26 janeiro, 2016

Um sonho que mais parece realidade


Esta noite, sonhei que um jogador que o FCPorto pretendia contratar para o seu plantel tinha recusado o convite. Estranhando tal decisão, por contrastar com a realidade, que é precisamente antagónica (ainda agora tivemos prova disso com a contratação de 2 jogadores dados como certos no Sporting), procurei saber junto do jogador das razões que o levaram a declinar o convite. 


Perguntei-lhe: oiça lá, então por que razão o amigo se dá ao luxo de recusar jogar num clube com o prestígio nacional e internacional do FCPorto, quando alguns dos seus colegas até recusam melhores propostas dos clubes rivais para jogar no Porto?


O homem, fixou-me nos olhos, assim como quem se sente ofendido e responde:

- é que os colegas a que o senhor se refere devem andar distraídos!

Respondi-lhe:  então, diga lá por quê, explique-se, por favor. 

O craque retorquiu:

- muito gostaria de aceitar o convite do FCPorto, até porque, modéstia à parte, me considero um     jogador à Porto. Sou raçudo, nunca desisto de uma jogada, e não sou sarrafeiro.

- óptimo! É mesmo de jogadores desse tipo que o FCPorto anda a precisar. Com uma resposta dessas   você ainda me deixa mais baralhado, amigo  (repliquei).

- pois é, mas acho que só ia prejudicar o FCPorto...

- continuo sem perceber... Você acha-se um jogador à Porto e depois afirma que ia prejudicar o             clube? (insisti)

- eu explico. Mas não tinha necessidade, porque você, como portista que é já devia saber a resposta.

- Humm... Deixe lá ver. Não t'ou a ver.

- pronto, eu faço-lhe o desenho: que tal a imagem do Maxi Pereira, diz-lhe aguma coisa?

- Maxi? Ah, sim, diz, diz. Já estou a ver: é um jogador raçudo, à Porto, não é? E daí?

- Ó amigo, das duas uma, ou é burro, ou não gosta do FCPorto!

- Bem, também não precisa de ser grosseiro, mas se me explicar melhor...

-  Maxi, é um jogador raçudo, não é? Mas sempre que toca na bola, ou é falta, ou leva cartão. É para      isso que querem um jogador como eu? Para ser constantemente punido pelos árbitros e não                  marcarem os penalties cometidos sobre mim?

- Bem, mas para isso, está lá o Líder, o senhor Pinto da Costa, não é...

- está? estará mesmo lá? Ó amigo, das duas, uma: ou você ainda acredita no pai natal, ou tem andado   a     dormir. Esse Pinto da Costa já não existe, é passado. E eu, quero jogar num clube que tenha         quem o   defenda, não num orfanato... 

   

1 comentário:

Miguel Lima disse...


@ sr Rui Valente

ainda bem que eu só acredito no coelhinho da Páscoa e nas coelhinhas da playboy :)

abr@ço
Miguel | Tomo III