06 janeiro, 2018

Serviço público ou privado?


Imagem de perfil de Manuel Luís Mendes
Manuel Luís Mendes

Quando houve, no país, o debate sobre os malefícios e benefícios da televisão pública, ficou claro que a sua existência se devia ao facto da informação neutra e equidistante ficar mais salvaguardada numa estação televisiva pública do que sob a alçada de uma entidade privada sempre mais sujeita aos interesses particulares, do que ao bem público.
Por isso, a RTP seria a única a defender o pluralismo e neutralidade da informação, algo que os privados não garantiriam.
Só que na transmissão do jogo entre o FCPorto e o Rio Ave a parcialidade foi demasiado notória.
Durante todo o encontro não houve uma palavra para a espetacular exibição dos portistas!
Não. Para os comentadores houve sim muitas dificuldades por parte dos vila-condenses que não conseguiam suster os ataques dos dragões.
O mérito não foi, pois, dos líderes do campeonato mas do demérito do adversário.
Chegou – se ao cúmulo de terem ficado escandalizados com uma entrada mais dura de Soares a merecer amarelo, mas nunca vermelho, como pediam os comentadores. Depois, qualquer situação mais incómoda e simples para os da casa, era um perigo constante e um alarme incrível…
Serviço público? Talvez, mas a Benfica TV não faria melhor…
O que importa é que o FCP fez uma exibição de gala e se não houvesse tanto desperdício a goleada seria histórica.
Essa a realidade, embora os telecomentadores de serviço a tenham iludido. 
Como estamos no Natal, haja tolerância, esperando que, no novo ano, algo mude para que tudo não fique na mesma…
Admitindo que no melhor pano cai a nódoa, seria avisado que a RTP ganhasse a consciência de que tem um estatuto que defende o interesse do país e não de um qualquer facciosismo de circunstância. Deveria ser – a tem de ser! – como a seleção nacional de futebol :a equipa de todos nós. Tem de saber que é mais um serviço cívico do que uma empresa particular. O seu lucro é a informação rigorosa e não os dividendos dos acionistas. 
E se algum profissional da casa, não aceitar esta postura, então só lhe resta um caminho :sair pela porta por onde entrou para a Benfica TV, Sporting TV ou Porto Canal…
Aliás, isso aconteceu com vários jornalistas e daí não veio nenhum mal ao mundo. Pelo contrário, houve bom senso e seriedade. Não enganaram quem lhes pagava e foram servir outros patrões.  Tudo certo, pois. 
Inadmissível é parecerem o que não são : independentes. Como diz o povo, quem não quer ser lobo, não lhe veste a pele…
Quanto ao Governo, que tutela o setor, não pode assobiar para o lado e fazer de avestruz. Tem de ser mais interventivo. 
É que sujeita – se a perder, no desporto, os créditos que tem granjeado noutras áreas, com consequências eleitorais imprevisíveis. 
Boas Festas  a todos os leitores do Porto24, independentemente de clubes, são os nossos votos sinceros. 
(de Porto24)

3 comentários:

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,

Governo,Partidos,Órgãos de C.S.,Poderes (reais e aparentes), estão pejados de seguidores do clube mais popular (segundo eles e só eles), o que se constata pela teia de interesses e de controlo da sociedade que sem qualquer pejo, ou vergonha, foi montada, e que já vem de longe, mais precisamente, desde o início da década de 60 e da guerra colonial.

Assim sendo, acho duma ENORME VIOLÊNCIA pedir (exigir), aos governantes e demais implicados, a decência duma séria e higiénica intervenção aos diversos niveis, pelo facto de, alocados que estão ao clube de todos os regimes, lhes ser de todo impossível fazê-lo sem se rirem, tal a desfaçatez com que vão,VENDO,OUVINDO E LENDO e, pasme-se IGNORANDO.

Continuo a acompanhar com muito interesse as matérias trazidas ao blog, pertinentes e incómodas, cumprimentá-lo e desejar-lhe um 2018 dentro das suas expectativas.

Cumprimentos

Rui Valente disse...

Um Bom ano para si também Olaio!

Meu caro, por mais violento que seja, é preciso mexer com eles, tirá-los da sua zona de conforto, mais que não seja para se lembrarem que por estes lados há quem esteja a tirar-lhes a radiografia.

Um abraço

Anónimo disse...

OS MISERÁVEIS.
RTP é uma estação despesista do Estado, chefiada por gente vermelha e muitos incompetentes. No desporto enquanto lá estiver o Vermelho de Paredes nunca será uma Televisão neutra. O mais flagrante daquilo que digo foi com aquele comentador "o Gordo" afecto ao Polvo Vermelho, quando num programa em que ele participava se manifestou de uma forma abrupta do golo do seu Clube Vermelho, sempre indiferente ao assunto e aos colegas...