22 novembro, 2016

Para a Champions, outra vez um deserto atacante

Não sei, não faço a menor ideia do que anda a fazer Nuno E. Santo para ensinar os jogadores a chutar à baliza, em vez de se atrapalharem uns aos outros. Mais uma vez, houve muita vontade, posse de bola, algum domínio na segunda parte, mas uma produção absolutamente nula. 

Nuno, disse que sabia(m) o que devia corrigir, já o disse outras vezes, mas não corrigiu o que falta: boas desmarcações e golos, as tais chatices de que falei no post anterior.

Assim, não há defesa que resista.

Melhores em campo:

Toda a defesa + Danilo e Oliver


1 comentário:

Anónimo disse...

O FCP agora virou a escola de treinadores ou a reciclar outros que por aí andam, que foram sempre uns frustrados por onde passaram.
Se fomos melhores principalmente na 2ª parte, fomos, mas, não marcamos golos. Somos uma equipa que joga com gasóleo e não com gasolina e quando chega à grande área é uma confusão parece que a baliza assusta.
Mais uma vez deixamos para o fim as decisões num grupo tão acessível,

PRECISA-SE: de um presidente, de um treinador, e de um verdadeiro ponta de lança "matador". "FCP o melhor clube português e dos melhores a nível mundial" pagamos bem.

Abílio Costa.