09 junho, 2017

Um país que não existe

David Pontes

Acreditem que ele está lá, mas não existe. Ou se existe, é como se não estivesse lá. É enquadramento, paisagem, figura de estilo, casa de férias, a terra dos meus avós, a propriedade que ficou de herança, o caminho para Espanha, o deserto, a gente tão típica, os de lá de cima, os de lá de baixo... Eles não formulam desta forma, mas é a isto que, com a sua atitude, muitos governantes e políticos portugueses reduzem o país que fica para lá da capital.
Um país que está lá, mas que para eles não existe, pelo menos no que respeita à presença de instituições do Estado e às escolhas que são feitas de investimento. O último de uma longuíssima série de episódios de esquecimento e desprezo é a saída da Agência Europeia do Medicamento (EMA) do Reino Unido que o Governo de António Costa decidiu, desde a primeira hora, que não seria uma candidatura de Portugal mas de Lisboa.
Não vale a pena argumentar que deveríamos deixar de ser o contrário dos restantes países da Europa, onde há muitos organismos públicos fora das capitais. Não vale a pena lembrar exemplos anteriores de países em que as cidades competiram para que fosse escolhido o local onde ficariam as agências europeias que albergam. A presidente do Infarmed foi categórica: "É preciso uma infraestrutura hoteleira enorme, um aeroporto com capacidade, escolas, jardins de infância de língua estrangeira". E onde é que há isso? Em Lisboa.
Nota de RoP: Hoje comemora-se na nossa cidade o Dia de Portugal. A Comunicação Social lisbonária devia ser apupada, vaiada, e só não digo maltratada por ainda conservar algum sentido cívico. Mas, era o que aquela canalhada merecia.

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
marujo88 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.