26 janeiro, 2017

Samir, o sudanês

Rafael Barbosa (JN)
1 Enquanto escrevo, as televisões dão em direto o debate parlamentar em que se discute se a TSU dos patrões deve ou não baixar, para compensar a subida do salário mínimo de 530 para 557 euros. Só os vejo, não os ouço. Os dedos em riste, as expressões faciais vincadas, os sorrisos irónicos ou cínicos, os aplausos entusiasmados aos chefes. O culminar de quatro semanas de troca de argumentos, de cambalhotas políticas e acrobacias retóricas. Os entendidos chamam a isto debate político. Olhando para as bancadas do Parlamento, assim, sem som, diria que é um teatro. Um teatro absurdo, se tivermos em conta que, na sua origem, está, afinal, se é ou não possível pagar mais um euro por dia a cerca de 650 mil trabalhadores. Gente pobre e explorada que vai continuar a ser pobre e explorada.

2 Enquanto escrevo e olho de relance as televisões, intuindo os decibéis produzidos pelo entusiasmo dos tribunos, recordo o relatório da Oxfam (organização não governamental dedicada ao combate à pobreza e à desigualdade) segundo o qual os oito homens mais poderosos do Mundo acumulam tanta riqueza como os 3600 milhões de pessoas que fazem parte da metade mais pobre da humanidade. E lembro-me, concretamente, de que no segundo lugar, entre os oito empreendedores, está o espanhol Amancio Ortega. E não posso deixar de pensar que é o multimilionário dono do grupo Inditex quem verdadeiramente beneficia do miserável salário mínimo que se paga em Portugal. Mais do que o patrão da pequena ou média empresa têxtil do Vale do Ave que esmaga os preços para conseguir a encomenda da Zara.

3 Enquanto escrevo e observo os gestos quase cacofónicos dos parlamentares, recordo a história de Samir, lida umas horas antes. O rapaz de 17 anos que fugiu à guerra e à fome no Sudão, atravessou o deserto até à costa líbia, fez-se ao Mediterrâneo até Itália, calcorreou a Europa do Sul para o Norte, até ficar encurralado na "Selva" de Calais. Nunca chegará à terra prometida. Morreu este mês, num centro francês de acolhimento para menores, de ataque cardíaco, poucos dias depois de lhe dizerem que o Reino Unido recusava o seu pedido de asilo. É assim, este admirável mundo novo: a riqueza não se partilha, protege-se com muros e arame farpado ou usando os cofres virtuais dos paraísos fiscais. Vivemos o que a Oxfam batiza como a era "dourada" dos super-ricos, alicerçada em dogmas que nenhum político no poder, incluindo os populistas, quer ou pode contrariar: o mercado tem sempre razão e o papel dos governos deve ser minimizado; as empresas têm de maximizar lucros e garantir maiores vantagens para os acionistas, seja qual for o custo; a riqueza individual (mesmo a extrema) é um sinal de sucesso.

* EDITOR-EXECUTIVO

4 comentários:

Barba azul disse...

Caro Rui Valente

"a era "dourada" dos super-ricos, alicerçada em dogmas que nenhum político no poder, incluindo os populistas, quer ou pode contrariar: o mercado tem sempre razão e o papel dos governos deve ser minimizado; as empresas têm de maximizar lucros e garantir maiores vantagens para os acionistas, seja qual for o custo; a riqueza individual (mesmo a extrema) é um sinal de sucesso."

Tudo isso é verdade. E, entre outros, há um motivo forte que contribui para que o mundo tenha chegado a este ponto: a crise moral nas "elites" políticas do mundo ocidental, as quais já não têm valores éticos, nem faróis ideológicos ou religiosos, a orientar as suas condutas pessoais e, enquanto partidos políticos, coletivas. Só conta a sua sobrevivência política, o enriquecimento próprio, à custa de luvas, subornos, lugares "pingues" em pagamento de bons serviços àqueles outros.

Rui Valente disse...

Barba Azul,

inteiramente de acordo. É um mundo mesmo muito feio, este em que vivemos. Sempre com argumentos progressitas, os políticos renderam-se à banca e a quem a controla, o que significa: REGRESSÂO, DESUMANIDADE!

marujo88 disse...

Mundo cão, não falta muito para voltarmos ao tempo em que os patrões vão ao largo da terra escolher os mais fortes, os outros têm que se contentar com a esmola que lhe quiserem dar.
Abraço
Manuel da Silva Moutinho

Anónimo disse...

Estamos a dar bolota de mais à estrema direita, quando o porco estiver gordo e com força, tudo o que foi cultivado para a comunidade com suor, será afocinhado, arrancado como de um javali enraivecido se tratasse.
A culpa muito das vezes não é só do criminoso, também é da vitima que andou tempo demais distraída depois de ter sida avisada.

Abílio Costa.