06 abril, 2017

Quem supervisiona o Porto Canal?

Entretenimento
Haja paciência, às vezes penso não pertencer a este planeta!

Já não tenho a certeza se o defeito é meu, se terei
noções bizarras de coerência, ou se são os outros.

Após ter assistido com agrado ao programa  Nas 4 Linhas, moderado pelo Director do Porto Canal, e de ouvir as palavras sensatas dos convidados residentes, Henrique Calisto, Aníbal Styliano e  Rui Cerqueira, relacionadas com os casos de violência de um jogador do Canelas a um árbitro, fiquei com dúvidas se Júlio Magalhães percebeu as mensagens que os convidados, comedida e inteligentemente, procuraram transmitir.  

Um dos convidados, Aníbal Styliano, foi bem explícito sobre o tema, quando afirmou que o problema da violência se combatia com prevenção e antecipação, e que devia ser a Liga e a FPFutebol a fazê-lo. Mas adiantou também que os órgãos de comunicação social, particularmente as televisões, deviam evitar transmitir cenas de violência, tal como está estipulado nas televisões de muitos países, porque está provado que em vez de inibir emitações, estimulam-nas. Pelo que me diz respeito, estou absolutamente de acordo com esta opinião. 

Ora, o que nunca esperava, é que depois de ouvir pareceres tão atinados, fosse rever no Porto Canal essas imagens de violência, uma vez antes do Jornal Diário, no programa Desporto Directo, e a outra no fim do telejornal. E não se limitaram a passar as imagens do Canelas, foram repassar uma outra em que se vê um tipo com um pau a tentar agredir um suposto árbitro junto de um carro. Fará algum sentido esta contradição, ou as normas das televisões são incompatíveis com a coerência?

É isto que não tenho capacidade para compreender. Ou seja, quando tudo levava a crer que o director do Porto Canal tinha assimilado as palavras sensatas do Aníbal Styliano como um exemplo a seguir, não, repetiu hoje as imagens que tinham sido alvo de crítica preferindo dar corda à violência...

O problema, deve estar comigo... 

PS-Sugiro que oiçam aqui as referidas palavras de A. Styliano a partir do minuto 56, até ao 58.

3 comentários:

Anónimo disse...

Quem supervisiona o Porto/Canal? Sinceramente que também não sei, mas, penso que é Júlio Magalhães. O que mais me choca, é haver matéria constante de mau comportamento e muitas vezes comportamentos graves das Claques do clube do regime e passa tudo em roda pé, quando se trata dos outros (compreendo) é assunto para uma duas semanas em primeira página. Eu, já nem falo do Lixo da Manhã, mas penso que alguns canais dão relevo a mais estes assuntos de policia. Se calhar para muita gente dá muito gozo ver estes assuntos de faca e Alguidar!...

Abílio Costa.

Rui Valente disse...

As imagens violentas branqueadas pelas arbitragens têm uma dupla gravidade: a do jogador que a cometeu (ou provocou), e a do árbitro que a consentiu.

Nestes casos devem ser gravadas e guardadas pelos clubes lesados como elemento de prova.

Do que discordo, como disse no post, é que as televisões se sirvam delas para empolar os problemas e sobretudo para manipular os espectadores.

Anónimo disse...

Costa & costa
Uma agressão a um arbitro é muito grave, mas agressões não físicas mas psicológicas e na pontuação dos árbitros aos clubes, gozando com milhares ou milhões de espectadores o que é!? O FCP nessa matéria é uma vitima e tem mais que razões de queixa. Olhem por exemplo, a agressão premeditada a NES e ao Alex Telles nas barbas do árbitro são quê uma Xistrada, e o conselho de disciplina fez alguma coisa! Nada, zero. Se fosse ao contrário seus justiceiros, como era! Até se borravam todos com os comentários do padrinho vermelho...