23 outubro, 2017

E se os cartilheiros vermelhos forem passados a lexívia?


Resultado de imagem para justiça torta


Os últimos 4-5 anos da gestão do FCPorto, foram, sem margem para dúvidas, muito negligentes e desanimadores para todos os portistas. Habituados que estavam a uma liderança forte e competente de Pinto da Costa, nunca chegaram a saber exactamente as causas para uma mudança tão radical. Durante estes anos, nunca se ouviu do presidente uma palavra para os esclarecer, de forma a evitar especulações desagradáveis. Limitou-se a dar uma entrevista no Porto Canal, onde apenas reconheceu que o FCPorto tinha batido no fundo, sem contudo apresentar argumentos convincentes que explicassem os planos que tinha para o fazer voltar à superfície.

Alguns portistas mais complacentes, atribuíam os maus resultados desportivos e financeiros, ora à idade avançada do Presidente, ora aos seus problemas de saúde misturados com outros incidentes que o obrigaram a hospitalizar-se. Outros, apontavam como causas da viragem à retaguarda, a intervenção nem sempre subtil do filho em negócios do futebol, como a compra de jogadores de qualidade duvidosa. Esta última hipótese está ainda por confirmar, apesar de a data da aproximação do Alexandre ao pai, coincidir curiosamente com os anos de insucesso do FCPorto... 

Seja como fôr, o FCPorto de Pinto da Costa perdeu a capacidade de luta que durante muitos anos o notabilizou. Essa, foi talvez a pior, a mais inesperada das surpresas. É um facto! E não creio que seja só para mim.

Sendo portanto um facto a contenção interventiva de Pinto da Costa para as grandes "batalhas", importa agora questionar se terá preparado alguma estratégia para a eventualidade de a investigação da PJ aos emails do Benfica ficar em águas de bacalhau. Se, tenciona manter o programa Universo Porto da Bancada a divulgar outras maroscas entre cartilheiros, ou se pura e simplesmente abandona o barco desta luta, obedecendo passivamente a uma justiça própria de uma República das Bananas. 

Nem quero sequer imaginar nesta última hipótese! Que diabo, eu que sou um simples cidadão, nem por isso me inibo de escrever publicamente a indignação que me vai na alma por viver num país com governantes tão rascas, e o FCPorto que não é propriamente um clube de bairro, não tem meios, nem gente lá dentro capaz de levar este caso às instâncias mais fiáveis da Justiça europeia? Afinal, não vivemos numa aldeia global? Então, testemos-lhe a veracidade!

Se o baixar de braços acontecer (coisa em que não quero acreditar), o FCPorto e todo o staff dirigente estará implicitamente a abdicar da luta, manchando de modo quiçá irreversível a honra do clube e dos seus adeptos. Estará também a contribuir para a degradação, ou mesmo a morte, da própria democracia.

Não acredito que tenha pegado neste caso tão vergonhoso, em que a ética e o respeito são permanentemente desprezados, apenas para alimentar as audiências de um programa de televisão. Se desistir de lutar pela integridade da dupla instituição FCPorto/Porto (isto, não é assunto exclusivo do futebol), estará a anular-se enquanto clube, mas também enquanto cidade e símbolo de multidões de cidadãos! Será também a maior derrota da história do FCPorto fora do campo. Será uma facada na Justiça.

Não vou querer acreditar nesta hipótese. Seria mau demais. Talvez fosse o princípio do fim dos meus posts, sobre a realidade portista. Acho que não escrevia mais.

1 comentário:

Anónimo disse...

Quanto ao senhor presidente JNPC já fez o seu trabalho, neste momento está a mais e começa a ser já um problema, vejam como está o Clube financeiramente.

Aqueles artistas de cartilheiros do clube corrupto já não convencem ninguém, alguns têm conversa de autênticos vigários até já enjoam quando falam.
Eu não sei o que isto vai dar, porque esta gente que manda no clube vermelho corrupto é perigosa e têm muitos amigos na justiça na política e comunicação social, são da capital, são mesmo o clube do regime sem dúvida.
Ainda agora perante toda esta corrupção que vem nos Emails continuam a ser beneficiados vejam o caso dos árbitros, do VAR, é que estas coisas só acontecem com eles, isto é uma grande praga sem dúvida.

Abílio Costa.