23 novembro, 2009

Os dirigentes que o futebol tem

Num país normal, com uns media objectivamente isentos, não haveria mais que meia dúzia de linhas sobre o assunto: uma partida de futebol foi adiada para data a definir, devido ao campo de jogos estar impraticável. Ponto final. Mas não, nós não estamos num país normal, estamos em Portugal com comentadores e opinion makers maioritariamente tão parciais que chegam a ser desonestos, torcendo para o lado dos "vermelhos" tão descaradamente que o manto de imparcialidade com que pretendem cobrir-se está tão esfarrapado que não esconde coisa nenhuma.

Tratando-se de atacar o FCPorto, aí estão esses chacais a tentar morder para saciar o seu ódio e, neste caso, acrescidamente com um forte sentimento de frustração porque tinham a secreta esperança de que os Dragões perdessem o jogo e simultaneamente fossem obrigados a mandar para o estaleiro alguns dos seus jogadores nucleares.

Na realidade, até aqui nada de novo, pois as manifestações desses ódios pretensamente encobertos são habituais, mas neste caso há mais ilações a tirar. A primeira é a pobreza intelectual da argumentação do presidente da Oliveirense, afirmando que " já realizámos aqui jogos em condições piores e não houve problemas"(!!). Declarou também que se criou um "precedente perigoso", por ser possível que as equipas de Liga de Honra também recusem jogar em tais condições. Isto, note-se, opiniões de um "dirigente" que concorda que o relvado estava impraticável. Em que ficamos? Será que "dirigentes" deste calibre não compreendem que os profissionais de futebol tem tanto direito a ver salvaguardada a sua integridade física como qualquer outro trabalhador, e também que quem paga bilhete tem o direito de ver a sua despesa retribuída por um espectáculo com um mínimo de qualidade?

Outra ilação a tirar, é que mais uma vez a Liga de Clubes, sob a direcção do seu actual presidente, deu provas de incapacidade que justificam a necessidade de que, o mais rapidamente possível, haja uma total mudança na sua estrutura directiva, desejo este que se pode tornar extensivo à FPF que também sai muito mal neste retrato.

O futebol português merecia outro tipo de dirigentes.

4 comentários:

dragao vila pouca disse...

Caro Farinas, esse é que é o problema...Se não fosse o caso do anti-portismo doentio, todos se colocavam ao lado do F.C.Porto, para que, no futuro, os jogos fossem sempre em campos com o mínimo de condições. Mas, meu caro isso neste país é pedir de mais.

Um abraço

Rui Valente disse...

Só o futebol Rui Farinas? Ser português nesta altura é não ter vergonha de existir! Eu não sou português! Não quero!

Sou galaguêz! Assim, sinto-me melhor...

Um abraço

renato disse...

Caro Rui Farinas!

E pensar que este dirigente da Oliveirense, é sócio do FCPorto e que no próximo jogo com o Chelsea, vai estar no camarote presidencial!!!

Mas se tivesse acontecido com o benfica ou o spoorting, este senhor certamente não dizia as asneiras que vociferou para a comunicação social!

É o país que os "portugueses" merecem!

Abraço,

Renato

Anónimo disse...

Estes Mabecos não têm vergonha
nenhuma.Primeiro dizem que o campo
não tem condicões para a prática de
futebol! mas depois também dizem,
que já lá jogaram outras equipas nas mesmas condições !...em que é que ficamos ?...

A culpa neste caso é da FPF e LIGA.
Campos como este, que não tem condições de segurança nem da prática de futebol, e, que são
de equipas que já estão neste escalão;não devia ser autorizadas
a jogar; até terem as mínimas condições.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO.