15 junho, 2017

CENTRALISMO DE LISBOA NA MIRA DO CONSELHO METROPOLITANO DO PORTO


O presidente do Conselho Metropolitano do Porto (CmP), Emídio Sousa, afirmou esta quarta-feira que a escolha de Lisboa para acolher a Agência Europeia do Medicamento (EMA) “é mais um exemplo do centralismo” que a região “não pode tolerar”.


Criticando novamente o “centralismo”, Emídio Sousa disse ficar “extremamente preocupado que o Governo considere que a única cidade portuguesa apropriada para receber a EMA seja Lisboa”.
“Fico preocupado se a opção for política, mas fico ainda mais preocupado se a opção for condicionada por motivos técnicos ou falta de infraestruturas”, acescentou.
Para o responsável, que falava na sessão de abertura da cerimónia comemorativa dos 25 anos da Área Metropolitana do Porto (AMP), “é demasiado grave que o Governo português considere que há apenas uma cidade capaz de receber este organismo, que está a ser disputado por mais 20 estados-membros”.
Também a TAP voltou a ser tema em destaque no seu discurso, com Emídio Sousa a afirmar que “tirar voos intercontinentais do Porto foi uma maldade e uma medida penosa”.
Para o líder da AMP, estando o aeroporto de Lisboa a “rebentar pelas costuras”, o aeroporto do Porto “tem de ser a alternativa”.
As ligações ferroviárias ao aeroporto do Porto são também necessárias, defendeu, sustentando que a infraestrutura aeroportuária “é a grande porta de entrada” que a região tem para o mundo.
Emídio Sousa defendeu ainda a criação de um “programa especial de acolhimento” de portugueses e lusodescendentes residentes na Venezuela.
“O Porto e a Área Metropolitana do Porto (AMP) devem exigir do Governo de Portugal e da União Europeia um programa especial de acolhimento destinado à diáspora na Venezuela”, afirmou.
Segundo Emídio Sousa, que é também presidente da Câmara de Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, este programa deve “receber e acolher” lusodescendentes, concedendo de forma “rápida e simplificada” a nacionalidade portuguesa, “pelo menos até à quarta geração de descendentes portugueses”.
A AMP é composta por 17 municípios dos distritos do Porto e de Aveiro. A região tem cerca de 1,7 milhões de habitantes.
(do jornal Porto24)
Nota de RoP
António Costa parece já ter esgotado o stock de optimismo dos primeiros mêses de governo. Agora, entrou no registo comum a todos os políticos que é disparatar e contradizer-se com as promessas que faz.
Pelo que consta, na decisão que tomou da escolha de Lisboa para candidatura à Agência Europeia do Medicamento, não estudou as condições de acesso. Nenhuma cidade europeia - como é o caso de Lisboa - pode candidatar-se se já tiver duas agências. Falar só de centralismo é pouco. Isto é de ditador.

5 comentários:

aires disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
zeportista disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Felisberto Costa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Unknown disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.