16 março, 2010

A política é porca, ou são os políticos?

Quem se deu à curiosidade de acompanhar o 32º. Congresso do PSD não deve ter dado como perdido o seu tempo. Isto, apreciado, como é óbvio, num contexto meramente anedótico, porque se for encarado com a seriedade devida, a conclusão será completamente oposta. Foi um espectáculo confrangedor, que enterra a classe política nas profundezas da lama mais pestilenta.

Depois de ouvirmos um Presidente da Câmara [das Caldas da Raínha] fazer declarações públicas - com duvidoso sentido de humor -, quando alguém lhe estende um copo de água, dizer "dá-me antes um copo de vinho", ou "se eu não fosse mentiroso não era Presidente de Câmara", ficamos com a Certidão Factual de Qualidade [a tautologia é propositada] dos nossos representantes políticos, sejam eles da oposição [como foi o caso], sejam do Governo. Não têm nível, educação, nem ideias, nem ideologias. Têm uma única meta: o Poder.

Não esperem portanto, da minha parte, que realce [como fazem muitos jornalistas] as bocas fúteis dos políticos, como hoje, por exemplo, fez o Público, que, não resistindo à banalidade do costume, lá colocou a setinha apontada para o "céu" sobre a imagem de Mário Soares, só por ele ter dito que há falta de debate político no PS.
É preciso ser-se ideologicamente muito pobre e profissionalmente conservador para realçar frases de circunstância, vazias e subjectivas, sobretudo vindas de um homem que [vá-se lá saber porquê] tem mais fama do que merecido prestígio . A história de Mário Soares vai surpreender muita gente quando forem do conhecimento público muitas e estranhas situações em que se envolveu e das quais saiu praticamente impune.

Aliás, pessoalmente, considero-o coresponsável pela degradação da democracia em Portugal, onde se passou a confundir a anarquia com a Liberdade. Aliás, também, é muito suspeita a defesa que faz de José Sócrates depois de saber das sucessivas embrulhadas em que ele se "deixa" envolver.
Não, meus senhores, que ninguém me queira convencer que no Processo Casa Pia, só os "tubarões" estão inocentes, e as crianças abusadas, as culpadas. Que ninguém me queira convencer que dos casos Melancia/Macau, Moderna, Freeport, Face Oculta, BPP, o BPN, BCP, e tantos outros, não haja um único político enterrado até ao pescoço em esquemas objectivamente criminosos, porque simplesmente não acredito. Olho para os políticos com o olhar certeiro de quem olha para potenciais vigaristas, e esse sentimento, por mais injusto que possa ser para alguns, só daqui a muito tempo, depois de invertida esta reputação por empenho dos próprios, é que o conseguirei alterar. Não me impressiono com a verborreia cínica dos governantes, ou se me impressiono é apenas com sentimentos de nojo e de desprezo.

Medina Carreira tem posto a boca no trombone, toda a gente sabe que ele está a dizer a pura verdade, e todavia, há sempre alguém que resiste à verdade, com receio de perder privilégios de duvidoso mérito e cair do pedestal onde se colocou [ou ajudaram a colocar]. Não me venham cá dizer que Medina também lá esteve e que não fez nada, porque ter saído do Partido Socialista em total desacordo com a política imposta pelo 1º. Ministro de então, o benquisto Mário Soares, faz a diferença, e dá-lhe o direito legítimo para hoje dizer o que diz...
Irónica, ou apenas fortuitamente, o Ministro das Finanças de então era o ex-Governador do Banco de Portugal, o Sr. Dr. Victor Constâncio, hoje o "homem de sucesso" que saltou para a vice-Presidência do Banco Central Europeu... Se isto é tudo fruto da casualidade, é caso para dizer que há homens com sorte, mas o facto é que não acredito nessa versão simplista. Tudo se parece mais com um polvo à siciliana do que com uma Governação, mesmo que desastrada e desastrosa para o país.

6 comentários:

dragao vila pouca disse...

É óbvio que tem a ver com os homens. A política é uma causa nobre, que devia merecer respeito e não assistirmos a estas constantes confusões que a descredibilizam sistematicamente.

Um abraço

Rui Farinas disse...

Ainda que apresentado com tintas mordazes e impiedosas,penso que tudo o que o Rui Valente diz é basicamente verdade. Por isso há cada vez mais gente-entre os quais me incluo- a pedir a liquidação da 3ª República e a instauração duma
4ª, expurgada dos vícios e defeitos que agora nos atormentam.Wishful Thinking? Provavelmente.

condor disse...

Enquanto os povos dos vários países da europa onde pululam estes glutões sorvedores do suor de quem trabalha não se revoltar e a exemplo do que aconteceu durante a revolução Francesa não montar uma guilhotina em cada praça das suas cidades isto não se endireita!
Vejam os Penedos que temos de sustentar enquanto o ministro das fananças diz que vamos pagar mais impostos,nós classe média que já não existe!

Anónimo disse...

Poucos são os acreditam na politica
e nos políticos.
Porque a política, é feita por políticos; e estes políticos da 3ª República, já cá andam à 30 anos a
governarem-se e a chular o país e
o povo em nome da democracia. Tudo
vai continuar na mesma por mais uns largos anos. Porque estes políticos não têm competência nem honestidade.

Eu não sei, se é por ser um grande (...)presidente das "Caldas" que lhe fugiu a boca para a verdade!!!mas o que ele disse, é verdade verdadinha.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO

portodocrime disse...

Amigo Rui Valente

Vale o que vale

achei isto por aí

Salários Públicos

Mata da Costa: Presidente dos CTT, 200.200 Euro lisboa
Carlos Tavares: CMVM, 245.552 euros lisboa
Antonio Oliveira Fonseca: Metro do Porto, 96.507 Euro Porto
Guilhermino Rodrigues: ANA, 133.000 Euro lisboa
Fernanda Meneses: STCP, 58.859 Euro Porto
José Manuel Rodrigues: Carris 58.865 Euro lisboa
Joaquim Reis: Metro de Lisboa, 66.536 Euro lisboa
Vítor Constâncio: Banco de Portugal, 249.448 Euro lisboa
Luís Pardal: Refer, 66.536 Euro lisboa
Amado da Silva: Anacom, Autoridade Reguladora da Comunicação Social, 224.000 Euro lisboa
Faria de Oliveira: CGD, 371.000 Euro lisboa
Pedro Serra: AdP, 126.686 Euro lisboa
José Plácido Reis: Parpública, 134.197 Euro lisboa
Cardoso dos Reis: CP, 69.110 Euro lisboa
Vítor Santos: ERSE, Entidade Reguladora da Energia, 233.857 Euro lisboa
Fernando Nogueira: ISP, Instituto dos Seguros de Portugal, 247.938 euro lisboa
Guilherme Costa: RTP, 250.040 Euro lisboa
Afonso Camões: Lusa, 89.299 Euro lisboa
Fernando Pinto: A TAP, 420.000 Euro lisboa
Henrique Granadeiro: PT, 365.000 Euro lisboa


prontos.

Abraço

Rui Valente disse...

portodocrime,

«vale o que vale», mas pela preciosa lista de "notáveis", não vale pouco.

Um abraço amigo