17 novembro, 2009

Mário Soares, the monster

Diz o ditado que "mais vale cair em graça do que ser engraçado", e faz sentido.
Os media, através dos jornalistas, estão permanentemente a injectar credibilidade a este provérbio popular. Ora, para enfatizar alguma coisa ou alguém que lhes caia no gôto, ora para as infernizar. Agem vezes de mais com a emoção, e poucas com a razão.
Mário Soares, é o paradigma da primeira parte da frase popular. Caiu em graça. Fizeram [e ainda fazem] dele, muito mais daquilo que ele é realmente, e vale. Nunca percebi bem porquê, a não ser pela filosofia de rua que acabo de exemplificar. Ou, então, será talvez por Mário Soares se ter notabilizado na defesa das "amplas liberdades" sem muito se importar com as regras que lhe dão sustentabilidade. A tolerância [ouvi-o eu dizer, há muitos anos atrás], não pode ter limites, se tiver, não é tolerância! Fiquei pasmado, e desejei secretamente que nunca lhe acontecesse nada de mau, tanto a ele prório, como aos seus familiares mais próximos, para não ter de o ver a engolir aquela "maxima" disparatada! Felizmente para ele, o meu desejo cumpriu-se.
Agora, já com o respeitável peso da idade, continua fiel à sua cartilha feita de contradições. Sobre a mais recente esterqueira [o caso Face Oculta], onde os seus pares partidários fazem questão de chafurdar, o melhor que lhe ocorreu dizer foi "que não passava de um caso comezinho"! Que exemplo, senhor Dr. Mário Soares!
Há muito tempo atrás, na altura em que era Mário Soares 1º.Ministro do 9º. Governo Constitucional, entre 1983 e 1985, eu contactava com muitas pessoas ligadas a empresas, e nunca me hei-de esquecer de um empresário que militava no CDS [na altura não havia o PP...] que, depois de ter passado o tempo a "malhar" no Partido Socialista me ter dito: "deixe estar amigo, "isto [referindo-se à governabilidade do país], é uma bandalheira, mas é assim que se ganha mais dinheiro!"...
Despedi-me a matutar naquela misteriosa frase do senhor empresário de uma fábrica de calçado. A partir daí, até aos dias de hoje, tudo faz sentido. Incluindo o dinossauro, esse gigante da política - segundo a óptica corrente de muitos jornalistas - Sua Exa. o Dr. Mário Soares*...
*Por falar em MS, lembram-se de, nas suas infindáveis entrevistas e conferências, o terem ouvido falar a sério da Regionalização? Viram-no incomodado com o que está a acontecer no Norte do país? Eu, não.

7 comentários:

Anónimo disse...

M.S.como primeiro ministro foi aquilo que nós já sabemos.
Ignorou sempre a regionalização.
Em relação á segurança; tirou autoridade à polícia,e ainda hoje
sofremos com isso.
Cavaco, R.Eanes entre outros são
pessoas com quem nunca se deu lá muito bem,por ciumeira políticas.
Na desconalização foi um desastre.
Como Presidente da República;foi um
turista: passeou e comeu (é um bom
garfo)à fartazana nunca nenhum
presidente viajou tanto como ele.
è mais um político da Capital do Império,ou não fosse ele um "alfacinha de gema".
É um Socialista que sempre gostou
viver e vive muito bem.

Quanto à Bandeira Nacional quando
esteve no exílio em França se a calcou ou não (...) algúém disse
que sim.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO.

dragao vila pouca disse...

Cometeu erros? Claro que sim, mas eu gosto do Marocas...

Um abraço

renato disse...

Caro Rui!

Todos sabemos que Mário Soares, foi o precursor do facilitismo e do deixa andar esta democracia "musculada", centralizada! Até disse que era preciso meter o socialismo na gaveta e meteu-o! Mas qual socialismo é que defende? O das fundações? O dos Amigos? O dos centralistas? O do L'Etad c'est moi?

São interpretes como este que tanto apelam à Ética, e dizem disparates desta jaez, que provocam a ira, dos justos e sensatos.




Renato Oliveira

Rui Farinas disse...

Mário Soares sempre foi um bon-vivant mas todos os pontos fracos da sua actuação são, para mim, absolvidos por uma atitude que tomou durante os tempos quentes da revolução: sempre resistiu ao "canto da sereia" de Álvaro Cunhal e por isso lhe devemos termos evitado ou uma guerra civil ou a transformação do país no que se tornou a Checoslováquia em 1946.

Um abraço

Rui Valente disse...

Vila Pouca,

o ar de simpatia é talvez a sua maior "arma". Receio bem que até esse detalhe da sua personalidade não corresponda à realidade...

Eu tolero-o,apenas. Sobrtetudo agora que já não é um jovenzinho.

Um abraço

Rui Valente disse...

Rui Farinas,

para um "dinossauro" da política - na minha perspectiva, claro - é muito pouco para o absolver de tudo o que prometeu e não cumpriu.

Foi o primeiro modelo do político-tipo que hoje abunda por estas bandas.

A integração na Comunidade Europeia era inevitável, tal como o desmoronar do comunismo.

Um abraço

Rui Valente disse...

Renato,

o socialismo de Mário Soares é o capitalismo de hoje, sem regras nem humanismo.

Um abrtaço