21 abril, 2018

Alma que não vem de cima, é alma fraca


Vamos lá ver se me faço entender, sem gerar polémicas. Haverá alguém, idóneo, e comedido, que acredite que os slogans ganham campeonatos de per si? Ajudar, ajuda, é verdade, mas não chega. Esta, talvez seja a época da história do Futebol Clube do Porto que obteve mais intenso, e mais incessante apoio dos adeptos. Mas, não é certo que os adeptos possam ganhar  campeonatos apenas com a sua presença... Gostava de acreditar nisso, mas se acontecer, talvez seja melhor não abusar dessa hipotética possibilidade. 

Quando um clube [como é o caso do FCPorto dos últimos, 10/11 anos], anda a competir com clubes protegidos pelos organismos desportivos (não é só no futebol), violando a lei, com a cumplicidade da comunicação social, e do próprio governo, e, como se isso não bastasse, tem um presidente desgastado e ocioso, rodeado de dirigentes acomodados, os slogans nada resolvem. É sempre melhor contar com o apoio dos adeptos que não ter nenhum,  mas isolados os "gritos de guerra" não passam de adereços inocentes. 

É alicerçado nessa convicção que já não sinto a mesma simbiose, a mesma objectividade, com as palavras de ordem do tipo "contra tudo e contra todos". Nesse "todos", entre os que nos maltratam e desconsideram, talvez devêssemos incluir alguns protagonistas que deviam estar do nosso lado na defesa do clube, e não estão.  Não é  fechados nos seus gabinetes, sem se dignarem dar satisfações aos sócios sobre as causas de tanta passividade que se dirige um clube. Aos sócios, porque pagam cotas, mas também aos adeptos em geral. O Porto Canal pede constantemente o nosso apoio e a retribuição que temos dos dirigentes do FCPorto é o silêncio? Quem é que pensam que são? Proprietários do clube?

Não pretendo confundir o tipo e a dimensão dos danos causados pelos nossos adversários com as desconsiderações do sr. presidente Pinto da Costa e da SAD, mas essas desconsiderações também não deixam de provocar danos. Estou cansado de ler na blogosfera portista, e aqui no Renovar o Porto, todo o tipo de queixas contra o Presidente e SAD, umas mais directas, outras nem tanto, mas não posso deixar de lhes dar  razão. Referindo-me concretamente aos sócios, dou-lhes razão porque a têm, mas discordo da reacção. Ou seja, no que planeiam fazer para resolver este grande problema chamado Pinto da Costa. Fica-me sempre a ideia de que estão à espera que outros façam o que compete a si mesmos. Não digo que o façam agora, porque o momento é critico, mas no futuro próximo, mesmo que vençamos o campeonato em curso.

Quando as coisas correm mal, não gosto que as críticas se virem logo para o treinador e para os jogadores, sobretudo quando ainda não houve tempo para as equipas se adaptarem ao treinador e às características dos próprios colegas. Há momentos que eu próprio não resisto a fazê-las a jogadores com "boa imprensa", às vezes prematuramente elogiados, como é o caso de Brahimi, com potencial, mas muito individualista e de rendimento discutível, mas faço-o sempre  no sentido de influenciar para o tornar um jogador mais completo. Só isso.

E se não gosto de criticar as equipas  nesses momentos, se como portista sinto a orfandade da liderança do FCPorto e os efeitos consequentes, também tenho de compreender que o estado de espírito dos jogadores e das equipas técnicas não seja o melhor. Eles sentem na pele a mesma sensação de orfandade, eles têm a mesma noção de vulnerabilidade que têm os portistas e ficam desmoralizados.

Os jogadores são humanos, como nós, alguns são portistas como nós, não são robôs a quem tenhamos de exigir outras competências, que não seja jogar. Defender o clube de crimes, de injúrias pessoais, de dolos desportivos, físicos e económicos, não é aos atletas que compete, por isso, é uma tremenda injustiça concentrar nestes a frustração pelos maus resultados desportivos.

À excepção do Hóquei em Patins, todas as modalidades têm acusado o toque da falta de liderança, e passam notoriamente por uma crise de auto-confiança. Isto mais não é que o reflexo do silêncio de quem já devia ter feito ouvir a voz na defesa do FCPorto às mais altas entidades, sem perder tempo com a Federação e a Liga. Devia exigir a demissão imediata do Secretário de Estado do Desporto! Quando leio o conformismo de determinados adeptos, dizendo coisas como: "não vale a pena", "isto não vai dar em nada", por mais razões que tenham para falar assim, porque o país está de facto irrespirável, pergunto-me se é baixando os braços à adversidade, não lutando "contra tudo e contra todos", como exigem dos jogadores, que dão bons exemplos de lutadores.

Não devemos temer os políticos porque eles precisam de votos para sobreviverem, não pensem que os votos do eleitorado benfiquista lhes chega. A nossa arma é a razão. O Governo está a trair-nos, não há nenhuma razão para travar a nossa indignação. Eles não merecem o lugar onde estão, não têm elevação ética para tanto.

Por que é que não nos unimos e  ameaçamos esta gente de boicotar as próximas eleições? O que está a acontecer dar-nos-á motivos para confiarmos nos políticos que temos e deixá-los anarquisar  o país? E que país? Lisboa não é o país. Estaremos dispostos a dar palco aos Bagões Felix desta vida? Aos Sócrates, aos Duartes Limas, e a esse imenso exército de corruptos associado ao Benfica? O protesto veemente é a única arma democrática que ainda temos, mas é preciso ter a coragem de a usar. Nós estamos a ser tratados como animais, e nem os animais merecem o desprezo que nos reservam.

Psicologicamente o FCPorto não está na melhor forma. O clube, os adeptos e os atletas. Se alguém ousar contrariar essa realidade e os efeitos secundários que uma liderança fraca causam  numa empresa, num governo, ou num clube de futebol, pode sempre ter a certeza que nunca terá um líder.
  

5 comentários:

Anónimo disse...

Caro Rui,

Tem toda a razão!
Estamos a assistir à uma espécie de morte lenta do nosso clube.
Sabe bem que também penso que é tempo de fazer alguma coisa, de mudar, de combater esta pouca vergonha que se passa em Portugal ( ainda escrevo Portugal mas tenho cada vez menos vontade de o fazer)!
Eu, adepto que deixou de ser sócio por causa do estado actual das coisas no FCP, estou disponível para me juntar e fazer parte, modestamente contribuir com o que puder num movimento que tenha como objectivo encontrar e apoiar alguém que esteja disposto a liderar um processo saudável e transparente de mudança no FCP!

Não tenho blogue!
Tão pouco Facebook ( redes sociais “não é a minha praia “ )!

É este o meu contributo aqui num canto que muito aprecio e que consulto diariamente junto com o Dragão até a Morte.

Abraço
DB

Rui Valente disse...

DB

Viva!
Nós, portistas, não temos dúvidas do que se está a passar. Tanto dentro de casa (no FCP), como fora (Corrupção do regime/Benfica).

Perante esta realidade, seremos capazes de nos unirmos sem pensar em interesses pessoais, para combater este maldito cancro?











Soren disse...

As modalidades também passam um período de escassez de dinheiro.

E como não podemos andar a dever 600 milhões ao BES e nem dar acções de valor zero para pagar dívidas de mais umas centenas de milhão, a má gestão financeira paga-se cara em termos desportivos.

O hóquei parece-me que foi a modalidade escolhida para não ser afectada. Nota-se a sangria nos planteis de basket e andebol.

Esperemos que os próximos 3 anos tragam participações dignas na LC e uma gestão financeira equilibrada. Só assim poderemos voltar a lutar por títulos no andebol e no basket.

Anónimo disse...

Alguém dizia os "Velhos fazem a Guerra e os novos morrem em combate".
Stop, parem e pensem, há que mudar o Mofo por uma Lufada de ar Fresco é o que o nosso Clube FCP precisa, tão simples como isto...

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

Soren,

tudo isso é verdade, mas, por exemplo, o plantel de Andebol do FCPorto é praticamente o mesmo que da época anterior. Por que é que saiu o treinador Ricardo Costa que fez um trabalho bem mais positivo que o dimarquês que acaba de ser também dispensado - embora sem atingir os objectivos esperados-, e agora resolvemos tapar o buraco (provisoriamente) com o treinador do Avanca, para ir buscar um Sueco com prestígio mas que pode não chegar se não reforçarmos o plantel?

Deixamos sair o Alexis Borges, o Tiago Rocha e outros e queremos ganhar?
Mas o enfoque dos problemas do Porto não pode ser desviado do fundamental, daquilo que mais no enfraquece que é deixar o clube entregue aos tubarões, como se fosse o Canelas.