31 outubro, 2012

O Dragão de Honra, Pinto da Costa e Durão Barroso

Sobre a hipocrisia, que, dependendo dos casos, tão proveito faz a uns, e mais prejuízo provoca a outros, vou aqui recordar um episódio ocorrido num pub da Foz, já lá vão uns anitos, onde me encontrei com um grupo de amigos [e amigas] para beber um copo.

A determinada altura do convívio, um fulano, visivelmente embriagado, abordou a nossa mesa, e com a descontracção típica dos copofónicos, dirigiu-se a um dos meus amigos e disse-lhe: "não vou com a sua cara, não gosto de si"!   Como podem imaginar ficámos atónitos com tanta "sinceridade", mas não pudemos evitar um certo constrangimento que foi prontamente sanado com a intervenção sensata e oportuna do barman que nos disse baixinho: peço-lhes desculpa pelo incómodo, mas este senhor é o meu patrão. Não liguem.   Entretanto, o homem lá se afastou e o incidente morreu ali mesmo. Escusado será dizer que nunca mais lá voltamos, não é...

Esta cena veio-me à memória quando tentava descobrir o que motiva a falsidade de certas pessoas nas suas relações com os outros, e cheguei à conclusão que além do binómio simpatia/antipatia que todos nós sentimos naturalmente por alguém, existe um outro bem mais mesquinho, que é o interesse e o desinteresse. Para sermos cordeais e bem educados com estranhos também não precisamos de ser extremistas e seguir o exemplo de "frontalidade e boa educação" do homem do bar, porque há coisas que não se devem dizer, principalmente se não conhecemos bem a pessoa que temos pela frente. Já me sucedeu algumas vezes [poucas, é certo] antipatizar com pessoas que vieram a revelar-se excepcionais, e o contrário também, embora deva dizer que o instinto raramente me traiu . Por isso, nada de exageros. 

Mas foi a entrega do Dragão de Honra a Durão Barroso por Pinto da Costa que me incomodou e inspirou para a história que vos contei.  É que, em certos aspectos, não tenho nenhuma afinidade com Pinto da Costa, embora o admire em muitos outros. Pessoalmente, não fui capaz de encontrar uma razão plausível e de justa objectividade para ele, ou se preferirem, para o FCPorto, brindar Durão Barroso, um ex-1º.Ministro banal, que abandonou literalmente o cargo para ir ocupar outro mais atractivo na União Europeia. Dir-me-ão que não trocou um cargo importante por outro qualquer, é verdade. E daí? É assim que se credibiliza a responsabilidade política? E o que é que os portugueses ganharam com isso? Prestígio? Não, está claro!. Se prestígio houve, foi para ele, mas não deixa de ser um prestígio meramente formal, de fachada, sem qualquer benefício prático para nós ou para a própria União Europeia, excepto para Angela Merkel, a quem obedece com invulgar fidelidade... Prestígio, quem o teve - porque soube fazer por merecê-lo - foi Jacques Delors, que teve um papel fundamental na realização do Tratado de Mastricht que esteve na origem da actual União Europeia, e que agora está, como sabemos, sob a presidência de Barroso...  

Mas voltando a Pinto da Costa, que é bem mais importante. Eu não gostei do que vi, é verdade, mas eu não tenho o mesmo temperamento que ele, nem a mesma aptidão para negociar adversidades. Ele tem-na, e nisso supera qualquer um, tanto cá dentro como no estrangeiro. Todavia, continuo a pensar que, depois dos vexames públicos a que foi submetido, com a comunicação social em coro a perseguí-lo, a acusá-lo de toda a espécie de ilegalidades, sem que se ouvisse claramente da parte dos governantes uma palavra de repúdio contra a situação, achei despropositada a ideia de distinguir Durão Barroso, só porque esteve presente nas finais de Sevilha e Gelsenkirchen. Vejamos:  não terá sido antes Durão Barroso que procurou colar a sua imagem à carreira de sucesso de FCPorto, ou terá sido por simples respeito ao clube e a Pinto da Costa? Por que não apareceu ele então quando o presidente portista foi tratado abaixo de cão? São estas "tolerâncias" de Pinto da Costa que me fazem impressão.

É claramente neste tipo de terreno, meio pantanoso, que PC se mexe como poucos. No fundo, é próprio de alguém com um enorme talento para se adaptar a uma sociedade cínica, que não valoriza a frontalidade, que hoje abraça e amanhã já está a enganar, que explica em parte o seu êxito como dirigente supremo do FCPorto. Ele tem a perfeita noção de que, para atenuar tensões e ultrapassar os obstáculos que certos adversários lhe montam, não pode criar rupturas definitivas [sobretudo com gente politicamente poderosa]. Pinto da Costa, ao contrário dos presidentes dos clubes de Lisboa, nunca teve a comunicação social a apoiá-lo, e muito menos o(s) Governo(s), que como estamos fartos de saber, é o mais centralista e castrador da Europa.

Neste ambiente de constante perseguição e suspeita [que incrivelmente ainda se mantém, embora de forma menos descarada, e depois de PC já ter sido julgado e ilibado da maioria dos crimes de que era acusado], não sei se outra pessoa, mesmo com créditos firmados, com uma personalidade diferente de Pinto da Costa, teria capacidade para lidar com tanta adversidade, tanta ratoeira e tanto ódio.

É também por essa razão que, embora discorde de algumas das decisões que tomou ao longo da sua gloriosa carreira, que continuo a sentir uma grande admiração por Pinto da Costa e que estarei sempre contra os autores destes embustes. Até porque, a nível regional não conheço ninguém que defenda a sua dama [o FCPorto] e o Norte como ele. E mais: creio que lá no fundo, até deve ser um gajo porreiro. Difícil,  talvez, mas Pinto da Costa é mesmo um tipo fixe!




14 comentários:

Anónimo disse...

Tudo bem... mas nesta democracia hipócrita e podre, a maior parte das vezes entrega-se o prémio com uma mão e com a outra tem-se um punhal atrás das costas! não será bem o caso, mas como o Sr Pinto da Costa não explicou, ele lá sabe porque o distingui-o. Eu como não tenho nenhuma simpatia por quem fugiu a compromissos nacionais para abraçar um bom tacho, engoli em seco.
O futebol é assim mesmo, quando se anda encima no topo, não faltam os colas e os oportunistas.
Eu não gosto de muitas atitudes do sr Pinto da Costa, mas como portista que sou, só lhe desejo muita saúde e muitos anos de vida à frente do FCPorto.

O PORTO É GRANDE, VIVA O PORTO.

dragao vila pouca disse...

Rui, concordo. A última que ouvi, foi: Pinto da Costa com a entrega do Dragão de Ouro a Barroso, mostrou a rr - sabe quem é, não sabe? - o trsite que é.

Abraço

Anónimo disse...

aqui reina a hipocrisia

marujo88 disse...

Concordo com o que disse/escreveu, mas infelizmente para os vencer, tem que ser assim, embora eu não defenda essa atitude, ele sabe porque o faz.
Abraço
manuel moutinho

Dragaoatento disse...

Rui Valente!

Vou passar a ser um frequentador mais assíduo de Renovar o Porto, porque todos os textos produzidos aqui são de óptima qualidade (excepcionais)

Cumprimentos
Armando Monteiro

Luis disse...

Enfim,gosto muito do Presidente Pinto da Costa mas sei diferenciar as suas opções como pessoa.Quando soube que esse sr.barroso tinha recebido o dragão de ouro pensei que vai ficar para a história como um tesourinho deprimente!Triste figura...

Luis disse...

A minha admiração pela figura do Presidente Pinto da Costa não me tolda as ideias.Sou Portista,Tripeiro com muito orgulho, mas não sou carneiro!Foi uma cena triste digna de um tesourinho deprimente.Não gostei sinceramente e acho uma afronta ao povo que passa dificuldades tremendas.A história se encarregará de julgar.Simplesmente lamentável!

Anónimo disse...

Não havia necessidade, nós sempre vencemos contra tudo e contra todos.
Nem Chernes nem Relvados nos darão mais força, pelo contrário, que estes dois sportiguistas que não passam de uns choringas que portugal tem que banir da nossa sociedade a que eles tão mal fazem.

Sr presidente Pinto da Costa, veja se numa próxima entrega de Dragões de Ouro, não ficam de fora verdadeiros Portistas que dão ou já deram tudo ao FCPorto.
O FCP precisa de gente, mesmo que sejam portistas, que sirvam o clube e que não se sirvam dele.
Este é o sentimento de um portista.

O PORTO É GRANDE, VIVA O PORTO.

Fernando B. disse...

Também fiquei muito descontente com algumas coisas na Festa do Dragão de Ouro !
A certa altura aquilo parecia a refundação do PSD no Norte, para o que der e vier...Ou o comité de Durão à Presidencia...
Arnault será o chefe deste comité já em trabalhos adiantados, podem crer...Claro que Arnault tem ligações à Federação, e a J.Oliveira...A Maçonaria também anda por aqui...
Mas o Dragão de Honra !!??
Espetadela no Rui Rio ? Soprada pelo Meneses...
Enfim, ouçamos Haendel, "tão humanamente emocional" como diz o locutor da Antena 2. Bom Feriado

Rui Valente disse...

Luís.

Desculpe, mas não percebi nada disto:

"Foi uma cena triste digna de um tesourinho deprimente"

Traduza-me faz favor.
Obrigado.

Luis disse...

Caro Rui Valente,traduzo em Português muito simples:era uma cena perfeitamente escusada.Dar um Dragão de ouro a um dos responsáveis pelos mais vis ataques ao Povo trabalhador foi mesmo deprimente!Cada um é livre de tomar as suas opções,a mim chocou-me como Portista e Tripeiro e como Português.

ae disse...

No país dos escroques,é assim...vale tudo.

Anónimo disse...

Estamos a passar um grande mau bocado e não podemos desperdiçar Dragões de Ouro à toa. Não podemos dar pérolas a porcos.
Eu entre uma cobra e um vermelho, mato primeiro o vermelho.

Estou à espera da nova grelha do Porto Canal para ver se vamos ter uma nova voz da Cidade e do Norte, mesmo que seja um Canal Nacional. Também espero ver, onde e como, vai ficar Imagem FCP neste mesmo Canal.

A crise também bateu à porta no futebol.- Sr presidente Pinto da Costa, estamos cada vez mais a ter menos gente assistir aos jogos, embora seja geral, mas falo do que se passa no nosso estádio. É urgente pensar ou repensar, na política dos preços dos bilhetes e das cotas para não se ter grandes dissabores. Vamos tentar ser pioneiros nestas acções, para que não venha um qualquer Traficante dizer que foi ele o pensador e o herói da pátria.

O PORTO É GRANDE, VIVA O PORTO.

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Revejo-me completamente no seu texto , EXCELENTE.
Também não gostei, mas não sei se foi por mal-estar daquela atribuição, fiquei com a sensação de que o próprio JNPC gestualmente deu sinais de graxa, passou o tempo todo enquanto o DB discursava a fazer festas (graxa) na cabeça da estatueta do Dragão e a rir-se. Se a minha interpretação for correta, falta saber a finalidade.
Já agora um reparo não sei se estou a fazer um bom juízo porque só vi uma reportagem sobre o assunto e sem referência ao Coliseu.
Mas arrisco a fazer um comentário com base nessas imagens, nada de extraordinário foi abordado sem algum risco.
O Sr. Desembargador Juiz Rangel fez uma alusão (no programa da TV – justiça Cega) que o Sr. DB à saída do Coliseu foi insultado e quase agredido e segundo a sua tese a situação foi tão grave que pôs em causa a política das forças de segurança.
Como dizia pelas imagens que vi, acho extraordinário, pois o que eu vi e ouvi na campanha em que foi protagonista, e que foi acusado de tudo, pondo em causa a honorabilidade e segurança, afirmando que iria para a justiça.
Acho extraordinário que depois no mesmo programa da TV ao ser confrontado pelo Sr. Bastonário desvalorizasse isso tudo.
Em fim olha para o que eu digo mas não para o que eu faço.

cumprimentos