13 março, 2018

Por quê calar, se calar é consentir?

Resultado de imagem para justiça

Houvesse um pouco mais de arrojo, muito tínhamos para desmascarar do profundo cinismo que se alojou no país a partir de Lisboa. Podia ser o Porto Canal a realizar esse trabalho, esse verdadeiro serviço público, promovendo debates onde prevalecesse a frontalidade e a  honradez.

Estamos num beco aparentemente sem saída apenas porque nos deixamos enclausurar nas redes de um poder que sendo real, é ilegítimo e nebuloso, e isso faz toda a diferença para nada termos a temer. Nada justifica tanta parcimónia por parte do FCPorto e do Porto Canal. Pelas piores razões, é certo, sermos desconsiderados e prejudicados por gente desta igualha devia ser uma motivação acrescida, e não o contrário. Recorrendo directamente ao Governo, alegando falta de confiança nas instituições desportivas, obrigava-o a retratar-se, e dependendo da resposta, decidir-se-ia então a solução adequada. Isto  podia ser o suficiente para pôr em sentido os incompetentes da FPF e da Liga.

Estou ciente das dificuldades que há para lidar e combater todos aqueles que têm contribuído para este estado de coisas. Nas prioridades das prioridades dos responsáveis, coloco sempre o poder político, os Governos, a Assembleia da República e os Presidente da República (os contemporâneos, e os mais antigos). Além destes, contam-se os advogados, as instituições policiais, e mesmo os da Justiça. Perguntam-me a identidade e o número dos suspeitos? Não posso assegurar, são muitos, mas não são todos, como é expectável. Todos nós sabemos que é assim, mas não podemos aceitar isto como natural. Aliás, são eles próprios que, com as suas decisões incoerentes, e discriminatórias, promovem as suspeitas. Se houver coragem, e se essa coragem assentar em alicerces de íntegridade, não há tribunal que intimide. Os tribunais a sério não foram inventados para intimidar, foram feitos para fazer Justiça.

Partindo dessa premissa, só teme a Justiça quem teme os maus juízes, em poucas palavras, os inimigos da verdadeira Justiça, e esses são para descartar. Quem quer que me esteja a ler, depreenderá naturalmente que não esqueço as excepções, mas não é aos impolutos que me refiro, é aos maus profissionais de todas as áreas.  

É sustentado neste pensamento que me questiono como é que um clube com a dimensão e popularidade do FCPorto, depois de ter conhecimento das vigarices praticadas pelo Benfica e de ser um dos principais lesados, aguardou tanto tempo para anunciar a pretensão de levar uma queixa ao Tribunal dos Direitos do Homem, quando devia saber do que aquela gente é capaz para atingir os seus objectivos. Mesmo a serem investigados, eles continuam a mexer os cordelinhos e só vão parar quando [e se] forem detidos. Não se compreende tanta apatia e a ingenuidade de acreditar que o TDH será célere a decidir. Foi importante recorrer ao TDH, foi melhor que não reagir, isto admitindo que a queixa já seguiu o seu destino, mas duvido que tenha sido a melhor decisão.

Primeira questão: como é possível aceitar-se obedientemente a decisão do tribunal da Relação do Porto de proibir Francisco J. Marques e o FCPorto de falar dos emails do Benfica, quando é do conhecimento público que os mesmos foram entregues à Alta Autoridade Contra a Corrupção da Polícia Juduciária, a partir dos quais foram iniciadas as investigações? 

Segunda questão: tendo a AACCPJ avaliado e aceite os emails para investigação, não estará implicitamente o tribunal da Relação do Porto a desautorizar a Polícia Judiciária profanando a principal fonte do seu trabalho? Há aqui claramente uma contradição entre poderes distintos que se chocam, quando o que seria normal era colaborarem entre si. Esta proibição é no mínimo estranha, e não abona nada a favor da Justiça.

Este modo de actuação pela parte do Tribunal, é tudo, menos coerente, particularmente se nos lembrarmos que no caso do Apito Dourado houve uma autêntica devassa da vida privada de Pinto da Costa em todos os canais de televisão, rádio e imprensa, sem que os tribunais tivessem mexido uma palha para impedir de falar de um caso inventado que mais tarde resultou na inocência do presidente portista.

Portanto, a ser normal o que o tribunal da Relação do Porto agora decidiu, a questão que o FCPorto tem o direito de levantar, é saber por que é que os tribunais estiveram tão passivos no processo Apito Dourado. Terá sido por que o FCPorto não tomou por iniciativa própria a decisão de solicitar aos tribunais uma centena de rolhas para silenciar os betinhos de Lisboa? Ou, será por que, também para a Justiça, há filhos e enteados?

O que acabo de expôr, sem receio de ser notificado, porque para me prenderem não basta ter uma toga, é preciso merecer vestí-la, também o FCPorto e o Porto Canal podiam e deviam fazer, sob pena de um dia virem a ser acusados de prestar vassalagem a uma cambada de criminosos. E por quê? Porque ainda estão à solta. E não pode ser esse o seu habitat natural.

A liberdade é para quem a merece.       

6 comentários:

Felisberto Costa disse...

Caro Rui Valente,
Acabo de comentar no "tasco" do Vila Pouca, algo que entristece quem como nós tenta lutar e contradizer este centralismo saloio, sabujo e ultrapassado.
O cunhado meu, chamou-me á atenção que as equipas que mais anti-jogo fazem contra nós, daquele anti-jogo, reles, sujo e indigno de se ver em campos de futebol, é praticado precisamente pelas equipas do... Norte!!! Sim as equipas nortenhas são as que pior nos fazem e as que cordeiramente abrem as perninhas ao Sul!!!
Clubes como o Paços, o Moreirense, o Aves, o Braga, o Guimarães, clubes que estão bem a Norte de Portugal e que alguns deles até sofrem pela "interioridade", são os mais "porcos" na hora de nos defrontarem.
As honrosas excepções a esses clubes do Norte, dão pelo nome de Rio Ave e Desportivo de Chaves....

Afinal lutar contra Lisboa para quê, se é o próprio Norte que se rebaixa e curva?

Roque disse...

É tudo verdade o que diz caro Rui Valente, mas também é verdade que já durante o AD o FCP nada fez de relevante, juridica, social e políticamente para defender a sua honra, desmascarar a intentona e processar os responsáveis, aqueles que fabricaram os factos para poderem condenar o FCP e PC, tais como o livro da carolina, o envelope com dinheiro, os compadrios de LFV com elementos da PJ, MP, jornalistas e políticos. Tudo que daria vasto manancial para explorar em todos os setores e em nada foi aproveitado em nosso favor, antes deixando-nos arrastar na lama, enxovalhados, sem honra nem glória, completamente ao abandono. O resultado está bem à vista de todos.
A verdade é que temos um Presidente completamente fora de contexto em todos os aspetos. Patético nas intervenções, incapaz de um discurso acertivo e contundente, de assumir eventuais erros e compará-los com outros muito mais graves da concorrência, e de traçar linhas de conduta adequadas ao combate que se impõe em toda a linha, sob pena de sermos completamente engolidos pelo sistema mafioso instalado.

Rui Valente disse...

Caro Felisberto Costa,

não tenho como contestar essa realidade, os nortenhos foram completamente drogados pelo nacional-benfiquismo, o que, gostos à parte, em nada os prestigia, visto ser um clube ligado umbicalmente ao antigo regime, e ao actual, que ainda é pior.


Caro Roque,

suscrevo igualmente o seu comentário. Temos sido demasiado frouxos com os sacanas que nos andam a fazer a vida negra. A falta de liderança resulta nisto. Por isso, faço figas para que Sérgio Conceição seja bem sucedido na grande empreitada que tem pela frente. É que os obstáculos que o esperam, os maiores e mais perigosos não estão no terreno de jogo, estão nesta nossa sociadade
prostituida.


Um abraço para ambos

Rui Valente disse...

Quero acrescentar umas palavrinhas ao meu comentário, reiterando a opinião do Felisberto e do Roque:

sendo factual que o comportamento dos citados clubes do norte é de autêntica vassalagem ao Benfica, é igualmente FACTUAL que nenhum deles
terá direito a queixar-se do CENTRALISMO, porque acabam por ser quem o alimenta.

Anónimo disse...

Infelizmente aqui a Norte ainda há muita cacicada e já um baixar dos braços daqueles que ainda iam fazendo alguma frente esses governos centralistas, um deles era o presidente do FCP talvez pela idade o outro o próprio Rui Moreira presidente da Câmara do Porto e pouco mais. Repare quando se ouve por aí alguns ignorantes alguns vendidos dizendo que o Porto também é centralista está tudo dito. Como sabe há sempre muitos Vasconcelos, muita vermelhada que confunde tudo por ódio a FCP e outros que pura e simplesmente são uns beija a mão aquém lhes dá trabalho em Lisboa e por lá ficam radicados.

Abílio Costa.

Anónimo disse...

Não são apenas os clubes do Norte a subjugarem-se à teia criminosa da Capital.

Vejamos: Presidente da Federação, é do Norte, sofreu na pele a tirania centralista, no entanto chegou a Lisboa, fazem-lhe 30 por uma linha e no entanto é conivente com os mafiosos!

Futuro Director de Informação da RTP que me recuso a mencionar o nome - A mesma coisa e todos sabemos que só alcança o cargo que vai ocupar, por pertencer à corja.

O ex-ministro Rui Gomes da Silva - (Deveria ter lugar no Panteão a criatura que conseguiu fazer deste escroque, ministro). Nado e criado em Campanhã. Eleito também com os votos do povo do Porto.

Ricardo Costa - Um dos arquitectos da teia montada e sempre a conseguir tachos seja através de Ferreira Nunes, ou de figurões ainda mais obscuros. Também é de cá.

Essa pérola do Cervan de onde é? Pois, tal como a Liga de Clubes que deveria zelar por uma competição limpa e transparente.

Boavista, Leixões, Trofense, Ribeirão, Gil Vicente, Moreirense, Rio Ave, Paços de Ferreira... Tudo aliados dos corruptos.

Os famosos juízes que decretaram censura selectiva a orgãos de comunicação do Norte. Uma vez mais são de cá.

Os maiores trapaceiros e traidores encontram-se entre nós.

Ouve-se uma ou outra vez uma voz, alguém como o Rui que escreve umas coisas, mas rápidamente são silenciados.
Um movimento suficientemente poderoso para fazer ruir este estado de coisas dificilmente teria pernas para andar, de tal forma está montada a teia em todo o país, para descredibilizar qualquer tipo de iniciativa.

Um PR que não se preocupasse só com selfies e beijoquices em horário nobre, seria o lider natural para alterar o status quo, mas enfim...o que interessa é ser popularucho.