29 março, 2016

TAP CORTA 74 VOOS NO PORTO A PARTIR DESTE DOMINGO

Menos 74 voos semanais desde o Porto, mais 59 a partir de Lisboa. Esta é a nova estratégia da TAP a partir deste domingo, conforme denunciou este sábado a Câmara Municipal do Porto.


Segundo a autarquia liderada por Rui Moreira, a transportadora nacional cortará rotas do Porto para a Europa, Brasil e Estados Unidos, ao passo que reforçará o serviço no Aeroporto da Porto com novas ligações semanais.
De acordo com o site Porto.pt, portal oficial da Câmara do Porto, “os números, que a TAP nunca assumiu nas suas inúmeras comunicações sobre a sua operação de verão, mostram uma redução superior a 35% de passageiros, relativamente ao verão de 2015: 40% para fora da Europa e 34% para a Europa”.
Os números divulgados pela autarquia mostram também que a “a redução de passageiros para Londres é superior a 50%, uma vez que a operação passará a ser feita com aviões mais pequenos”.
Simultaneamente, a TAP inicia domingo uma ponte aérea entre o Sá Carneiro e a Portela com 18 ligações diárias. “Uma forma de drenar tráfego natural do aeroporto do Porto para o de Lisboa”, acusa a Câmara.
No total, calcula-se que a nova estratégia da TAP implica o corte de 2000 mil voos e cerca de 150 mil passageiros.
O Porto24 tentou contactar a TAP para obter uma reação a esta matéria, mas tal não foi possível até ao momento.
Nota de RoP:
Recomendo vivamente a leitura do livro "TAP-CAIXA NEGRA" da autoria de Rui Moreira e Nuno Nogueira Santos  assessor de comunicação da Câmara do Porto.  

7 comentários:

jorgemrm disse...


Boa noite caro Rui Valente,

Poderá ser um disparate de todo o tamanho, mas a minha sugestão era a de apelar a todos aqueles que tivessem de viajar para destinos que o aeroporto do Porto não ligasse directamente, o fizessem via Madrid preferencialmente, afinal são apenas mais 10 ou 15 minutos de vôo e há muito destinos a partir de Madrid que nem sequer Lisboa disponibiliza. Uma campanha organizada para promover mais ligações a Madrid também era bem vinda. Lamentar ou protestar, infelizmente, para quem está instalado na capital do Império falido tanto se lhes dá, é para o lado que dormem melhor. Mas se tivermos possibilidades de lhes dar no osso de maneira a doer é de nem hesitar. No que me diz respeito, procuro viajar sempre noutras companhias que não a Tap e tenho família na Africa do Sul que sempre que vem a Portugal viaja na Ibéria, Lufthansa ou outra, nunca na Tap. Já agora, para mim nascido e criado no Porto até aos 15 anos e que depois viveu 30 anos em Lisboa antes de regressar ao Norte definitivamente ( assim o espero ) o que me entristece mais é ter visto gente oriunda do Norte ( inclusive do grande Porto ) deslumbrada pela corte da capital e serem ainda mais arrogantes do que os de Lisboa, às vezes faziam-me lembrar os novos ricos que tinham vergonha dos pais por serem de origem humilde. Um abraço cordial. Jorge Monteiro

Rui Valente disse...

Caro Jorge,

não é disparate nenhum, bem pelo contrário. Tenho dois familiares próximos que trabalharam (o pai, m/ cunhado) e trabalham (filho, meu sobrinho) ainda na TAP, ambos comandantes, mas isso não me impede de ver para que lado está a razão. Aliás, creio que deviam ser os próprios funcionários da TAP (todos) a perceber o que se está a passar. Isto, não é um problema do Norte, é do país.Mas como semprd a comunicação social só diz o que o eucalipto do centralismo manda.
A sua sugestão faz todo o sentido.

Um abraço também para si

Guilherme de Sousa Olaio disse...

Caro Rui Valente,

Lido o seu post , senti-me tentado a ler a "CAIXA NEGRA". A princípio assustei-me, mas logo adiante constatei que nada tinha a ver com a Caixa Geral de Depósitos. Até ver!
Ainda não me consegui colar a nenhuma das posições que têm sido tomadas em relação ao corte de asas que fizeram à minha terra. Todas elas inócuas. Manifestações de desagrado enquadradas no politicamente correcto, sem serem acutilantes e promotoras do desassossego. Promover junto da Ibéria a criação duma ponte aérea entre o Porto e Madrid, seria a resposta adequada. Ficaríamos ligados a todas as rotas de longo curso e ao mundo inteiro.
Como se lê no JN de hoje e em bom brasileiro "Rui Moreira disse que ponte aérea era ótima notícia" e em artigo de opinião a páginas 30, Manuel Serrão exulta dizendo: "No "mindset" dos funcionários (da TAP) está o verdadeiro conceito de ponte aérea que é, neste caso, facilitar ao máximo a entrada dos passageiros no avião, bastando para isso que exista lugar", o que lhe permitiu sem custos acrescidos, viajar mais cedo, "graças à ponte aérea da TAP Expresso.
Perante isto, já desisti de procurar, mesmo de lanterna e à luz do dia, um tripeiro daqueles que me habituei a ler e a respeitar, tal a escassez que por aí prolifera.

Cumprimentos

Anónimo disse...

É o país e os governos que temos, isto já tinha sido cozinhado com esse pirata do ministro do governo anterior, e este actual nada fez, nem quer saber.
A falta de regionalização dá nisto, não há força, convém aos piratas políticos, a centralização é um meio de ditadura. E agora a onde estão os comunistas e os blocos, estão a assobiar para o ar a ver aviões passar, são todos feitos da mesma farinha.

Então o aeroporto da portela estava pelas costuras e agora com todos estes voos está como.
Óh, A. Costa, então tanto bleu bleu e não dizes nada! Os transportes aéreos de Lisboa não são os mesmos de Portugal. Com esta centralização, Lisboa, é um Reino de Tiranos que que estão a escravizar Portugal.

Abílio.

Rui Valente disse...

Caro Guilherme Olaio,

se as partes não chegarem a um consenso - por aquilo que vamos lendo, parece que as coisas já estão decididas, daí o comportamento ambíguo da TAP, e do próprio António Costa - é provável que Rui Moreira meta pés ao caminho e contacte a Ibéria para acertar esse tal vôo Porto-Madrid.
De todo o modo, acho que Rui Moreira fez bem em publicar o livro, qunato mais não seja para obrigar as "tartarugas" a pôrem a cabeça de fora e obrigá-los a falar. Depois, veremos quem é que fala verdade.

Por aquilo que leio não me parece que a razão esteja na TAP, e como antes disse, António Costa vai ter de explicar muito bem, qual é o papel do Estado neste imbróglio. Se falir outra vez, como é? Quem paga? Os contribuintes? E os do Norte também?

Rui Valente disse...

Ah, sobre o artigo de Manuel Serrão, também li e não o levei muito a sério. Aliás, o Serrão foge dos temas polémicos como o diabo da cruz. Não é propriamente o tipo de nortenho que admiro. Leva as coisas demasiado a brincar, para poder ser levado a sério...Não se esqueça que ele convive na paz do senhor com aquela gente de Lisboa.As jantaradas fazem milagres...

Anónimo disse...

Esse Manel Serrão o quer é que a vidinha dele corra, discute futebol quando a bola para ele é um penico, e quanto a este caso da TAP, não lhe dê muita credibilidade.

Abílio Costa.