06 abril, 2016

Fracos reis fazem fraca a forte gente

Este não é o caminho

Há na blogosfera quem me conheça pessoalmente e que sabe bem o que penso sobre o que está a acontecer no FCPorto. Em qualquer momento essas pessoas podem desmentir-me, se fôr caso disso, mas será difícil, porque o que está a acontecer, é exactamente o que eu previa. Não estou a dizer isto para me dar ares de sabichão, de gajo que nunca se engana  (como o Cavaco Silva de má memória). Estou apenas a constatar factos. Além disso, os meus posts podem confirmar muito bem o que tenho vindo a dizer. O que não imaginava é que a queda fatal fosse tão cedo.

O que mais me angustia neste virar de costas ao clube (que, é bom recordar, são os adeptos) por parte do principal responsável, são as consequências que daí resultam. As más exibições e resultados da equipa de futebol sénior, foram apenas parte do problema, digámos que funcionaram como lastro para outros problemas. Normalmente é isso que acontece, quando uma liderança se ausenta e perde a noção da sua importância. Só me espanta, é que Pinto da Costa não saiba coisa tão básica e continue aparentemente indiferente aos danos colaterais da apatia que o tomou.

Se pesquisarem os artigos que aqui mesmo publiquei, observarão que só muito contextualmente optei por responsabilizar jogadores e  treinador(es) pelas causas do que está a acontecer no FCPorto. Por uma razão muito simples - e é aqui que discordo de outros portistas -, é que eles foram vítimas da conjugação de vários factores (para eles transcendentais) pelos quais não podem ser imputados, sob pena de invertermos a lógica hierárquica dos poderes. Certas más decisões, como a escolha de Lopetegui para treinador, estiveram na base de muitas outras. Essa escolha, foi de Pinto da Costa. Por sua vez, a escolha de muitos jogadores foi de Lopetegui. E por aí fora. Por outro lado, Lopetegui não teve capacidade para impôr a sua ideia de futebol aos jogadores que escolheu. Depois, foi o que se viu, o sentido foi sempre na escala regressiva. Lopetegui não tinha mais condições para continuar. Perguntar-me-ão: então, e com Peseiro temos condições? Nestas conjunturas, quando o mal já está feito e as chances esgotadas, não me choca a mudança, mas é sempre um risco, sem dúvida. 

A todos estes factores em cadeia seguiu-se um outro, para mim o mais grave de todos: a resignação de Pinto da Costa como líder. É aqui que reside o principal problema. Ao ignorar as discriminações feitas ao FCPorto, quer por arbitragens escandalosas, algumas mesmo provocadoras, quer pela postura agressiva e faltosa dos adversários que disso se aproveitam, Pinto da Costa desencadeou uma espiral de abusos cujos resultados foram o que todos já sabemos: a perda de respeito. Mas, não foi só o respeito de quem nunca o respeitou por inveja, foi o dos adeptos que nunca estariam à espera de ser tão desconsiderados, como é o meu caso. 

Dito isto, é uma grande ingenuidade, diria mesmo, uma burrice, pensarmos que o desânimo, a raiva por nós sentida face a todas estas discriminações, juntamente com a apatia de quem mais manda no clube, não se apoderem dos próprios jogadores e técnicos. Sabendo, como nós sabemos, que com eles os árbitros são implacáveis, que à mais pequena falta podem ser injustamente castigados, e até expulsos, é extremamente difícil esperar deles grandes rasgos de superação. Os jogadores, tal como nós, perceberam que o nosso clube perdeu a capacidade de se indignar e de reclamar o respeito que lhe é devido. Perceberam que quem manda não faz o seu papel, por isso lhes falta a alma que muitos reclamam, sem compreenderem que não é com silêncio que se combatem injustiças.

Conclusão: até as modalidades, dotadas de excelentes treinadores e atletas (Andebol, Hóquei em Patins e Basquete), foram praticamente afastadas das provas mais importantes, contaminadas por esta lamentável época de negligencia, vergonha e medo. 

2 comentários:

Anónimo disse...

Rui Valente estou completamente de acordo com tudo o que escreveu, pois a grande maioria portista pensa exactamente assim. O que está acontecer neste momento na vida do FCP é única e exclusivamente da responsabilidade da SAD na pessoa do presidente NPC. Quando se vai votar em alguém para presidente de uma Instituição, é confiar que essa pessoa vai dar o seu melhor servindo sempre, mas nunca se servindo dela, e, se não cumprir o que todos os sócios pretendem, não tem mais alternativas se não sair demitindo-se, isto é ser inteligente e honesto.

Mas depois, de tanta indiferença para com os sócios a ponto de muitas vezes os criticar, de pensarem que só servimos para apoiar, que não estamos atentos à vida do Clube, que quem manda pode, eis que chegou o momento de saltar a tampa aos sócios.
Todos nos sabemos que para alem dos maus resultados, sabemos também das mordomias exageradas que muitos da SAD têm, não vai à muito tempo que até pelo terceiro lugar tinham prémios, isso não é justo para a grandeza deste grande Clube.

Aguardo sempre por parte de alguém responsável (presidente) noticias, que pelo menos ponham os adeptos ao corrente do que pretendem fazer, que é, para não haver mais situações daquelas que se passaram no final do jogo com o Tondela, que ninguém gosta, mas que alguém se expõe.

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

Abílio,

ao que consta, Pinto da Costa vai hoje ao Porto Canal explicar-se... A ironia da vida raramente tolera certas displicências. É o caso das que tiveram com os portistas que ficaram sem o Porto Canal por incúria negocial da SAD, já que agora se o quiserem ouvir não têm hipotese. Pelo menos, essa grande fasquia de espectadores não vão ouví-lo seguramente, como é o meu caso. Será que eles (SAD) pensaram em nós? Obviamente que não, nem perderam tempo a dar-lhes explicações.Isso, não é respeitar-nos, isso é fazer de nós tolinhos. É por essas e outras que agora lhe perdi o respeito. Além disso, não vou mudar de fornecedor para satisfazer os caprichos da SAD. Era o que faltava.