29 janeiro, 2016

Inquietações e convenções

Resultado de imagem para inquietação
Tenho alguma dificuldade em lidar com o lado convencional das palavras. Há quem goste de usar determinado tipo de linguagem, talvez para dar de si uma imagem vanguardista, de pessoa convictamente virada para o porvir, para a frentex, como diz o povo. Amiúde, falam do futuro com grande entusiasmo e com indisfarçavel desprezo pelo passado, por vezes até com vergonha. É como se descessem de um pedestal de contemporaneidade do qual temem cair. Talvez influenciados por outrém, [figuras públicas, políticos ou intelectuais duvidosos], sentem-se confortáveis nesse registo, aparentemente convictos que tal lhes garante a credibilidade. Pura fantasia. Ao invés do que possamos imaginar, pensar para a frente, se vacinados pela experiência do tempo, não nos converte em melhores pessoas, mais assertivas e optimistas. Convencionar como coisa boa o futuro, sem aprender com os erros do passado, só  porque nos confere uma imagem positiva, pode sim, transformar-nos em gente imprudente e porventura irresponsável.

Em primeiro lugar, creio que devíamos procurar saber se o que está convencionado tem o valor que lhe atribuímos. Por exemplo: o termo progresso. Que significado concreto terá para muita gente?
Ou, futuro, tecnologia, globalização, prosperidade?

Em princípio, todos estes nomes comportam uma áurea de benignidade. Mas, se pensarmos bem, depois de assimilados os aspectos positivos, veremos que afinal de contas todos trazem consigo um preço muito alto que, mais tarde ou mais cedo teremos de pagar. É um facto que não há vantagem que não traga inconvenientes. A questão que se impõem, é saber se estamos dispostos a pagar os custos dessas desvantagens.

Hoje, podemos ligar para qualquer parte do mundo em poucos segundos, controlamos aparelhos à distância, dispomos de grandes centros comerciais e hipermercados. Somos pacificamente domados pela língua inglesa, e a 'cultura' americana segue a sua marcha de influência pelo mundo. Habituamo-nos à discriminação, à violência, à barbárie Jhiadista, à migração, à indiferença, à morte de inocentes. Temos Internet, blogues, redes sociais, e no entanto, estamos cada vez mais sós. Somos convivas da virtualidade.

A ideia de grandeza, iludiu os povos com a indevida colagem à ideia de prosperidade. Sabemos hoje, que não é nos supermercados que podemos encontrar os alimentos mais saudáveis, e os anunciados postos de trabalho daí decorrentes são ocupados pelo tecnologia (progresso) dos computadores. Dizem-nos - e nós até compreendemos -, que se assim não fosse a miséria humana seria muito maior. Mas, duvidamos...

Oceanos e rios, estão cada vez mais poluídos, contagiando a nossa cadeia alimentar. Na Terra acontece o mesmo. O clima do planeta está, mais e mais adulterado pela mão do homem, em nome dessa bendita palavra chamada progresso. Os animais, são criados na escala proporcional dos hipermercados, em condições cruéis de desenvolvimento, com hormonas de crescimento, sem mesmo terem tempo para viver em ambiente natural, ou conhecerem a luz do dia. Em nossas casas, temos dezenas, centenas de canais de tv, onde impera a cultura cinematográfica da violência e do sexo, quase toda de origem americana, onde a linguagem ordinária faz escola e influencia os nossos jovens. Enfim, tudo isto, dentro daquele conjunto de expressões convencionalmente optimistas  de que vos falei mais acima.

Aqui chegado, sem poder negar as vantagens que hoje foram o futuro de ontem, o futuro da humanidade não me entusiasma. As gerações vindouras dirão de sua justiça. Acho, ainda assim, que podíamos progredir mais lentamente, mas melhor, se ponderássemos bem nos efeitos secundários. Há quem seja contra esta opinião, quem a considere até anti-progressista. Pois bem, há sempre quem se contente com a importância convencional das coisas.

Por mim, prefiro sempre a realidade. As convenções são também um preconceito.


Sem comentários: