disse...

Caro Fernando B.,

sem entrar em detalhes, considerando o custo/benefício de outras barragens, o saldo tem sido mais negativo que vantajoso, sobretudo para as populações das regiões onde elas são instaladas.

Acredito que haja quem encare estes assuntos c/ alguma demagogia, mas se há coisa que o Douro tem de precioso além do vinho, é a paisagem "natural."
E mesmo assim, a melhor, já só está confinada ao Alto Douro, porque mais a jusante existem muitas aberrações urbanísticas que condenaram mortalmente a exploração de um turismo de qualidade.

O Alto Douro, tem de ser muito protegido de projectos faraónicos e de turismo de massas, e das poluentes motinhas d'água.

É necessário muito rigor e uma grande sensibilidade na escolha de projectos que contribuam para o desenvolvimento da região, mas sem a estragar, como tem acontecido quase sempre. O histórico de casos semelhantes não é famoso...

Rui Valente disse...

Caro Manuel Moutinho,

o lado positivo desta crise, consiste na certificação da inutilidade de uma Democracia que deixa os cidadãos presos a esporádicos actos eleitorais e sem qualquer defesa para se livrarem dos governos incompetentes e corruptos. De resto, é só mesmo Fado...

dragao vila pouca disse...

Estou a ficar cada vez pior e por isso, peço a quem está mais lúcido, que me explique: as barragens servem para quê? Quais os benefícios para o zé pagode da construção das barragens? Será que vamos passar a pagar menos pela electricidade? É que já pagamos um balúrdio e a partir de Janeiro, são mais 4%...

Abraço

Rui Valente disse...

Vila Pouca,

as Barragens, em Portugal, são por tradição,para subir o preço da electriciade, nunca para o baixar.

Só nos "entretantos", isto é, na fase das promessas [como agora] é que o preço desce, depois a reslidade é a que já sabemos.

Um abraço

Anónimo disse...

Neste país,os governantes pensam com os joelhos, que é para não dizer outras coisas.
Justifica que se faça um investimento daqueles... para EDP ir ganhar quanto?
E os portugueses, vão ter uma tarifa mais baixa na energia!?
Eu defendo os interesses das populações, mas, também defendo o interesse nacional. Então, não está em causa a qualificação de património mundial se obra for pra frente!?
Já sei, é o que der mais jeito aos interesses instalados. Por isso eles pensam com os joelhos e com a carteira deles.
Estes senhores têm tanto charme meu
Deus...

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO.

dragao vila pouca disse...

Faz hoje 10 anos que os portuenses cometeram o 1º de vários erros que fizeram com que o Porto perdesse força, poder, influência. Para comemorar os 10 anos uma das torres do Aleixo veio abaixo e outras se seguirão a ali nascerá um condomínio de luxo... se os amigos de Duarte Lima, ainda tiverem capacidade para isso, o que duvido muito.
Rio, fiel à sua imagem de marca, assistiu dentro de um barco e no rio, longe das confusões.

Rui, abraço e desculpe este desvio...