24 março, 2011

Nuno Santos aprovado para director de informação da RTP


O Conselho Regulador da Entidade Reguladora da Comunicação reuniu-se esta segunda feira e aprovou por unanimidade a entrada de Nuno Santos para director de informação da RTP.

Nuno Santos, que era director de programas da SIC desde 2007, foi confirmado como director de informação da estação pública no início de Março, depois da saída recente de José Alberto Carvalho para a TVI. A aprovação do Conselho de Redacção oficializa a contratação do jornalista.

Nuno Santos mostrou-se no início de Março "honrado" com o convite da administração da estação pública, garantindo que o cargo é uma "grande responsabilidade" na sua carreira.

A chegada do jornalista motivou contudo uma nota da Comissão de Trabalhadores da RTP declarando que o convite a Nuno Santos representa uma "falta de confiança" da administração para com jornalistas que integram os quadros da empresa. [JN]


Nota de RoP
Sobre a idoneidade de Nuno Santos para o cargo de Director de Informação de um canal público como é [é?] a RTP, mantenho as minhas reservas. Entre ele e o que lá estava, as diferenças são meramente físicas. Mas, confesso que me desperta alguma curiosidade  saber o que é que, para a Comissão de Trabalhadores, distingue  o anterior director, do actual. Porém, essas, são informações a que nós, comuns mortais, não temos direito.

Os jornalistas, e a sua vidinha  são assunto tabu, não é. Para eles, os holofotes da informação devem ser necessariamente discretos... Viva a coerência!

3 comentários:

Anónimo disse...

Eu não conheço lá muito bem o sujeito.
Sei que ele já andou de "candeias as avessas" com um outro Canal por
motivo de poleiro, ou seja de tacho.
É sempre de desconfiar desta gentinha, pois na grande maioria das vezes, vão chefiar o cargo não por competencia, mas sim por cunha.

O PORTO É GRANDE VIVA O PORTO.

dragao vila pouca disse...

Curioso o trajecto do Nuno Santos.

SIC, RTP, SIC, RTP...Director de programação, director de informação...

portodocrime disse...

o VIla Pouca disse tudo.
Abraço