30 outubro, 2016

Post ao ainda presidente do FCPorto


Imagem dos resultados de notícias
Até quando vai durar a confiança?
Exmo.Senhor, Presidente Pinto da Costa,

Eu, Rui Valente, ex-sócio do FCPorto, com os nºs 77705, 38646 e 57182, mas eternamente adepto abnegado, venho por esta via comunicar-lhe o seguinte:
  • Fui, durante a vigência dos seus muitos mandatos gloriosos, um grande apoiante e defensor do seu trabalho, e continuaria ainda hoje nesse alinhamento se o cavalheiro não tivesse realizado uma enigmática volta de 180º à sua forma de gerir o clube, sem se dar ao cuidado de explicar porquê. Não a mim, especialmente, mas a mim, enquanto ex-sócio e elemento singular da imensa massa adepta do FCPorto. 

  • Por mais que me esforce por compreendê-lo, por tolerar mudança tão atípica e perniciosa, com as consequências que sabemos, não consigo, porque para o fazer, precisaria de conhecer as causas e a pertinência que eventualmente as justifiquem. Sim, porque tem de haver seguramente uma causa para tão radical transformação. Como da sua parte não é apresentada essa explicação, só se pode especular, coisa de que não gosto, mas que pelos vistos você aprecia, embora só à posteriori o negue, quando se sente agastado. O grave é que, até a capacidade de se indignar parece ter perdido. Não só a perdeu, como a pouca que ainda lhe resta, aplica-a contra os portistas que ousam ocasionalmente contestá-lo, em vez de lhes provar que ainda está disponível para defender o FCPorto das investidas criminosas dos nossos adversários de Lisboa, que sabendo-o letárgico, não hesitam em prejudicar-nos, quer manobrando arbitragens, quer a própria comunicação social completamente rendida à capital.

  • Há um aspecto do seu temperamento, até certo ponto compreensível, que os anos de sucesso acentuou,  que é a soberba própria de quem se habituou a ganhar, mas que não se coaduna com a liderança frouxa e resignada de agora e que, para seu bem, conviria moderar. É que, a confiança que os portistas sempre depositaram em si está a esfumar-se de dia para dia, mesmo que a ingenuidade de alguns menos exigentes lhe possa transmitir o contrário. 
O senhor, está a perder credibilidade junto dos que o admiravam e - salvo prova em contrário -, a culpa, é preponderantemente sua. Não querer ver esta realidade é um atestado de menoridade que está a passar de si próprio que nada contribuirá para manter a excelente imagem que deixou na maioria dos portistas. Por favor, pare um pouco para pensar, e mude de rumo. Não permita que a cólera se apodere de quem tanto o estimou e respeitou estes anos fantásticos de glórias. Bem sabemos que não se pode ganhar sempre, mas a questão não é essa. Uma coisa é perdermos porque os outros são melhores (e quando digo melhores, estendo o adjectivo aos gestores), outra coisa bem diferente e inaceitável, é perdermos por falta de comparência, por nos deixarmos vencer, sem lutar, contra as adversidades. 
Permita-me pois que lhe recorde que ser Porto é uma expressão fútil se não tiver impacto no modo como se administra o FCPorto e se obtém resultados desportivos. E deixe-se por favor de responsabilizar os treinadores pelos insucessos quando eles já cá não estão, quando a responsabilidade da escolha for sua. Não resulta bem, nem é sério. 
  • Tudo o que atrás referi é sincero, como é também o que lhe vou dizer a seguir: estou cada vez mais preocupado com o FCPorto do que com a sua pessoa. Poder-me-à dizer que é natural, e é-o, de certo modo. Acontece é que todos nós portistas nos habituamos a olhar para si como se fosse o FCPorto, e hoje parece-se mais com um adversário, já quase um inimigo...






Quem merecia levar um vermelho no focinho com direito a internamento hospitalar, era este vendido, este pedaço de trampa em forma de árbitro. De que tipo de gente terá sido um gajo destes parido? Que vergonha tenho de viver neste país!

11 comentários:

jorgemrm disse...


Caro Rui Valente,

Infelizmente o nosso Clube é um pouco o espelho do que se passa na cidade do Porto, no Norte no Centro e no Sul : Um País colonizado pelo poder instalado na Capital. Entre os 15 os 25 anos vivi em Moçambique, então colónia, e nunca senti tanto o sufoco colonialista como agora sinto no Portugal de hoje. E o que mais me custa é constatar que os responsáveis por esta espécie de estado colonialista são, na sua maioria, oriundos do Norte e do Centro do País. Atente-se na composição da Assembleia da República. Somos traídos todos os dias por aqueles que foram eleitos para nos representar. Os círculos por onde são eleitos deveriam obrigá-los a defender a região que representam, mas o que acontece é apenas se preocuparem em agradar à corte do poder para obter os seus favores para seu benefício pessoal. Porque não avança a regionalização quando a maioria dos deputados nem sequer é lisboeta? Se houve regionalização nos Açores e na Madeira é porque o Poder Central se sentiu ameaçado pelos movimentos independentistas. Assim, enquanto o Poder Central não se sentir ameaçado não haverá regionalização. Como disse um dia D. Manuel Martins, Bispo de Setúbal " o Poder só se incomoda quando é incomodado". Ora, durante cerca de trinta anos foi o nosso FCPorto a incomodar o Poder com o saudoso JM Pedroto e Pinto da Costa. Infelizmente o nosso " Zé do Boné " já não está entre nós e P.Costa está desaparecido em combate. Mais do que um Presidente para o nosso Clube que volte ao combate, precisamos também de um líder político que combata o centralismo e que não capitule perante as mordomias da Capital. Apesar da idade, 65, eu ainda quero acreditar que ainda vamos encontrar alguém que nos lidere no combate ao "Colonialismo da Capital". As minhas cordiais saudações. Jorge Monteiro.

Rui Valente disse...

Caro Jorge Monteiro,

concordo com o que diz, é um facto que já não temos aquela marca distintiva que nos fazia sentir diferentes. Não encontro objectivamente as causas, mas cá para mim, considero que a comunicação social centralista e monopolista tem profundas responsabilidades nessa mudança.

Como sabe, o Porto perdeu os poucos jornais e rádios que ainda detinha para as mãos dos centralistas. Se têm ou não cá raízes é irrelevante, o que importa é que não são bons representantes dos interesses da região e isso é lamentável.

Cordiais saudações também para si

Deacon Blue disse...

Ola Rui,

Estas novas geraçoes nao têm a cultura de sentir a cidade como no "nosso tempo"!

Os exemplos (sobretudo politicos) que vêm de cima nao ajudam, só nos enterram mais...

Enfim, esta tudo descaracterizado, para muito pior.
Cidade de turismo Low cost... :((

O Porto antes era uma cidade com alma e brio muito proprio, a malta defendia e exaltava a sua cidade! agora querem é internet e os shows da tv ao domingo....

Muito mau....

DB



Anónimo disse...

Este Joao Pinheiro chegou a internacional dum momento para o outro tal qual Tiago Martins e Fabio Verissimo.
Enquanto que o internacional Marco Ferreira descia de divisao...

A arbitragem deste Pinheiro para alem do lance do penalty teve mais indicios de caseirismo.
Já epoca passada arbitrou o FCP B /Benfica que marcou um penalty contra o FCP que ninguem viu para depois nada marcar a favor do FCP num lance claro sobre Ismael.

O Tiago Martins para alem do desempenho lamentavel a nivel disciplinar em Alvalade tinha arbitrado meses antes um Oriental/FCP B
em expulsou 2 jogadores nossos um deles nem falta fez.

O Fabio Martins é aquele que a epoca passada nao marca um penalty em campo aberto e perto do lance e de frente para ele em Paços Ferreira quando o SUK foi visivelmente agarrado.

E o FCP sabendo de tudo isto que estrategia traçou ???
Parece me que NADA.

Ouvi hoje ( espero esteja correcto) que é o terceiro ano consecutivo que na jornada anterior a defrontar o Benfica, o FCP perde pontos por"LAPSOS" da arbitragem.

COINCIDENCIAS.

Rui Valente disse...

Pois é, os lapsos das arbitragens contra o FCPorto são sempre lapsos inocentes, como inocentes são as faltas mal marcadas em benefício dos vermelhos. É a suprema hipocrisia, a postiçagem a fazer escola na capital da vergonha.

Rui Valente disse...

Deacon,

a alma e o brio dos portuenses, como diz e bem, perdeu-se também devido aos despovoamento urbano do centro da cidade, que é a coisa que mais me tem incomodado nos últimos anos, embora me conste que a autarquia está a pensar em resolver o assunto (não sei, é, se bem). Além disso, a concentração dos media na capital, mormente as televisões, são a segunda face do problema. As pessoas habituaram-se a aceitar esta monopolorização naturalmente e sem maldade, e o resultado é o que se vê: centralismo/Lisboa/2ª circular.
Com a falta de lideres na região, só podia dar nisto.

Anónimo disse...

Na Sic noticias de domingo o RSantinhos voltou a falar dos "lapsos" de arbitragem durante 20 anos a favor do FCP.

Rodolfo Reis nao reagiu e isso acontece com frequencia aos nossos representantes porque desconhecem a historia do futebol portugues que já leva 100 anos.

Eu nao me importaria ( mas ha gente portista melhor documentada que eu)de discutir com o RS ou outros, os 100 anos de Futebol Portugues.

E acabava assim o mito urbano do favorecimento do FCP.

Agora quando o FCP aceita SEM ESTREBUCHAR que arbitros (ex) sofriveis ou nem isso como Lucilio e JFerreira ocupem cargos importantes no conselho de arbitragem e nada questione E quando ve gente subir a internacional sem qualquer CV enquanto o internacional Marco Ferreira é eliminado e pouco ou nada faz ou diz....
E MAIS.
Dormimos demasiado se calhar pensando que estavanos no Futebol Ingles onde todos sao tratados da mesma maneira.
O FCP desde Alvalade nao deveria ter deixado cair no esquecimento aquela arbitragem do tal TIAGO sobretudo a nivel disciplinar e assim so com isto, talvez nao lhe aparecessem outras "bruxas"...
ANJINHOS.

Rui Valente disse...

Eu acho que os nossos comentadores sabem bem muito bem a história, o que não querem, porque não têm coragem, é de os confrontar para não perderem a avença.

Salta aos olhos, e sinceramente, como portista isso desgosta-me imenso

Anónimo disse...

A única coisa que me liga a este paizeco ainda é o FC Porto.

Eu ainda tenho o sonho e a ilusão de que o futebol europeu vai dar uma volta grande e nós nos "desprenderemos" deste nojo de campeonato.

Tenho vergonha de ser deste país, mas infelizmente não pude escolher onde nascer.

jose vilar disse...

Ex.mo Snr. Rui Valente
Peço desculpa de me intrometer neste seu blog.
Esta e a primeira vez que me atrevo a escrever perante uma pessoa que sente como eu sentimento afectivo pelo FCP.
Aprecio imenso a sua escrita na blogosfera.
Mas, hoje, partilhando dos seus afectos, gostaria de deixar bem expresso, a minha opinião de que em tempo e para nosso bem, o cidadao e Presidente Pinto da Costa serviu o FCP.
Hoje esse mesmo Presidente serve-se do Clube comunado com os seus apoderados.
Obrigado pela atençao. Fui um antigo atleta amador do Clube e de ha longo tempo tempo deixei de ser socio.

Rui Valente disse...

Sr. José Vilar,

pode tratar-me apenas por Rui Valente, e não precisa de me pedir desculpa, porque é sempre benvindo quem vier por bem, como é o seu caso. Eu é que lhe agradeço por ter vindo aqui dar a sua opinião natural, ao contrário de certas "não pessoas" que por aqui gostam de pousar cheios de ódio sempre a coberto da máscara cobarde do anonimato.
Comente as vezes que quiser, e diga o que lhe vai na alma.

Um abraço