30 março, 2015

O princípio de Peter chegou a Pinto da Costa?

Se antecipar um quadro de consequências nefastas para o FCPorto, resultantes de uma crise de liderança, fosse o mesmo que jogar na lotaria, garanto que já estaria rico, e por várias vezes... Portanto, prever o que pode acontecer, segundo parâmetros comportamentais,  não é o mesmo que lançar dados à toa para uma mesa de casino, ou, como diz o povo, com a presunção de alguém com a mania que é bom. A falta de liderança, ou tão só a quebra dela, mesmo que episodicamente, sempre custou caro a quem a perde e aos que dela dependem. Muitas e boas empresas faliram por causa disso, e com os clubes, actualmente organizados em SAD's pode acontecer o mesmo.

A pior coisa que podia acontecer ao FCPorto era perder o seu líder. Por muito que custe admití-lo, eu que fui sempre seu admirador, começo a ter poucas dúvidas que Pinto da Costa atingiu o princípio de Peter, ou seja, chegou ao ponto em que já não consegue fazer o que tão bem fazia até um determinado momento, e em determinadas circunstâncias. Mas o que mais custa, é que ele próprio pareça não se aperceber disso, nem as consequências que daí podem advir para si e para o próprio FCPorto. Custa igualmente admitir que não haja ninguém dentro do seu quadro de amigos, ou da própria SAD, que não tenha a frontalidade de lhe transmitir a gravidade que esta situação pode constituir para o bom funcionamento do clube. Não há qualquer catastrofismo nestas apreciações, porque contra factos não há argumentos.

Primeiro facto - remissão ao silêncio de Pinto da Costa perante situações óbvias de discriminação relativamente simples para justificar protestos categóricos, que contribuíram, de forma directa e indirecta, para o Benfica (principal adversário) se manter com 6, depois com 4, e agora 3 pontos na frente do campeonato. Mas atenção, porque este aproximar do FCPorto, não tem qualquer relação com a melhoria das arbitragens, mas sim com a incompetência do Benfica... 

Segundo facto - todas as situações já referidas (arbitragens tendenciosas), que foram sucessivamente acentuadas em discriminação e descaramento, jornada após jornada, premiando os infractores e o clube beneficiado. 

Terceiro facto - o distanciamento do Presidente no que concerne o desenvolvimento do Porto Canal bem como a qualidade de produção, a par da manifesta inabilidade para o cargo do Director Geral.

Quarto facto - os timings escolhidos para falar, em flagrante contraste com o silêncio ensurdecedor imposto sobre temas da maior importância: os que citei nos factos anteriores, mais a confirmação da inexistência de um plano bem concebido para o Porto Canal. Ora, foi justamente na escolha dos momentos certos para agir que Pinto da Costa mais se destacou. Sabíamos todos que nunca falava por falar, havia sempre um alvo. Agora, fala e decepciona, porque não acrescenta nada de novo. 

Por último, não acredito que nestas circunstâncias as prestações desportivas das equipas técnicas e dos próprios jogadores sejam imunes a desconcentrações, a um certo desânimo mesmo. Considerar uma casualidade o facto de todas as modalidades em que o FCPorto compete estarem a perder o fõlego de outros tempos, é não querer ver o que está à vista. O FCPorto parece uma criancinha a quem lhe tiraram os pais: órfã, e triste. Há paradigmas demais esta época. O mais recente, foi ontem, na disputa da final da Taça em Andebol. Independentemente dos aspectos técnicos e tácticos e anímicos, que estiveram manifestamente mal, com algumas culpas para o treinador Obradovic, e  de o FCPorto ter falhado um livre de 7 metros nos últimos segundos, o árbitro tudo fez para impedir o nosso clube de vencer o troféu, expulsando incompreensivelmente o Ricardo Moreira num momento crucial e sem que se vislumbrasse falta.

Quando uma equipa é ultrajada da forma como foi ontem a de andebol, e não tem um líder capaz de dizer basta, de fazer o que tão bem sabia fazer, tenham paciência, mas não há amor à camisola que resista, porque o líder murchou de vez, e os nossos rivais agradecem. Por este andar, ainda lhe erguem uma estátua...

PS-Do passado recente de Pinto da Costa guardo boa memória, mas pelos vistos ele não. Do primeiro nunca me esquecerei. Deste, sinceramente, prefiro acreditar que é um momento mau. Mas, será que consigo?



7 comentários:

dragao vila pouca disse...

Lamentavelmente, há sinais que são notórios, mas que Pinto da Costa não está a ver ou vê e acha que não é um problema, que se ganhar tudo acaba bem. O pior é se não ganha...
Um líder como Pinto da Costa criava sempre grandes expectativas quando era anunciado que ia falar. Desta vez, falou, mas para dizer aquilo que já sabíamos e a basta ver as reacções para perceber que as pessoas esperavam mais.

Abraço

marujo88 disse...

Estamos a ser roubados escandalosamente em todas as modalidades e os nossos dirigentes continuam mudos, será que a solução vai ser a mesma do basquetebol, acabar com o andebol também? Não podem continuar a fazer de conta que não se passa nada. A direcção do nosso clube que dar um murro na mesa antes que seja tarde de mais.
Abraço
Manuel da Silva Moutinho

Anónimo disse...

O nosso presidente foi amordacado aquando do apito e ainda nao tirou o garrote...o problema e que mesmo amordacado ganhou muitas vezes...quem nao se lembra do jesualdo sozinho ganhar os campeonatos com a administracao toda amordacada?....o problema foi esse eles encostam e como nao ha reacao já nao encostam, apertam...e dos livros.

Rui Valente disse...

Se tudo continuar como até aqui, se nada voltar à "normalidade", se o presidente ou alguém delegado por ele não assumirem as suas responsabilidades - que comporta também defender o clube quando é necessário - podem ter a certeza que isto vai acabar muito mal.

Nesse caso, já não se trata de aburguesamento, mas de abuso de poder e falta de respeito pelos sócios e adeptos.

Mas quando será que esta gente acorda?

rogério almeida disse...

O Presidente está a agir como se não o fosse mais, mas sendo-o ainda. Tem afirmações, comportamentos e registos de quem já presidiu e bem a uma instituição durante anos e décadas, de quem já fez de forma brilhante o seu "trabalho", desempenhou o seu papel, saiu dessa presidência e, agora, pode então permitir-se "divagar" constantemente sobre a "obra" feita. Mas o nosso Presidente esquece-se de um detalhe fundamental: ele ainda é o Presidente. O Mundo não parou. O Clube também não. Como tal, enquanto está em funções, não se pode prestar de forma vincada a tal registo. No dia em que se retirar, sim, poderá incidir os seus comentários e comportamento sobre o passado, sobre as lutas necessárias, sobre a transformação e crescimento do Clube. Enquanto Presidente, enquanto no exercício das funções para as quais os associados confiaram nele, o registo tem que ser outro: criar diariamente as condições para o continuar do sucesso e crescimento do Clube. Esta situação já tem pelo menos meia-dúzia de anos. A Direção, por vezes, parece que vive num mundo próprio, só seu, isolada do resto dos adeptos, isolada do resto do mundo, atuando apenas tendo em conta uma agenda própria. Ou não percebe, o que não acredito, ou então finge não perceber, o que é mais grave ainda. Perderam a motivação? Se perderam, não faltam pessoas disponíveis com os quatro pilares que o Presidente apregoa, para servirem qualquer área do Clube. Seja o futebol, as modalidades, gestão económica e financeira, gestão mediática, gestão das redes soiais, etc. Não estamos em tempo de continuarmos "parados", indiferentes ao que se passa ao nosso redor, julgando que iremos conseguir sempre os nossos objectivos, neste contexto. A época passada foi bem clara nisso. Os adeptos estão saturados de verem o seu Presidente e o seu Clube constantemente enxovalhados. Os adeptos estão saturados com as reações estranhas, sem lógica, sem consistência, a maioria delas muito aquém e várias outras completamente a despropósito, do Clube. Os adeptos estão saturados com o que se vai passando por esses campos e pavilhões fora. Será que quem nos dirige não percebe isto? Será que não têm a verdadeira noção da grandeza e força que o Clube tem e para as quais eles próprios contribuíram de forma decisiva? Nós não somos o mesmo clube de há 30 anos atrás. Temos uma força social incomparavelmente superior. Temos um estatuto nacional e internacional que nunca tivemos. Que tal fazermos de uma vez por todas uso disso? E juntando a tudo isso, temos, hoje, meios que nunca tivemos no passado: um canal de televisão e as redes sociais. Estamos a caminho de 3 milhões de seguidores no facebook. Somos o clube com mais seguidores no twitter e instagram. Chegamos onde queremos, quando queremos. Só somos amordaçados se quisermos ou deixarmos. A direção, por vezes, parece esquecer-se disso. É incompreensível. Talvez estejam também a esquecerem-se que de há trinta anos para cá já surgiram várias novas gerações de adeptos. A gratidão, para esses mesmos adeptos, só será válida enquanto sentirem, no presente, que tudo se está a fazer, sem excepção, em prol desse presente e melhor futuro para o Clube. Como disse o Rui Valente, se tudo isto se mantém, e os resultados desportivos voltarem a não surgir, as coisas vão acabar mal. A direção está a brincar com o fogo. E o Presidente, enquanto Presidente, é o responsável.

Abraço

Anónimo disse...

Estamos a exagerar ???

Rui Valente disse...

Rogério Almeida,

o Presidente, mais a SAD, tornaram-se num caso de estudo preocupante. É que, os resultados desportivos também começam a sê-lo...