15 fevereiro, 2018

Breve comentário sobre o FCPorto-Liverpool



Como portista que me orgulho de ser (e portuense também), vou dizer algo que nem todos os que gostam do FCPorto concordarão: a derrota de ontem caiu-me mal pelo número de golos sofridos, mas aceitei-a melhor do que a pouca vergonha que grassa no futebol português. Senti tristeza sim, mas perante a diferença de qualidade entre as duas equipas, conformei-me. Já com as vigarices, não há conformismo possível para mim.

Vamos lá ver. Uma equipa como o FCPorto, que tem praticamente o mesmo plantel que tinha com Lopetegui e Nuno Espírito Santo, que produzia um futebol monótono, de bola para trás e para o lado, que sentia extrema dificuldade para chegar à baliza adversária, cuja solução era fazer marcha a trás, comparada com a de Sérgio Conceição, desculpem-me o brejeirice, era uma grande droga!

Sérgio Conceição fez quase um milagre. E por quê? Porque conseguiu transformar jogadores medianos em bons jogadores, e os bons em muito bons. Agora, o que ele não pode é transformá-los muito mais que isso, porque não depende apenas dele, mas sim de dois factores incontornáveis: das características intrínsecas de cada jogador, e do contexto em que jogam.

Aquilo que mais me fascinou no Liverpool, foi a rapidez de execução da equipa, a precisão, a inteligência, e um detalhe que em Portugal nunca se quis cultivar: o futebol duro, mas leal! Os jogadores do FCPorto não podem ser censurados pelo que aconteceu. A realidade é esta: o Liverpool é muito melhor em todos os aspectos. Uma, ou outra entrada mais dura (é verdade), que o árbitro consentiu indevidamente, quase todos os desarmes do Liverpool derivaram de um enorme poder de antecipação. Tantas foram as ocasiões em que os nossos tinham a bola mais próxima que os adversários, e foram quase sempre ultrapassados. Como detesto a xico-espertice, mesmo no futebol, apesar da derrota, senti um grande alívio por não ver jogadores (de parte a parte), a atirarem-se para o chão, a perderem tempo, a simularem faltas, enfim a ver futebol de 1º. Mundo. A jogar assim, este Liverpool pode ser um sério candidato ao caneco da Champions!  

Não obstante, é justo lembrar que os primeiros 25 minutos (+/-), foram muito bem controlados pela equipa. A concentração era grande, e a primeira oportunidade até foi nossa. O grande problema é que os níveis de concentração para jogar contra equipas desta qualidade têm de ser muito superiores aos do nosso campeonato. A diferença foi essa. Houve uma distracção, sofremos um frango, e tivemos o azar de jogar numa noite de chuva ininterrupta... Nós temos a equipa mais combativa e resiliente do nosso campeonato, mas para campeonatos de países como a Inglaterra, da Alemanha, ou mesmo de Espanha, temos de nos superar, e nem sempre isso basta.

Não é o momento para particularizar, mas um jogador como o Brahimi, tão idolatrado por alguns, tendo potencial técnico falta-lhe a objectividade e sentido prático. Ontem, aconteceu o que já aqui afirmei há muito, quando disse que num campeonato diferente teríamos muitos dissabores com as suas constantes "entregas" de bola aos adversários por querer fazer tudo sozinho e não ter a noção das suas limitações. Vi-o a fazer duas ou três jogadas interessantes, mais nada. Não foi o único, já sei, mas como sempre acontece quando uma equipa de desiquilibra, os melhores, os mais fiáveis comem por tabela. 

De qualquer modo, louva-se a atitude do público, e dos Superdragões, que mesmo na derrota souberam animar a equipa. Os mais esquisitos foram-se embora, e qualquer dia vamos vê-los outra vez a assobiar a equipa com o pacote de pipocas na mão. Se assobiassem para as pessoas certas talvez os assobios tivessem alguma utilidade...     


2 comentários:

Anónimo disse...

Rui, para a historia fica o resultado, um resultado humilhante não só para a equipa como para todos que lá foram. Já passaram pelo Dragão grandes equipas superiores ao Liverpool e humilhados como ontem não me recordo, eu sei que às vezes calha, mas, vamo-nos pôr na pele dos Portistas que lá foram e que viram uma equipa que não conseguia marcar em cima e no capítulo velocidade era um 600 e formula 1. Concluindo desilusão por completo.

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

É verdade Abílio, já passaram pelo Dragão equipas superiores, mas o FCPorto também tinha plantéis com mais qualidade (há que o reconhecer). O nosso plantel só foi reforçado recentemente, e mesmo assim com os jogadores possíveis, uma vez que não há "pilim" para mais.

Mas também lhe digo que não me lembro de ver equipa com tanta qualidade, com tanta precisão de passe e de remate como este Liverpool. Se jogar sempre como jogou com o FCPorto pode bem bater-se com qualquer Real Madrid ou Barcelona. Não fomo nós que jogámos mal, foram eles que jogaram excepcionalmente e nos tiraram brilho. Há que o reconhecer.