20 abril, 2008

CENTRALISMO=A INSURREIÇÃO= A VIOLÊNCIA

Insisto. Só quem viver com os pés na terra e a cabeça noutro planeta qualquer, é que ainda acredita (isto, se for daqueles que algum dia acreditou), que não se pode misturar o futebol com a política. O princípio até podia ser recomendável se nã fosse completamente surrrealista, mas é.

Cada vez me convenço mais que, em Portugal (como me custa agora, pronunciar este nome) o futebol tem servido para encobrir muita tramóia, muito oportunismo, muita projecção pessoal dos próprios profissionais da política. Se compararmos bem os escândalos financeiros do futebol com os da política e até do resto da sociedade, chegaremos à conclusão que estão longe de ser os mais expressivos em termos de prejuízo para o erário público.

O post anterior é uma excelente amostra para percebermos ao ponto a que chegou a noção de país neste rincão pobre e remoto da Europa mais civilizada. Um cineasta da capital, sem qualquer expressão internacional e mediocremente sucedido no país profundo, chegou a ponto de pensar que a credibilidade de uma notícia podia ser considerada séria mesmo quando oriunda das fontes mais suspeitas que possamos imaginar. Porque, para ele, ser juíz em causa própria é um acto de honestidade!

Vejam bem como estas mentalidades coincidem com as dos próprios mídia e fazedores de opinião de Lisboa que já mal utilizam o nome do país quando aparentemente a ele se referem, e que, sem o mínimo sinal de respeito falam dos interesses da capital como se fossem os interesses do país (apesar de tudo) real.

Quando vejo Sócrates a falar ao "país" com aquele porte de falso vencedor, com um sarcástico otpimismo completamente deslocado da realidade, a apontar o dedo afirmativo de uma competência que não tem, dá-me vontade de trepar pelas paredes...

Este homem não vive aqui, não levanta o rabinho de Lisboa, trabalha apenas e só para ela e anda a fazer de nós portuenses uma tribo de pacóvios.

Bem piores do que ele, são os lambe-botas do burgo, esses burgueses interesseiros e medrosos que sem relevância genuína vivem submissamente colados ao poder para se projectarem. São os piores inimigos do Porto. Os internos, aqueles que tudo continuam a fazer para emperrar o nosso desenvolvimento a nossa autonomia regional. Os que pactuam com esta humilhação. Calam-se, escondem-se, vivem arredados das carências do povo e quando falam dele, fingem vê-lo na sua própria imagem para melhor conviverem com a falsidade.

Como abutres, saem das escarpas das montanhas e voam apenas quando lhes cheira a cadáver, quando o trabalho de sapa foi feito por outros e candidatam-se ao poder mesmo sabendo que ninguém do povo os conhece.

Não será este cenário afinal, o que está neste preciso momento por detrás da demissão deLuís Filipe Menezes? É ou não é? Quem é Aguiar Branco? Que expressão pública tem este homem? O pouco que se sabe, é que é advogado e amigo de Rui Rio (o que não é bom presságio, note-se). Quem estará disponível agora para ouvir (se chegar a candidatar-se ao poleiro do PSD) este homem que, não mexeu até agora uma palha para tornar públicas as suas ideias em relação ao Porto e ao país (se é que as tem), que se manteve na penumbra impávido e sereno (como Rui Rio) face a estas arbitrariedades infligidas à nossa cidade? O que podemos nós esperar de personagem tão vulgar?

Eu só gostava de saber, é se vendo o que está bem à vista de todos (excepto, claro, os da teta partidária) haverá alguém que ainda se disporá a depositar um voto de confiança nesta gente e a acreditar na solenidade de qualquer acto eleitoral com protagonistas desta categoria!

Eu não serei seguramente. Quero demais ao meu país para me tornar mais um cumplíce da sua destruição.

Sem comentários: