12 março, 2016

Qual garra, qual carapuça!!

Como "bom" portista, o meu dever era ficar muito satisfeito com a victória desta noite no Dragão sobre essa temível equipa que dá pelo nome de União da Madeira.  Até porque os jogadores tiveram garra, como alguns dizem, pensando que a garra tudo resolve. A verdade é que não resolve, porque o golo da salvação surgiu ironicamente  de um dos jogadores que pior jogou (Corona).

Quando a famosa garra é acompanhada de uma sucessão de passes e cruzamentos errados, quando os jogadores têm medo de rematar à baliza, e dão todo o tempo do mundo aos adversários para reorganizarem a defesa, quando a opção inteligente era rematar rapidamente, não há garra que nos valha. Às vezes, só às vezes, o que pode  haver é sorte, como foi o caso desta noite. Tanto assim é, que mesmo quando ganhávamos por 2-0,  tinha dúvidas da victória do FCPorto, tal era a anarquia do futebol portista. Como tal, custa-me muito dizer que esta foi uma victória merecida. Não foi. A posse de bola mal gerida. é uma posse irrelevante.

Já disse o que pensava sobre este assunto. O problema já é antigo, e começou com o flop da contratação de Lopetegui e a potencialização do seu futebol medroso, que pouco a pouco, foi perdendo a noção da indispensável componente ofensiva, transformando os jogadores em meninos acabados de sair da formação, inseguros e inexperientes. Na minha vida já algo avançada, não me lembro de ver um FCPorto tão descaracterizado e frágil no seu próprio estádio. Isto é a regressão mais humilhante a que jamais assisti. Se Pinto da Costa dorme tranquilo depois disto, era bom que abandonasse o clube e promovesse eleições, porque agora só está a estragar a sua famosa folha de serviços.

Estando o problema principal há muito definido, torna-se inútil falar dos secundários, mas mesmo assim não consigo perceber como é que (é só um exemplo, entre muitos) nem Lopetegui, nem Peseiro, não tiveram arte nem engenho,para convencer Brahimi a jogar para a equipa. Isto, porque ele insiste em agarrar-se à bola até a perder, mostrando-se  incapaz de aproveitar o factor surpresa para a passar ao colega melhor colocado. Persistindo em jogar para ele próprio é um jogador a menos no FCPorto, e o que é pior, é que não se limita a bloquear o jogo do Porto, faz passes sucessivos aos adversários. Isto,é inaceitável continuar a acontecer no nosso clube, mas parece que não se  passa nada. O dinheiro em caixa dá cá uma tranquilidade...

A victória,é o mais importante, é isso que conta para muitos. Com victórias destas o desprestígio do clube, esse sim, será galopante, e a culpa tem um nome: Jorge Nuno Pinto da Costa. O resto, é folclore.


1 comentário:

Anónimo disse...

Claro como água, a culpa nem é de Lopetegui nem José Peseiro, é de uma direcção caduca, irresponsável. Já sabemos do que é que o mal padece.

Hoje só não empatamos ou perdemos partida depois de se estar a ganhar por 2 a 0, porque!... Porque o filme é sempre o mesmo.

Paciência aos sócios sr J. Peseiro! É o que há mais naquela casa, se não houvesse tanta paciência, já muita gente, teria de saído pela porta do cavalo.

Vamos lutar pelo terceiro lugar, como eu não acredito em milagres... Quanto à Taça de Portugal, já me questiono se somos os favoritos, neste momento, não sei se estamos mais fortes que o Braga! Logo se vê.

Abílio Costa.