26 fevereiro, 2016

É só a minha opinião, amigos

Se me perguntassem, por altura da saída de Varela do FCPorto, se preferia que ele ficasse, diria rotundamente que não. Para um clube como o FCPorto, que almeja(va) competir sempre ao mais alto nível, não creio que este hábito de repescar jogadores em fim de carreira possa significar uma boa gestão de recursos humanos. Falo de Varela, como podia falar do Quaresma, jogador talentoso mas demasiado caprichoso para assimilar o (já saudoso) espírito de jogador à Porto. Até podem dar jeito, em circunstâncias extremas de necessidade, mas se nunca chegaram a interiorizar esse espírito quando chegaram e ainda eram jovens, não é na idade do retiro que o vão fazer. Isto, nada tem a ver com patinhos feios, porque ambos tiveram bons momentos no FCPorto, contribuindo para a conquista de campeonatos e troféus, mas sim com as suas próprias características.

Só citei estes dois exemplos, para ilustrar, aquilo que me parece ser uma das falhas da gestão, contratação e formação dos plantéis, nas aberturas de mercado das últimas épocas. Claro que há circunstâncias específicas que podem justificar estas situações, mas não me parece que tenha sido o caso. O que me parece, é que a pesquisa prévia de jogadores para as várias posições não está a ser feita com o cuidado habitual, nem da parte do clube, nem da parte do(s) treinador(es) contratados. Duvido que actualmente haja, no departamento de scouting do FCPorto, um critério de selecção de jogadores que comporte, para além do aspecto técnico e físico, a componente do carácter. 

Quando Brahimi chegou ao FCPorto, e o vi jogar pela primeira vez, logo pensei que ali podia estar um grande craque, no entanto, recordo-me bem da sua expressão de espanto quando marcou golos nas primeiras jornadas na conversão de um par de livres soberbos. Hoje, já não tenho a mesma opinião sobre ele, e percebo porque é que ele próprio se espantou do que fez.  A Brahimi, falta-lhe a inteligência dos grandes jogadores, de saber quando devem jogar para o colectivo, ou optar pela finta objectiva. Brahimi é um auto-deslumbrado que se acha melhor do que é, talvez também porque não teve mestre que o ensinasse a ser melhor. Parece (digo eu), que ainda nenhum treinador lhe disse que não é a agarrar-se à bola, rodopiar sempre da mesma forma, uma e outra vez, para logo a perder, que crescerá como jogador, ou será aquilo que pensa que é, sem ainda o ser. O espírito colectivo dele não é dos melhores, para poder identificar-se como um jogador à Porto. Como ele, há mais. Tello (já cá não está) mas também foi sempre um jogador apagado, e foi para o Torino. Sérgio Oliveira, tem habilidade, mas muito pouca alma. José Angel é um barrete.

Depois, temos jogadores que podem ser reabilitados do agora confirmado síndrome de Lopetegui, se houver talento,tempo e determinação para isso, porque estão irreconhecíveis. É o caso de:  Ruben Neves, Aboubakar, Corona, Evandro (acho-o interessante, mas sub-aproveitado), Martins Indi, e Bueno (lesionado). Herrera é imprevisível, ora está bem, ora liga o "complicómetro". Finalmente, temos aqueles que dentro da anarquia geral do nosso clube (refiro apenas o futebol sénior), são na minha opinião os mais fiáveis e aguerridos. Refiro-me concretamente a: Danilo, Miguel Layún, Maxi Pereira, Marcano, André André, Suk, (Marega?!) e  os guarda-redes. Da equipa B, gostaria que fossem paulatina e oportunamente lançados jogadores como:  Ismael Diaz (possante e jogador de equipa), Omar Govea (médios), Chidozie, Verdasca, Victor Garcia (defesas), Gleison (pé esquerdo fantástico) e André Silva (avançados).

O lançamento de jogadores B para a equipa principal, obedece aos cuidados que qualquer treinador experiente tem de ter para escolher o melhor momento para o fazer, mas, entre optar por séniores cujo rendimento foi por demais testado sem grande sucesso e arriscar meter alguns da B com provas dadas, sou apologista da segunda hipótese.

De resto, só a SAD e o respectivo presidente sabem o que pretendem fazer. Se vão enveredar outra vez pelo caminho suícida do experientalismo (Lopeteguisadas)  e do silêncio, ou se tencionam defender como lhes compete o FCPorto, e fechar negócios de jogadores com o cuidado e rigôr que se impõe. Se não estiverem para aí virados, então façam o favor de se retirarem e promover eleições.

PS-Não falo do jogo de ontem, porque agora é tarde demais para esperar milagres. Se ganharmos um trofeuzinho este ano, já fico contente. Ao que chegamos, Porto!



7 comentários:

Miguel Lima disse...


este não é para publicar :)

o Tello foi para a Fiorentina, "de" Paulo Sousa

abr@ço
Miguel | Tomo III

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,

Referiu, de forma clara, todos os aspectos que contribuíram para o pesadelo que vai durar ainda até MAIO.

A aposta nos jovens tem que ser implementada de forma gradual e segura. Veja-se o caso André Silva. Contudo acho pertinente tudo quanto é dito neste capítulo.

Não sei porquê, mas não sinto que a estratégia desastrosa dos últimos anos seja alterada. Talvez quando soubermos de quem se rodeará o Presidente possamos melhorar as expectativas .

E já agora, perdoe-se a "ousadia" mas quero também tomar para mim esta sua OPINIÃO.

Cumprimentos

Rui Valente disse...

Caro Miguel,

obrigado pela correcção e... pela discrição. Só isso, justifica que publique o seu comentário, conta a sua vontade :-). Quem não erra? Eu não fujo à regra, embora não goste de errar muitas vezes, confesso. A correção está feita. Obrigado.

Um abraço

Rui Valente disse...

Caro Olaio,

gosto do contraditório, mas também gosto da harmonia do entendimento. Há tanta falta disso no mundo.

Um grande abraço

Soren disse...

Falta aí o Francisco Ramos que a par do Ismael e do Victor, é o jogador mais promissor da equipa B.
Claro que a sua entrada tem que ser faseada e de preferência não por "emergência" como foi o caso do Chidozie na Luz, mas há que integrar estes miúdos na equipa A ou empresta-los a equipas que os possam fazer crescer (não a Académicas por exemplo).

Para o ano regressa o Octávio que bem acompanhado pode dar um grande jogador. Massa humana há, mas temos que ter quem saiba gerir o crescimento destes putos cheios de talento.

Rui Valente disse...

De acordo Soren,

passou-me o Francisco Ramos, e o Octávio, que está no Victória de Guimarães.

São jogadores com uma margem grande de evolução e que já têm dado provas de maturidade. Agora, é preciso que ninguém os estrague, porque muitos dos que agora nos parecem jogadores medianos estão a pagar caro o sistema obcessivo e algo castrador de Lopetegui.

Anónimo disse...

Já começo a questionar se o FCP tem bons jogadores e uma má equipa. Como equipa é desequilibrada, tem alguns bons jogadores e outros assim assim, mas há sectores de grande carência, depois no plantel há para lá jogadores que não têm categoria para jogar no FCP, estão a mais, outros já fora do prazo de validade, que é caso de Varela "mas foi um bom jogador".

O grande problema, é, que até os dirigentes da SAD já são empresários e recebem as suas comissões, aqui já não está em causa o valor do atleta mas do dinheiro, por isso é que entram contentores de jogadores todos os anos, isto já para não falarmos das gracinhas do sr presidente para chatear, muitas das vezes tira ou não deixa entrar jogadores ao "inimigo" que muitos deles não têm qualidade.

Esta época mais uma vez não me vai deixar saudades, e com esta já lá vão três por má planeamento e não só. talvez nos reste a Taça de Portugal e um lugar para os campeões europeus.

O Ali Bá Bá da arbitragem sai, mas ficam lá os ladrões, a grande maioria dos árbitros e dirigentes que mandam no nosso futebol são Vermelhos, infelizmente está tudo minado e o nosso Padroeiro está gasto e com alguns pecados. Resta-nos a fé e alguma esperança.

Abílio Costa.